domingo, 31 de março de 2013

To Love a woman




If you want to change the world… 
Love a woman-really Love her.
Find the one who calls to your soul, who doesn’t make sense.
Throw away your check list and put your ear to her heart and listen.

Hear the names, the prayers, the songs of every living thing - every winged one, every furry and scaled one, every underground and underwater one, every green and flowering one, every not yet born and dying one…Hear their melancholy praises back to the One who gave them life. If you haven’t heard your own name yet, you haven’t listened long enough. If your eyes aren’t filled with tears, if you aren’t bowing at her feet, you haven’t ever grieved having almost lost her.

If you want to change the world… love a woman-one woman beyond yourself, beyond desire and reason,
beyond your male preferences for youth, beauty and variety and all your superficial concepts of freedom.
We have given ourselves so many choices
we have forgotten that true liberation comes from standing in the middle of the Soul’s fire and burning through our resistance to Love.

-There is only one Goddess.
Look into Her eyes and see, really See!
if she is the one to bring the axe to your head..

If not, walk away. Right now!
Don’t waste time “trying.”
Know that your decision has nothing to do with her
because ultimately it’s not with who,
but 'when' we choose to surrender.

If you want to change the world… Love a woman.
Love her for life-beyond your fear of death,
beyond your fear of being manipulated
by the Mother inside your head.
Don’t tell her you’re willing to die for her.
Say you’re willing to LIVE with her,
plant trees with her and watch them grow.
Be her hero by telling her how Beautiful she is in her vulnerable Majesty,
by helping her to remember every day that she IS Goddess
through your adoration and devotion.

If you want to change the world… Love a woman
in all her faces, through all her seasons
and she will Heal you of your schizophrenia-
your double-mindedness and half-heartedness
which keeps your Spirit and body separate-
which keeps you alone and always looking outside your Self for something to make your life worth living.
There will always be another woman..
Soon the new shiny one will become the old dull one
and you’ll grow restless again, trading in women like cars,
trading in the Goddess for the latest object of your desire.

Man doesn’t need any more choices.
What man needs is Woman, the Way of the Feminine,
of Patience and Compassion, non-seeking, non-doing,
of breathing in one place and sinking deep intertwining roots strong enough to hold the Earth together
while she shakes off the cement and steel from her skin.

If you want to change the world… love a woman, just One woman.

Love and protect her as if she is the last holy vessel. Love her through her fear of abandonment
which she has been holding for all of humanity.
No, the wound is not hers to heal alone.
No, she is not weak in her codependence.
If you want to change the world… Love a woman
all the way through until she believes you,
until her instincts, her visions, her voice, her art, her passion, her wildness have returned to her- until she is a force of love more powerful than all the political media demons who seek to devalue and destroy her.

If you want to change the world,
lay down your causes, your guns and protest signs.
Lay down your inner war, your righteous anger
and Love a woman…beyond all of your striving for greatness, beyond your tenacious quest for enlightenment.
The holy grail stands before you
if you would only take her in your arms
and let go of searching for something beyond this intimacy.

What if peace is a dream which can only be re-membered through the heart of Woman?
What if a man’s love for Woman, the Way of the Feminine
is the key to opening Her heart?
If you want to change the world…Love a woman
to the depths of your shadow,
to the highest reaches of your Being,
back to the Garden where you first met her,
to the gateway of the Rainbow realm
where you walk through together as Light as One,
to the point of no return,
to the ends and the beginning of a new Earth.


Lisa Citore

To Love a man



"If you want to change the world Love a man; really love him
Choose the one whose Soul calls to yours clearly who sees you; who is brave enough to be afraid
Accept his hand and guide him gently to your hearts blood
Where he can feel your warmth upon him and rest there
And burn his heavy load in your fires
Look into his eyes look deep within and see what lies dormant or awake or shy or expectant there
Look into his eyes and see there his fathers and grandfathers and all the wars and madness their spirits fought in some distant land, some distant time
Look upon their pains and struggles and torments and guilt; without judgment
And let it all go
Feel into his ancestral burden
And know that what he seeks is safe refuge in you
Let him melt in your steady gaze
And know that you need not mirror that rage
Because you have a womb, a sweet, deep gateway to wash and renew old wounds

If you want to change the world Love a man, really love him
Sit before him, in the full majesty of your woman in the breath of your vulnerability
In the play of your child innocence in the depths of your death
Flowering invitation, softly yielding, allowing his power as a man
To step forward towards you…and swim in the Earth’s womb, in silent knowing, together
And when he retreats…because he will…flees in fear to his cave…
Gather your grandmothers around you…envelope in their wisdoms
Hear their gentle shusshhhed whispers,
calm your frightened girls’ heart
Urging you to be still…and wait patiently for his return
Sit and sing by his door, a song of remembrance,
that he may be soothed, once more

If you want to change the world, love a man, really love him
Do not coax out his little boy
With guiles and wiles and seduction and trickery
Only to lure him…to a web of destruction
To a place of chaos and hatred
More terrible than any war fought by his brothers
This is not feminine this is revenge
This is the poison of the twisted lines
Of the abuse of the ages, the rape of our world
And this gives no power to woman it reduces her as she cuts off his balls
And it kills us all
And whether his mother held him or could not
Show him the true mother now
Hold him and guide him in your grace and your depth
Smoldering in the center of the Earth’s core
Do not punish him for his wounds that you think don’t meet your needs or criteria
Cry for him sweet rivers
Bleed it all back home

If you want to change the world love a man, really love him
Love him enough to be naked and free
Love him enough to open your body and soul to the cycle of birth and of death
And thank him for the opportunity
As you dance together through the raging winds and silent woods
Be brave enough to be fragile and let him drink in the soft, heady petals of your being
Let him know he can hold you stand up and protect you
Fall back into his arms and trust him to catch you
Even if you’ve been dropped a thousand times before
Teach him how to surrender by surrendering yourself
And merge into the sweet nothing, of this worlds’ heart

If you want to change the world, love a man, really love him
Encourage him, feed him, allow him, hear him, hold him, heal him
And you, in turn, will be nourished and supported and protected
By strong arms and clear thoughts and focused arrows
Because he can, if you let him, be all that you dream"


sexta-feira, 29 de março de 2013

Easter



Desejo a todos, de todas as religiões e nenhuma religião, o mais feliz Renascimento (Páscoa-Easter).
Esta é uma altura de largar o velho e doloroso e, dar as boas vindas ao Novo!
Uma altura de Renascimento do Amor, Compaixão, Entusiasmo, Renascimento da Vida!!!!

Espero que todos nós consigamos reerguermos-nos do Inverno, e entrar na Primavera como as flores e os pássaros: Renascer!!!!

HAPPY HOLI

quinta-feira, 28 de março de 2013

Are you awake?



I'm usually not a fan of categorizing spiritual progression, but these are some important questions to ask.
What are your motives?
What are your goals?
If you believe this life is just a ride for lessons and growth, then you already know you have an eternity of infinite love and bliss ahead of you.

Until we reach that point, let's do our job here:)

Spirit Science

terça-feira, 26 de março de 2013

Escaping Earth with Morgan Freeman

Coast To Coast AM - March 25 2013 Vatican & ETs / Free Energy C2CAM



In the first half, researcher of ancient mythology and paranormal phenomena, Tom Horn, updated the story of how the Vatican could be preparing for ET disclosure, and discussed his visit to the Vatican Astronomical Technology Telescope. Interestingly, about three weeks before Pope Benedict resigned, Horn had predicted that his resignation was imminent. He based this partially on a 61-year-old French codex called "The Mysterious Prophecy of the Popes" by Jesuit Rene Thibault, who wrote back in 1952 that the Pope would step down to make way for the Final Pope in April 2012.

When Horn and his co-author Cris Putnam visited the Vatican Telescope on Mount Graham in Arizona, they were able to interview several priests and astronomers there, and learned some fascinating information. According to their sources, the Vatican's interest in astronomy relates to their quest to pinpoint certain exoplanets, and advanced alien intelligences. Some of the staff there spoke openly about UFOs, and noted that intelligently controlled crafts had frequently been observed in deep space. "Some of these Jesuits believe that official disclosure is imminent," and new dogma is being drafted that will say that the world is soon going to look to aliens for their salvation, he reported. Horn also shared an intriguing revelation about his brother-in-law, who worked on a top secret project at Los Alamos Lab. One night, under the influence of alcohol, he told his family that the Lab was involved in the 'alien agenda.' After this incident, he disappeared, and was never heard from again.

--------------------------------------
In the second half, consultant Joel Garbon discussed his 25 years of travels through a fascinating international scene some call the free energy underground, and detailed how energy breakthroughs have been suppressed. His organization, the New Energy Movement, is a grassroots, non-profit outreach effort for the public to become aware of technologies that aren't receiving mainstream attention. The class of technology involving cold fusion, initially produced startling results, but then was generally dismissed. This rush to judgment did a great disservice to the technology, Garbon commented. But now 24 years later, cold fusion has been declared to be real, and a number of companies and start ups, such as Brillouin Energy are experimenting with various techniques. These technologies may eventually be used to heat water, and generate steam. Italian inventor Andrea Rossi has gotten a lot of attention for his process, he added.

A colleague of Garbon's has been investigating many different technologies and has come up with a self-charging energy device shaped like a coin, that is comprised of very thin layers of nanomaterials, and could possibly be incorporated into smaller electronics like cell phones. So often our elected leaders don't have the public's interest at heart when it comes to developing new energy technology, he remarked. His team provides a technology vetting service for inventors that are springing up from all over, though sometimes the inventors have not done front end testing of their products in advance that would make their performance claims valid.

http://www.coasttocoastam.com/show/2013/03/25

Clif High: Anunnaki - Salish Creation Stories




A perspectiva dos mitos da criação da tribo indígena dos Salish, sem a intervenção das majestosas instituições, e a "lavagem cultural" milenar a que as chamadas "culturas avançadas" foram sujeitas.

É a perspectiva crua, RAW.
E os pontos de contacto com a história Suméria (e não só) dos Anunnaki.

É muitissimo interessante!

PITN: The Vatican's E.T. Connection



BRUTAL este vídeo!!!
O Vaticano é uma Caixinha da Pandora...
Project Lucifer...fascinante!

A mim, o que me intriga mais, são as "mensagens" e simbologias que vêm não sabemos de onde...mas que não me parece que sejam deste planeta azul...
Qual o porquê do interesse do Vaticano neste assunto?
Afinal há explicação para os Milagres...
O cerco aperta-se...

Tudo isto começa na análise da cruz do papa...e vejam só onde veio dar...

"Free-standing fourth-century CE Roman sculptures, and even third century ones, are sometimes hopefully identified as "Christ, the Good Shepherd",[9] illustrating the pericope in the Gospel of John, and also the second-century Christian literary work The Shepherd of Hermas."

todas as simbologias cristãs não passam de "cópias" do que já existia...

Isto não é nada simples. E a verdade das coisas está quase sempre bem enterrada e com várias camadas de equivoco. As aparências são um poço de ilusão...

por exemplo... serão "cópias" ...ou serão repetições do mesmo acontecimento?
Ou serão os mesmos personagens que voltam ciclicamente.
Ou serão personagens diferentes mas vindos do mesmo "sitio" que voltam ciclicamente e que obviamente por virem do mesmo "sitio" têm a mesma aparência, simbologia e mensagem?
Ou serão diferentes "mensageiros" de "diferentes sítios" com diferentes "agendas" mas que respeitam as mesmas "leis superiores/simbólicas" que para nós são perfeitamente desconhecidas, ... ou...





NESTA LUZ QUE ME FASCINA E ME SEDUZ



lá fora
há um mundo que me apela e me repele
um sem número de vozes que me ferem os silêncios
e uma luz que me fascina e me seduz

aqui
vivo desnudada em abrigo
fechado aos olhares de quem habita nesse mundo
que me apela e me repele

aqui
nesta casa que me habita
tenho a alma repleta de destroços
tenho dores que me fatigam os sonhos invisíveis

e a luz que me fascina
em apelo de multidão
agarra-me pelos braços e arrasta-me desta casa
para lá,
lá para fora

sinto-me perdida
nessa luz que me fascina e me seduz...


João Carlos Esteves

domingo, 24 de março de 2013

Plutão



Plutão é seguramente o planeta que melhor traduz a energia da sombra e aquele que, implacavelmente, nos obriga a olhar de frente para a morte, sem qualquer espécie de filtro, sem nenhuma complacência ou pieguice. Lembro-me de ouvir alguém, há uns tempos,tinha eu 35 anos, a dizer-me: "com Plutão, não tens hipótese. o abismo está ali, à tua frente. ou saltas, ou és empurrada."

E assim tem sido, pelos vistos tinha razão.
Ora saltando, ora empurrada, temos estado frente a frente, eu e a morte, a morte e eu. Ela a querer que eu lhe dê luta, eu a querer que me dê paz, ela ao ataque, eu à defesa, ela activa, eu reactiva, cairemos muito em breve nos braços uma da outra, essa é a esperança, esse é o trânsito da sombra a fazer, em simultâneo, quadratura ao meu Sol e à minha Lua.

Nenhuma morte quer levar-nos se não for para renascermos e o propósito é só esse: mergulhar de cabeça num abismo assustador, deixar que tudo me doa, que lentamente a morte seque o que ainda arde e ainda sangra, que dissolva o que resiste, que me esventre as ilusões, me congele a temperatura e me devolva enfim à vida, quando enterrar tudo aquilo que já não serve e não respira.

É dura a morte, mas mais duro é ir morrendo aos poucos viva, apegada à podridão das velhas crostas, à humidade e ao bolor de antigas feridas, muito mais duro do que o abismo é ir caindo em queda livre, sem ousar bater no fundo. De cada vez que não deixamos que nos mate, a morte vem e mortifica-nos e, isso sim, é o desperdício da vida.

Não sei bem a quantos graus anda o Plutão, se ainda vai bater no Sol, se ainda irá mexer na Lua, mas sei cada vez melhor onde é que a sombra ainda se esconde, onde é que ainda tem vergonha, de onde é que tenta fugir, vejo cada vez mais clara a luz ampla que me guia, estou quase a deixar que a morte me devolva inteira à vida, co-criando-me quem sou - luz e sombra - dando graças pelo abismo onde lutei com os meus fantasmas, dando graças pelo dons e, humildemente, aceitando cada mão que me é estendida, cada festa que tem vindo ao meu encontro e me garante que os anjos velam por mim.

Afinal, a morte é doce e Plutão é generoso, pois ao passar destruiu-me pela dor, mas deixou-me o seu imenso poder regenerador para que eu própria me acolhesse com amor e pudesse resgatar a força da minha luz.

sábado, 23 de março de 2013

Don Pettit

                                                             


Making the invisible, visible!

A short film dedicated to DON PETTIT, Astronaut, Poet and Astrophotographer!

Stealth Mission

                                                     


Discover the facts behind the Governments secret mission "Stealth Mission - CURIOSITY," and the legitimate validation of ancient intelligence on Mars.

However much of what was learned during this mission still remains a secret.

This presentation includes the most up to date images and telemetry from over six probe missions providing the widest coverage possible of the Martian surface.


E claro, Richard C. Hoagland, uns 15min a partir dos 23:22!!!!

Inca City...in Mars!



"Inca City" is the informal name given by Mariner 9 scientists in 1972 to a set of intersecting, rectilinear ridges that are located among the layered materials of the south polar region of Mars.

Their origin has never been understood; most investigators thought they might be sand dunes, either modern dunes or, more likely, dunes that were buried, hardened, then exhumed. Others considered them to be dikes formed by injection of molten rock (magma) or soft sediment into subsurface cracks that subsequently hardened and then were exposed at the surface by wind erosion.

The Mars Global Surveyor (MGS) Mars Orbiter Camera (MOC) has provided new information about the "Inca City" ridges, though the camera's images still do not solve the mystery.
The new information comes in the form of a MOC red wide angle context frame taken in mid-southern spring, shown above left and above right.

The original Mariner 9 view of the ridges is seen at the center.
The MOC image shows that the "Inca City" ridges, located at 82°S, 67°W, are part of a larger circular structure that is about 86 km (53 mi) across.

It is possible that this pattern reflects an origin related to an ancient, eroded meteor impact crater that was filled-in, buried, then partially exhumed.
In this case, the ridges might be the remains of filled-in fractures in the bedrock into which the crater formed, or filled-in cracks within the material that filled the crater.

Or both explanations could be wrong.

While the new MOC image shows that "Inca City" has a larger context as part of a circular form, it does not reveal the exact origin of these striking and unusual martian landforms.

Aprovecha lo que tienes



"Cuánto tienes a tu alcance para hacer algo no es ni por asomo tan importante como lo que decidas hacer con ello. Muchísima gente que se volvió espectacularmente exitosa, comenzó sin otra cosa que sus deseos y su compromiso. Y hay muchos otros que, a pesar de haber tenido todo a su favor, terminaron consiguiendo muy poco.

La carrera no se gana en la línea de partida. Aunque contar con algunas ventajas puede ayudar, lo que realmente importa no es lo que se tiene sino lo que se hace con ello.

Si pretendes que se te presente la situación ideal, el trabajo ideal o la oportunidad para el negocio ideal, te quedarás esperando durante un tiempo terriblemente largo por algo que, en realidad, no vale la pena esperar tanto. Lejos de añorar la situación ideal, ponte a trabajar con lo que tienes a tu alcance aquí y ahora. Mientras los demás esperan por algo que probablemente nunca tendrán, tú puedes ir avanzando aprovechando aquello que ya tienes a tu disposición.

Los mejores recursos son aquellos que puedes utilizar con efectividad para perseguir tus metas y tus sueños. Y puedes utilizar aquellos que tienes. Aunque lo que tengas pueda estar lejos de ser el ideal, es justo lo que necesitas para avanzar. Aprovecha lo que tienes, y estarás avanzando con firmeza en dirección a lo que deseas, sea lo que fuere."


sexta-feira, 22 de março de 2013

John Perkins



John Perkins was a prominent member of the top-secret team of 'economic hit men', who used fraudulent financial reports, rigged elections, payoffs, extortion, sex, military coups and murder to create the global American empire after World War II.
After a long internal struggle between his guilt and the fear of telling the truth, Perkins meets the daughter of an assassinated president and speaks out in front of an angry Latin-American audience.




“The true terrorists of our world do not meet at the docks at midnight, or scream "Allahu Akbar" before some violent action.
The true terrorists of our world wear 5000 dollar suits and work in the highest positions of finance, government and business.”
-Peter Joseph




“I’m not only a pacifist, but a militant pacifist. I am willing to fight for peace. Nothing will end war unless people themselves refuse to go to war.” 
-Albert Einstein

domingo, 17 de março de 2013

Marisa Monte - Depois ( Oficial )



Depois de sonhar tantos anos,
De fazer tantos planos
De um futuro pra nós
Depois de tantos desenganos,
Nós nos abandonamos como tantos casais
Quero que você seja feliz
Hei de ser feliz também

Depois de varar madrugada
Esperando por nada
De arrastar-me no chão
Em vão
Tu viraste-me as costas
Não me deu as respostas
Que eu preciso escutar
Quero que você seja melhor
Hei de ser melhor também

Nós dois
Já tivemos momentos
Mas passou nosso tempo
Não podemos negar
Foi bom
Nós fizemos histórias
Pra ficar na memória
E nos acompanhar
Quero que você viva sem mim
Eu vou conseguir também

Depois de aceitarmos os fatos
Vou trocar seus retratos pelos de um outro alguém
Meu bem
Vamos ter liberdade
Para amar à vontade
Sem trair mais ninguém
Quero que você seja feliz
Hei de ser feliz também
Depois


Quero que tu sejas feliz, Moreno...
Hei-de ser feliz também
Depois


sábado, 16 de março de 2013

Turista suíça vítima de violação colectiva na Índia



Uma mulher de nacionalidade suíça foi vítima de um violação colectiva na presença do seu marido no centro da Índia, anunciou neste sábado a polícia local.

A vítima e o marido viajavam de bicicleta e estavam acampados na sexta-feira à noite no estado de Madhya Pradesh quando oito homens atacaram o casal, amarrando o homem e violando repetidamente a mulher na sua presença, antes de roubaram 10 mil rupias (185 dólares) e um telemóvel.

A mulher, com cerca de 40 anos, foi hospitalizada em Gwalior, localidade que fica a 340 quilómetros de Bhopal, a capital estadual.

A polícia não forneceu a identidade da vítima nem pormenores sobre o seu estado de saúde, limitando-se a dizer que a mulher está consciente e que forneceu um testemunho que possibilitou já a detenção de oitos suspeitos de terem estado envolvidos no ataque.

Os dois turistas dirigiam-se ao famoso palácio do Taj Mahal, em Agra, um dos locais turísticos mais visitados da Índia.

Este ataque acontece numa altura em que cada vez mais indianas e indianos fazem ouvir a sua voz contra a violência sexual contra as mulheres e a impunidade que faz com que os atacantes quase nunca sejam levados à justiça.

Os protestos começaram depois da violação colectiva de uma estudante indiana de 23 anos em Nova Deli que acabaria por morrer no hospital. Os seus atacantes foram presos e estão a aguardar julgamento. Um deles foi encontrado morto, enforcado na sua cela, em circunstância que estão ainda a ser investigadas.

Público
16-3-2013

A Fonte




A fonte (The Source)
1999 – Documentário para TV

Directed by Chuck Workman

Johnny Depp - Jack Kerouac



Documentário sobre o movimento literário americano beatnik, que serviu como inspiração para a contracultura e o movimento hippie dos anos 60.
É mostrado como Jack Kerouac, William Burroughs e Allen Ginsberg se conheceram no final dos anos 40, a amizade entre eles, suas viagens e suas criações.
O filme traz imagens de arquivo, produções que reflectem a influência da cultura beatnik e os actores Dennis Hopper, Johnny Depp e John Turturro interpretam trechos das obras.

sexta-feira, 15 de março de 2013

VOCÊ ENTREGOU O SEU PODER?



Quando culpamos o outro, entregamos o nosso poder, porque estamos colocando a responsabilidade pelos nossos sentimentos em outra pessoa. As pessoas em nossas vidas podem se comportar de maneiras que desencadeiem reacções desconfortáveis em nós. Entretanto, elas não entraram em nossas mentes e criaram os botões que foram empurrados.

Assumir a responsabilidade pelos nossos próprios sentimentos e reacções é dominar a nossa “capacidade de responder.” Em outras palavras, aprendemos a escolher conscientemente, ao invés de simplesmente reagirmos.

Não podemos falar de ressentimento sem também falarmos sobre o perdão. Perdoar alguém não significa que toleremos o seu comportamento. O ato do perdão ocorre em nossa própria mente. Ele realmente nada tem a ver com a outra pessoa. A realidade do verdadeiro perdão está em deixarmos de nos agarrarmos à dor. É simplesmente um ato de nos liberarmos da energia negativa.

O Perdão não significa permitir que as acções ou comportamentos dolorosos do outro continuem em sua vida. Algumas vezes, o perdão significa liberação. Você os perdoa e os libera. Tomar uma posição e estabelecer limites saudáveis são, muitas vezes, as coisas mais amorosas que você pode fazer – não somente para si mesmo, mas para a outra pessoa também.

Eu realmente acredito que não há erros. Quando os nossos corações estão fechados e sentimos ressentimento, raiva e tristeza, é difícil ver alguma coisa boa. No entanto, quando os nossos corações estão abertos, é como se grande parte desta negatividade desaparecesse e fôssemos capazes de liberar estes velhos pensamentos e despertarmos para a alegria. Para cada um de nós, há sempre a alegria interior. E precisamos saber que somos muito perfeitos como somos.

Não importa quanto caos possa estar acontecendo ao nosso redor, não importa quantas coisas possam estar acontecendo de errado ou não da forma como queremos, não importa o que os nossos corpos possam estar fazendo no momento – podemos amar e aceitarmos a nós mesmos. Pois a nossa verdade – a verdade do nosso ser – é que somos eternos. Sempre fomos e sempre seremos. E esta parte de nós mesmos continua para sempre. Alegre-se que assim seja. Quando nos amamos e nos aceitamos exactamente como somos, torna-se mais fácil passarmos pelos momentos difíceis. Não estamos mais lutando contra nós mesmos. Estamos nos aceitando.

Estamos nos tornando sensíveis. Estamos nos valorizando. Estamos nos confortando e tornando as coisas mais fáceis para nós mesmos.

Veja-se na frente de um espelho, olhando para os seus próprios olhos e dizendo: “Eu o amo e o aceito exactamente como você é”. E respire. Permita-se sentir o que você está sentindo. Você não tem que ser perfeito. Você já é perfeito como é: Você é você. Você é exactamente o que escolheu ser nesta existência. De todos os corpos e de todas as personalidades que estavam disponíveis, você escolheu ser quem você é – viver neste mundo, esta vida, através do seu corpo, através de sua personalidade. Assim, ame a sua escolha, pois é parte da sua evolução espiritual.

Louise Hay

These Days

                                                                     



I know I should be more grateful
grateful for everytihng I have
And I know I should be less downfall
But unfortunately Iam just human
I'm in a big hole surrounded by fear
I'm in a deep dark hole
Deep enough for me to disapear
But should I go if earth the only place I know
All I know is I don't wantthis anymore
Livin' out life without nowhere what a distant is searching for

There are days where I would love to be somebody else
Days where I am fighting myself
There are days where I wish I would be a child again
And sometimes days where I wish they wouldn't last
Days where I wish I would be dead

Step back, stay away from me
Can't you respect that I only need my peace
These days I'm too weak to see
These days I'm all about me
I don't want to talk this out
Cause there are certain things we don't need to talk about
The silence in between will let you know what I mean
And each time I try to escape
I pray to go not to let me fake
And to take my doubts away
Hum hum....

There are days where I would love to be somebody else
Days where I am fighting myself
There are days where I wish I could be a child again
And sometimes days where I wish they wouldn't last
Days where I wish I would be dead....

Ayo

EU SOU O QUE 'EU SOU'!



"Vem. 
Conversemos através da alma. 
Revelemos o que é secreto aos olhos e ouvidos. 
Sem exibir os dentes, sorri comigo, como um botão de rosa. 
Entendamos-nos pelos pensamentos, sem língua, sem lábios. 
Sem abrir a boca, contemos-nos todos os segredos do mundo, como faria o intelecto divino. 
Fujamos dos incrédulos que só são capazes de entender se escutam palavras e vêm rostos. 
Ninguém fala para si mesmo em voz alta. 
Já que todos somos um, falemos desse outro modo. 
Como podes dizer à tua mão : "toca", se todas as mãos são uma? 
Vem, conversemos assim. 
Os pés e as mãos conhecem o desejo da alma. 
Fechemos pois a boca e conversemos através da alma. 
Só a alma conhece o destino de tudo, passo a passo. 
Vem, se te interessas, posso mostrar-te" ... 

"Na verdade, somos uma só alma, 
Tu e eu, nos mostramos e nos escondemos tu em mim, 
Eu em ti, eis aqui o sentido profundo da minha relação contigo 
Porque não existe, entre tu e eu, nem eu, nem tu..." 

Rumi

quinta-feira, 14 de março de 2013

Jorge Mario Bergoglio



"Jamais condenou os ditadores argentinos, apesar de saber que Videla e os seus sequazes torturavam, assassinavam, faziam desaparecer milhares de pessoas. Não pode alegar que não tinha conhecimento, porque era o confessor e dava a comunhão a Videla." 

Luis Sepúlveda

Para muitos, só o facto de o novo papa ser latino-americano já é uma garantia do regresso iminente aos evangelhos na sua expressão mais pura. Não é assim. A história sinistra da igreja católica, sobretudo a recente, não vai ser limpa por uma nacionalidade determinada. E se a questão era eleger um latino-americano, por que não Leo Messi, que é o mais próximo da perfeição divina?

É público que jamais condenou ditadores argentinos, apesar de saber que na Argentina de Videla e dos seus sequazes se torturava, se assassinava, faziam-se desaparecer milhares de pessoas, roubavam-se os recém nascidos das prisioneiras grávidas, violavam-se todos os direitos e todos os mandamentos que, supostamente, regem a moral e a conduta dos católicos.
Videla era católico e dos fanáticos, tal como Massera e todos os criminosos que usurparam o poder na Argentina.
E sabendo-o – "Francisco I" – não abriu a boca. Não pode alegar que não sabia, porque era o confessor e era quem dava a comunhão a Videla.
Que lhe confessava o chefe dos torturadores?

Segundo uma extraordinária reportagem do jornalista argentino Horacio Verbitsky, publicada no Página12 em 1999, o cardeal Jorge Mario Bergoglio é culpado, por acção ou omissão, da detenção e desaparecimento de dois religiosos da sua própria ordem.

Nunca esclareceu estes factos, mas, curiosamente, quando o presidente Néstor Kirchner acabou com as odiosas leis de “obediência devida", com as amnistias aos criminosos e reabriu os julgamentos contra os piores criminosos da história argentina, Jorge Mario Bergoglio descobriu a pobreza e converteu-se no paladino do antikirchnerismo.

Na reportagem publicada pelo Horacio Verbitsky mostra dois documentos: um, que implica diretamente Jorge Mario Bergoglio no desaparecimento desses dois padres, e outro, adulterado, modificado, amanhado, talvez pela mão do Espírito Santo.


Despachos oriundos da embaixada de Buenos Aires, vazados pelo Wikileaks, revelam que o novo papa da Igreja Católica, o argentino Jorge Bergoglio, era um nome bastante citado pela oposição argentina em conversas com diplomatas americanos.
No período de 2006 a 2010, mostram que a oposição do país vizinho, assim como os americanos, via nele um agente político poderoso contra os Kirchner.

Num documento de maio de 2007, a relação entre a Igreja Católica e o governo Néstor Kirchner é descrita como “tensa”:
“Bergoglio recentemente falou de sua preocupação com a concentração de poder de Kirchner e o enfraquecimento das instituições democráticas na Argentina”.
Além disso, reportam os documentos, Bergoglio agia fortemente nos bastidores, provocando a irritação dos partidários de Kirchner. “O prefeito de Buenos Aires, Jorge Telerman, e sua parceira de coalizão e candidata a presidência, Elisa Carrio, supostamente encontraram-se com Bergoglio em abril, e a inclusão do líder muçulmano Omar Abud na lista de candidatos ao legislativo de Telerman foi supostamente ideia de Bergoglio”, reportaram os diplomatas.
O religioso também era muito próximo de Gabriela Michetti, então ex-vice prefeita de Buenos Aires e actualmente deputada federal da oposição, segundo outro telegrama, de 26 de janeiro de 2010.
UM PAPA MANCHADO PELA RELAÇÃO COM A DITADURA

Não há nada de que se alegrar.
O conselho geral de accionistas do Vaticano & Company deixou tudo tal como estava.

Ainda agora começou...



"As Mulheres são naturalmente inaptas para exercer cargos políticos a ordem natural é ensinar aos filhos que o homem é um ser politico por excelência"

" As escrituras mostram-nos que a mulher deve estar ao lado do seu marido como pensador e fazedor, mas nada mais do que isso "

Cardeal Bergoglio ou novo Papa "Francisco" já nem merece consideração nenhuma e só agora está a começar...
As suas palavras são repletas de machismo, imbecilidade,e retrocesso total na sociedade.
Já agora, porque em vez de condenar as mulheres, ele não condena os padres pedófilos que a igreja e o Vaticano escondem e sempre esconderam ?
Assim como o tráfico de armas?
Já para não falar da lavagem de dinheiro...

O que disse não é fundamentável...
É um verdadeiro retrocesso na sociedade.
As mulheres têm o livre arbítrio de seguirem politica ou não estarem ao lado dos maridos se sempre foram trastes com elas...
Mas a realidade é que este novo papa já começa a dizer muitas asneiras e ainda agora entrou.
Por exemplo, também é contra o aborto mesmo que uma mulher seja violada...
Eu não concordo com isso, a mulher não tem culpa do que lhe acontece e pode, no meu entender, pode querer  esquecer algo que foi monstruoso para ela...
Atenção, eu sei que a criança não tem culpa, é um novo ser ....
Mas...
Porque não se colocam no lugar das mulheres, e pensam o que elas sentiriam se fossem violadas por trastes?
Os padres não entendem, porque eles próprios molestam crianças, usam sexualmente as freiras...

... passo a citar William Shakespeare: 
"O diabo pode citar as Escrituras quando isso lhe convém". 

As frases citadas pelo papa são polémicas, e foram dirigidas à presidente da Argentina, Cristina Elisabet Fernández de Kirchner, uma política e advogada argentina, ex-senadora pelas províncias de Santa Cruz e Buenos Aires, actual presidente da Argentina.
De 25 de maio de 2003 a 10 de Dezembro de 2007 foi também primeira-dama, pois é viúva do ex-presidente Néstor Kirchner, ao qual sucedeu no governo do país latino.
Em 28 de Outubro de 2007 foi eleita 55ª presidente da Argentina, a primeira mulher eleita pelo voto directo, no país, sendo reeleita em 2011...

Deve ser muito frustrante ver uma mulher assumir as rédeas de um pais.
Cristina Kichmer conseguiu promover o Crescimento económico, a Redução da pobreza, a Criação de empregos.
Optou por uma Política educacional, uma Política de direitos humanos, um Casamento igualitário e promoveu a Descriminalização do aborto...isto para mentes retrógradas como são a grande maioria dos membros da Igreja é uma dor de cabeça....eles querem gente ignorante para poder controlar as massas.

Foi o papa quem disse aquelas palavras...e ainda agora começou...
Acho que é apenas um retrocesso na nossa Sociedade, depois do que as mulheres conquistaram ao longo dos tempos...


SAUDADES



Magoa-me a saudade
do sobressalto dos corpos
ferindo-se de ternura
dói-me a distante lembrança
do teu vestido
caindo aos nossos pés

Magoa-me a saudade
do tempo em que te habitava
como o sal ocupa o mar
como a luz recolhendo-se
nas pupilas desatentas

Seja eu de novo a tua sombra, teu desejo,
tua noite sem remédio
tua virtude, tua carência
eu
que longe de ti sou fraco
eu
que já fui água, seiva vegetal
sou agora gota trêmula, raiz exposta

Traz
de novo, meu amor,
a transparência da água
dá ocupação à minha ternura vadia
mergulha os teus dedos
no feitiço do meu peito
e espanta na gruta funda de mim
os animais que atormentam o meu sono

MIA COUTO, 
in RAIZ DO ORVALHO E OUTROS POEMAS


[NOS TEUS SEIOS]



nos teus seios [redondos]
frutos maduros [apetecidos]
hipoteco os meus beijos [desvairados]
de prazeres mais a sul [permitidos]
alimento-me [sôfrego]
dos sabores a mel [de abelha]
enquanto esvoaço [estonteado]
em direcção à noite [desarrumada]
sou apenas insecto [aluado]
que descansa nos teus seios [compassivos]
túrgidos de promessas [orgásticas]
imensos de poemas [excessivos]

ANTÓNIO BARROSO CRUZ, 
in POEMAS À FLOR DA PELE

Plato's Allegory of the Cave - "The Island"

                 


Basically, there are prisoners in a dark cave, they are chained and can only see shadows on a wall. To them, the shadows are the truth, because that is all they know, they don't realize they are just a shadow of objects that people are holding up against the light of a fire.

A prisoner escapes and makes his way out of the cave - when he sees the sunlight for the first time it hurts his eyes and he runs back into the cave. But after a while his eyes adjust and he goes back out again. He realizes how beautiful the light is. He begins to realize the cave was not the reality - not truth, but that the light is what is actually beautiful and real.

The point - that is what living in society is like. If we choose to believe everything people of authority & power tell us, if we accept what we read in the paper or on TV as being the truth, guess what - we're one of those prisoners chained in the cave.

Have you seen 'The Island'?


                         


Now THAT's Platos Allegory of the Cave.
That is EXACTLY how the world is.
And we are all LINCOLN 6 ECHO (Ewan McGregor)
You absolutely couldn't explain it more succinctly.

So many injustices in this world will never be first and foremost for government, media etc.

This is 2013 and we still have slavery, child abuse, rampant violence against women, hunger, homelessness etc.
Why?
Because too many of us are content to stay chained down in that cave, believing what those with power and money want us to know.

Alma



A alma é um vento. 
Pode cobrir mar e terra. 
Mas não é da terra nem do mar. 
A alma é um vento. 
E nós somos um agitar de folha, 
nos braços da ventania.

Mia Couto 
in,"O outro pé da sereia"


terça-feira, 12 de março de 2013

......viagem



Todos seguimos a nossa própria viagem.
Cada um de nós vive a sua própria aventura,e encontra todo o tipo de desafios,e as escolhas que
fazemos nessa aventura é que nos irá definir.
Essas escolhas vão pressionar-nos e testar-nos e levar-nos até ao nosso limite.
E a nossa aventura irá fazer-nos tão fortes como jamais pensaríamos que poderíamos ser.

Há uma citação de um dos meus autores favoritos, Joseph Campbell,que é mais ou menos assim:


“Encontra um sítio dentro de ti onde haja alegria,
e a alegria, expulsará a dor. “

domingo, 10 de março de 2013

Segredos da Pérsia

A Mulher Portuguesa



«A mulher portuguesa não é só Fada do Lar, como Bruxa do Ar, Senhora do Mar e Menina Absolutamente Impossível de Domar. É melhor que o Homem Português, não por ser mulher, mas por ser mais portuguesa. Trabalha mais, sabe mais, quer mais e pode mais. Faz tudo mais à excepção de poucas actividades de discutível contribuição nacional (beber e comer de mais, ir ao futebol, etc). Portugal (i.e., os homens portugueses) pagam-lhe este serviço, pagando-lhes menos, ou até nada.

O pior defeito do Homem português é achar-se melhor e mais capaz que a Mulher. A maior qualidade da Mulher Portuguesa é não ligar nada a essas crassas generalizações, sabendo perfeitamente que não é verdade. Eis a primeira grande diferença: o Português liga muito à dicotomia Homem/Mulher; a Portuguesa não. O Português diz «O Homem isto, enquanto a Mulher aquilo». A Portuguesa diz «Depende». A única distinção que faz a Mulher Portuguesa é dizer, regra geral, que gosta mais dos homens do que das mulheres. E, como gostos não se discutem, é essa a única generalização indiscutível.

A Mulher Portuguesa é o oposto do que o Homem Português pensa. Também nesta frase se confirma a ideia de que o Homem pensa e a Mulher é, o Homem acha e a Mulher julga, o Homem racionaliza e a Mulher raciocina. E mais: mesmo esta distinção básica é feita porque este artigo não foi escrito por uma Mulher.

Porque é que aquilo que o Homem pensa que a Mulher é, é o oposto daquilo que a Mulher é, se cada Homem conhece de perto pelo menos uma Mulher? Porque o Português, para mal dele, julga sempre que a Mulher «dele» é diferente de todas as outras mulheres (um pouco como também acha, e faz gala disso, que ele é igual a todos os homens). A Mulher dele é selvagem mas as outras são mansas. A Mulher dele é fogo, ciúme, argúcia, domínio, cuidado. As outras são todas mais tépidas, parvas, galinhas, boazinhas, compreensíveis.

Ora a Mulher Portuguesa é tudo menos «compreensiva». Ou por outra: compreende, compreende perfeitamente, mas não aceita. Se perdoa é porque começa a menosprezar, a perder as ilusões, e a paciência. Para ela, a reacção mais violenta não é a raiva nem o ódio – é a indiferença. Se não se vinga não é por ser «boazinha» – é porque acha que não vale a pena.

A Mulher Portuguesa, sobretudo, atura o Homem. E o Homem, casca grossa, não compreende o vexame enorme que é ser aturado, juntamente com as crianças, o clima e os animais domésticos. Aturar alguém é o mesmo que dizer «coitadinho, ele não passa disto…» No fundo não é mais do que um acto de compaixão. A Mulher Portuguesa tem um bocado de pena dos Homens. E nisto, convenhamos, tem um bocado de razão.

O que safa o Homem, para além da pena, é a Mulher achar-lhe uma certa graça. A Mulher não pensa que este achar-graça é uma expressão superior da sua sensibilidade – pelo contrário, diverte-se com a ideia de ser oriundo de uma baixeza instintiva e pré-civilizacional, mas engraçada. Considera que aquilo que a leva a gostar de um Homem é uma fraqueza, um fenómeno puramente neuro-vegetativo ou para-simpático – enfim, pulsões alegres ou tristemente irresistíveis, sem qualquer valor.

E chegamos a outra característica importante. É que a Mulher Portuguesa, se pudesse cingir-se ao domínio da sua inteligência e mais pura vontade, nunca se meteria com Homem nenhum. Para quê? Se já sabe o que o Homem é? Aliás, não fossem certas questões desprezíveis da Natureza, passa muito bem sem os homens. No fundo encara-os como um fumador inveterado encara os cigarros: «Eu não devia, mas.. » E, como assim é, e não há nada a fazer, fuma-os alegremente com a atitude sã e filosófica do «Que se lixe».
Homens, em contrapartida, não podiam ser mais dependentes. Esta dependência, este ar desastrado e carente que nos está na cara, também vai fomentando alguma compaixão da parte das mulheres. A Mulher Portuguesa também atura o Homem porque acha que «ele sozinho, coitado; não se governava». O ditado «Quem manda na casa é ela, quem manda nela sou eu» é uma expressão da vacuidade do machismo português. A Mulher governa realmente o que é preciso governar, enquanto o homem, por abstracção ou inutilidade, se contenta com a aparência idiota de «mandar» nela. Mas ninguém manda nela. Quando muito, ela deixa que ele retenha a impressão de mandar. Porque ele, coitado, liga muito a essas coisas. Porque ele vive atormentado pelo terror que seria os amigos verificarem que ele, na realidade, não só na rua como em casa não «manda» absolutamente nada. «Mandar» é como «enviar» – é preciso ter algo para mandar e algo ao qual mandar. Esses algos são as mulheres que fazem.

O Homem é apenas alguém armado em carteiro. É o carteiro que está convencido que escreveu as cartas todas que diariamente entrega. A Mulher é a remetente e a destinatária que lhe alimenta essa ilusão, porque também não lhe faz diferença absolutamente nenhuma. Abre a porta de casa e diz «Muito obrigada». É quase uma questão de educação.

A imagem da «Mulher Portuguesa» que os homens portugueses fabricaram é apenas uma imagem da mulher com a qual eles realmente seriam capazes de se sentirem superiores. Uma galinha. Que dizer de um homem que é domador de galinhas, porque os outros animais lhe metem medo?
Na realidade, A Mulher Portuguesa é uma leoa que, por força das circunstâncias, sabe imitar a voz das galinhas, porque o rugir dela mete medo ao parceiro. Quando perdem a paciência, ou se cansam, cuidado. A Mulher portuguesa zangada não é o «Agarrem-me senão eu mato-o» dos homens: agarra mesmo, e mata mesmo. Se a Padeira de Aljubarrota fosse padeiro, é provável que se pusesse antes a envenenar os pães e ir servi-los aos castelhanos, em vez de sair porta fora com a pá na mão.»

Miguel Esteves Cardoso
in, A Causa das Coisas

sábado, 9 de março de 2013

John Surman - Winter Wish

Viver com sabedoria



Viva sua vida de forma que o medo da morte nunca possa entrar em seu coração.
Nunca incomode ninguém por causa de sua religião.
Respeite os outros em seus pontos de vista, e exija que eles respeitem os seus. 
Ame sua vida, aperfeiçoe sua vida,embeleze todas as coisas em sua vida. 
Busque fazer sua vida longa e de serviços para seu povo. 
Prepare uma canção fúnebre nobre para o dia quando você atravessar a grande passagem. 
Sempre dê uma palavra ou sinal de saudação quando encontrar ou cruzar com um estranho em um local solitário. 
Demonstre respeito a todas as pessoas, mas não se rebaixe a ninguém. 
Quando você se levantar de manhã, agradeça pela luz, pela sua vida e força. 
Dê graças por seu alimento e pela alegria de viver. 
Se você não vir nenhuma razão para dar graças, a falha se encontra em você mesmo. 
Não toque o aguardente venenoso que transforma os sábios em tolos e rouba deles suas visões. Quando chegar sua hora de morrer, não seja como aqueles cujos corações estão preenchidos de medo da morte, e que quando a hora deles chega eles choram e rezam por um pouco mais de tempo para viverem suas vidas novamente de uma forma diferente. 
Cante sua canção de morte, e morra como um herói indo para casa.

Tecumseh

Anouar Brahem - The Astounding Eyes Of Rita [Full Album - 2009]



Anouar Brahem

The Astounding Eyes Of Rita (2009)

01. The Lover Of Beirut - 0:03
02. Dance With Waves - 7:43
03. Stopover At Djibouti - 11:40
04. The Astounding Eyes Of Rita - 18:14
05. Al Birwa - 26:56
06. Galilee Mon Amour - 31:49
07. Waking State - 39:06
08. For No Apparent reason - 46:54

أنور ابراهم هو موسيقي الجاز العربية وعازف عود تونسي معروف ولد في 20 أكتوبر عام 1957 في حي "الحلفاوين". في سن العاشرة التحق بالمعهد التونسي للموسيقى حيث تعلم العود على يد علي صريتي وبدأ يعزف في الفرق الموسيقية في سن الخامسة عشرة.

Anouar Brahem (أنور ابراهم), né le 20 octobre 1957 à Tunis, est un oudiste et compositeur tunisien. Il a fortement modifié le rôle traditionnel de l'oud, en le modernisant et en le confrontant aux musiques occidentales, en particulier le jazz. Il est considéré comme un musicien moderne, tout en ayant une profonde connaissance de la musique arabe traditionnelle

Anouar Brahem (in Arabic أنور براهيم) (born on October 20, 1957) is a tunisian oud player and composer. He is widely acclaimed as an innovator in his field. Performing primarily for a jazz audience, he fuses Arab classical music, folk music and jazz and has been recording since at least 1991, after becoming prominent in his own country in the late 1980s.

Márcia -- Deixa-me ir.



Álbum "Casulo"
2013
Tão esperado...

sexta-feira, 8 de março de 2013

One Woman: A Song for UN Women



From China to Costa Rica, from Mali to Malaysia, acclaimed singers and musicians, women and men, have come together to spread a message of unity and solidarity: We are "One Woman".

Launching on International Women's Day, 8 March 2013, the song is a rallying cry that inspires listeners to join the drive for women's rights and gender equality. "One Woman" was written for UN Women, the global champion for women and girls worldwide, to celebrate its mission and work to improve women's lives around the world.

This year, International Women's Day focuses on ending violence against women — a gross human rights violation that affects up to 7 in 10 women and a top priority for UN Women. As commemorations are underway in all corners of the globe, "One Woman" reminds us that together, we can overcome violence and discrimination: "We Shall Shine!" Join us to help spread the word and enjoy this musical celebration of women worldwide.


Nós temos aqui a nossa Ana Bacalhau, vocalista dos Deolinda!

Return to Soul Women ...



"How Women Wild affects women? Having a Wild Woman as an ally, as a leader, model, master, we come to see, not with two eyes, but with intuition, which has many eyes. Intuition When we say, we are, therefore, as the starry night: Stare at the world with a thousand eyes. "

"0 archetype of the Wild Woman, and all that is behind it, is the benefactor of all painters, writers, sculptors, dancers, thinkers, mourners, all seeking and finding, as they all are dedicated to invent, and that is the main occupation of the Wild Woman. Like all art, it is visceral, not cerebral. knows she run track and to summon and repel. feeling she knows, disguise and love deeply. intuitive it is typical and normative . it is absolutely essential to mental and spiritual health of the woman. "

excerpt from the book Women who run with the wolves
Clarissa Pinkola Estes


O retorno a Alma Feminina...

"De que maneira a Mulher Selvagem afeta as mulheres? Tendo a Mulher Selvagem como aliada, como líder, modelo, mestra, passamos a ver, não com dois olhos, mas com a intuição, que dispõe de muitos olhos. Quando afirmamos a intuição, somos, portanto, como a noite estrelada: fitamos o mundo com milhares de olhos."

"0 arquétipo da Mulher Selvagem, bem como tudo o que está por trás dele, é o benfeitor de todas as pintoras, escritoras, escultoras, dançarinas, pensadoras, rezadeiras, de todas as que procuram e as que encontram, pois elas todas se dedicam a inventar, e essa é a principal ocupação da Mulher Selvagem. Como toda arte, ela é visceral, não cerebral. Ela sabe rastrear e correr, convocar e repelir. Ela sabe sentir, disfarçar e amar profundamente. Ela é intuitiva, típica e normativa. Ela é totalmente essencial à saúde mental e espiritual da mulher."

trecho do livro Mulheres que correm com os lobos
Clarissa Pinkola Éstes

O QUE SEMPRE SOUBE DAS MULHERES



Tratam-nos mal, mas querem que as tratemos bem.
Apaixonam-se por serial-killers e depois queixam-se de que nem um postalinho.
Escrevem que se desunham.
Fingem acreditar nas nossas mentiras desde que tenhamos graça a pregá-las.
Aceitam-nos e toleram-nos porque se acham superiores.
São superiores.
Não têm o gene da violência, embora seja melhor não as provocarmos.
Perdoam facilmente, mas nunca esquecem.
Bebem cicuta ao pequeno-almoço e destilam mel ao jantar.
Têm uma capacidade de entrega que até dói.
São óptimas mães até que os filhos fazem 10 anos, depois perdem o norte.
Pelam-se por jogos eróticos, mas com o sexo já depende.
Têm dias. Têm noites.
Conseguem ser tão calculistas e maldosas como qualquer homem, só que com muito mais nível. Inventaram o telemóvel ao volante.
São corajosas e quando se lhes mete uma coisa na cabeça levam tudo à frente.
Fazem-se de parvas porque o seguro morreu de velho e estão muito escaldadas.
Fazem-se de inocentes e (milagre!) por esse acto de vontade tornam-se mesmo inocentes.
Nunca perdem a capacidade de se deslumbrarem.
Riem quando estão tristes, choram quando estão felizes.
Não compreendem nada. Compreendem tudo.
Sabem que o corpo é passageiro.
Sabem que na viagem há que tratar bem o passageiro e que o amor é um bom fio condutor.
Não são de confiança, mas até a mais infiel das mulheres é mais leal que o mais fiel dos homens. São tramadas.
Comem-nos as papas na cabeça,mas depois levam-nos a colher à boca.
A única coisa em nós que é para elas um mistério é a jantarada de amigos – elas quando jogam é para ganhar.
E é tudo.
Ah, não, há ainda mais uma coisa.
Acreditam no Amor com A grande mas, para nossa sorte, contentam-se com pouco.

Rui Zink

quinta-feira, 7 de março de 2013

Eu Seguro - Samuel Úria com Márcia (vídeo oficial)

Live the Love



There is no degree of importance, you don't have a major one and lesser ones.
Every person has a different place, a different importance. 
Simply because every person is unique, impossible to compare, each relationship brings unique things, just as it happens with our friends I think we all have many frinends who are equally important in our hearts and lives but we feel a different feeling for each one of them.

Nearly all of my relationships have been open.
I've had more than one partner at the time and I've intensely and devotedly loved two people at the same time, at times even three. Actually, till this day I've never stopped loving the people I've been involved with, even if the nature of my intimacy with them may have changed.
I've been monogamous, when it naturally happened, I've been polygamous when it naturally happened. Mostly, I've worked on my personal mind/social barriers to realize how fully I needed to live the Love I feel and the way it expresses towards diferent people at iferent times.
Loving more than one person never meant loving or desiring less other one.Just differently, yet absolutly devotedly and respectfully.
Monogamy isn't a problem, polygamy isn't a problem, as long as it is natural for you and not imposed (even self imposed), nothing is a problem. I believe that's the whole point of this discussion, there is no problem, only Love and Freedom and our individual openness to experience it.

Also, I must say I've Loved more than one person at the same time without having sexual involvement, and I've been in monogamous relationships being in celibacy. All is possible within Love, and expressions of Love can manifest in so many ways.
Likewise, desire can manifest sexually or not (for instance my sexual drive is often more directed to my art than to my romantic life, as a major creative, loving force), and by no means do any of the circumstances described mean that I Love my partner or people I may be involved with in different levels any less.

All is possible in a natural way to the psyche and the being.
But this is how I truly feel, this is my integrity in Love (my way to integrate and be integrally in Love and life), it goes for me, but each of us has a unique way to perceive Love and Life as powerfull forces.
For me freedom of acceptance is my way to commit to Love, in an absolute sense.

Peter Littlejohn Cook



relationships



Often in life we are presented with opportunities of fast growing and awareness while sharing and being surprised with unknown parts of ourselves made visible by others we share relationships with.

Several notes are played, like guitar strings being sharpened...not to tight or they would break, not to soft or they would not play right... until we tune ourselves with our most inner truth. Each of us has his unique sound, that creates harmony or not with the other part involved. From that coming together a Third entity is created that surpasses the sum of the parts. Nourishing that arising Love can be more rewarding to the each of the lovers than to satisfy their own individual desires.

To open our hearts and let go of 'cultural' and 'religious' fear-based believe sistems that dont allow us to breath, is a step to get us closer to our truth, and enable us to express and live out our birth right Freedom. Sometimes however we could end up in the other extreme, trying to prove our freedom or trying to show the other that we are free by again living a New-fear based believe sistem where the individual sensitivities are not respected(because iam afraid i would somehow loose my freedom if i did). At the present time for me the ultimate chalenge in a relationship is to find the place where both breath lighter, in complete honesty and trust, the place where that Third entity is respected and nourished...and that place, depending on the musicians, could be anywhere in the relationship sprectrum mentioned in the beginning of the tread (well....except for the cheating part....that one is just wrong!)

Indeed "there are no ready-made answers or formulas if you want to live in Freedom."

fear of lack



I've wondered a lot about those questions.
Monogamy came about to ensure paternity. 
Now it seems mostly based upon fear.
I think it is valuable when 2 people want to combine their energies for something.
The question for me seems to be can we love enough, expand enough and trust enough to know that love is always good and right to share?
I think it is about fear of lack...and touches so many aspects of life.
I surrender.
I allow Love to permeate me.
I am Love.

It is fear of lacking that creates the unability to be Love.
I feel desire is a sacred vehicle of the soul's expression, temptation does not exist, and our value is on what we can give to ourselves and others,not in what we frustrate.
Every time, in a couple, one of the involved frustrates him(her)self he will charge it in the other, even uncousciously.
Likewise, when one is expanded, fulfilled, alive and in Love (in the greater transpersonnal sense, inside Love, so in love with all beings and open to whatever expression that love may take), it spreads to the other person and all involved.
It is always interesting to me to understand that most of us are no longer christians but we still find value in self denial, when we could just as well find it in pure pleasure.
I feel that if someone feels hurt because you are with someone else it is transpersonnal also, fears are expressing clearly and need healing.
It is no help to avoid doing what is our inner will especially cause most times the other is hurt for fear of losing something that cannot be lost, the quality of Love.
That fear, on both sides, is a slow but sure poison.

I don't believe effort, I believe flexibility, be water, like Tao says. 
Water nourishes and has no shapes, it can take all shapes.
Nourishment is a pleasure, desire is a mean to pleasure, so pleasure and desire are sacred, in them is the essence of the deepest prayer.
The prayer that comes from the entire being in absolute resonance:body, mind, spirit, I, You, Universe, WHOLE LOVE!
Tantra is this ultimately, surrender all your being so that you become Love, and that is at the same time the core of all relatioships, and far beyond any relationship.

Peter Littlejohn Cook


...........connection



It is possible to have a deep romantic connection with someone, and be commited, dedicated, loyal, while having freedom to meet other people and share energy and information.
However, I believe when there is a sexual connection with several partners at the same time, I think the emotional fulfilment is not quite the same.
So what I have learnt and is valid for me is, there have to be some healthy boundaries.... so I can be inlove with someone and be in a monogamous dedicated loyal romantic relationship, but I can also share information and energy with other souls, but I don't have the need to connect sexually with other people if I am in a relationship with someone I deeply love.
I just trasmute other connections that may or not have chemistry and attraction to a real of brotherhood and sisterhood.

I think that honours the sacredness of love.

I feel sexuality expresses a universe of feelings, so for me each situation is an unique situation, and life guides the way to what expression it will have. I am confortable with all possibilities as long as love, respect, freedom and consciousness are present. to me that is CARE and that's what I honour in all I do.

To love myself and my man enough to want only his happiness through freely expressing himself as an evolving being through others and the universe, sexually and creatively, while holding a sacred space of love, trust and devotion between us, would be truly LIBERATING.
There is a real sense of inner peace and extended love to others, in the thought of sharing the one you love so deeply in your life with another, rather than fearing loosing them to another.
My heart resonates and my brain is re wirering itself through a tidal wave of enquiry and possibilities shared so beautifully by all.

From my personnal experience, from relationships I've had in the past, and for the beautiful way we are involved and evolving it is liberating, profoundly spiritual, highly demanding in terms of our relation to oneself and then the other.
Still, no other way would be possible for me at the present moment.
Love is not property, and the way we love resonates deeper when we have a child whose values are being built everyday.
For my son, our baby, I wish only to inspire, not to show the way.I hope he will make his own way in trust, surrender, freedom, Love, honesty and respect of himself and others.
Aware of his possibilities and of what he can and cannot give at each moment.
Openness to the spontaneity of life, to it's phases of death, (re)birth, transformation.
This is what I commited myself with as a gift for him. But this can only be done, by offereng this gift first to myself, and from myself and all my loving creative sources to the ones I Love the most, and to the Universal source.
Also present in my heart is the shamanic vision: when you heal and liberate yourself, you're healing and liberating 7 generations of your past family and future family. I feel my healing, and openess to pure Love, surrender and devotion are opening and healing the hearts of my family before me, and even without speaking about it, it is revealed everyday. (For me this is devotion in all senses, how can we speak of love for all beings if we close ourselves to the love of some in order to feel loved by some others?)

Peter Littlejohn Cook


A question about sex and love...



"Where do concepts such as monogamy/polyamoury, fidelity/cheating, commitment/non-commitment enter this equation? Where are the boundaries between integrating or rejecting these concepts and those of prudishness or promiscuity? Or am I asking the wrong questions, seeing it from the point of view of duality?"


That it’s an expression and that you may not literally see it this way...
The purpose here is not to create or destroy any moral framework... but only to give an opportunity for deep questioning so that one is in a better position to recognize the forces that influence our thinking, our emotions, our sense of self, our sensuality and our behavior. It is just a ‘considering’ – a contemplation – of the subject that is being shared – with no desire to shape a new conceptual edifice in anyone’s mind...It may be that dissolving some of our pre-conceptions about the body, pleasure, sensuality and sexuality will bring about some insight and liberation – a profound healing... but I wouldn’t want to present any of these considerations as a ‘new theoretical structure’.

There are no ready-made answers or formulas if you want to live in Freedom.

There are limitations that are imposed from outside which we can accept or reject... and there are self-made limitations which we must become conscious of before we are able to make a choice to accept or reject them.

So, it may sound like I am advocating a rejection of values, morals, ethics or social norms… But I am only advocating awareness. It is true however that many of our ‘values’, ‘morals’ and ‘ethics’ are 2nd hand acquisitions which we have no deep or coherent relationship with. The result of these considerations may indeed be ultimately a rejection of what had previously been assumed to be useful or ‘true’, but this is not the purpose as such.

Monogamy/polyamory... It’s an individual choice, isn’t it? 
That is, unless we just conform to what our society and peers have predetermined to be ‘appropriate’ and ‘acceptable’ – in which case we forget (or try to forget) that there is a choice.

Monogamy...it may work for some people some of the time, but not for all people all of the time.

It is carried out in our society partly because of old religious custom, and in secular culture now it is maintained often because of social habit and the desire to be considered ‘normal’. Another reason for the popularity of monogamy is that (for many different reasons) people feel insecure about sharing their partners with other people.

Is polyamory compatible with fidelity and commitment? 
Well, one way in which polyamory is defined is, “consensual, ethical, or responsible non-monogamy.” Which would imply that it can be compatible with fidelity if the ‘consensual’ aspect is truly respected. In other words, if the partners agree that it’s ok, then having other sexual partners is not, by definition, ‘infidelity’. Infidelity is literally a ‘betrayal of trust’.

Anything that is forbidden will tend to create a kind of perversion. 
So as soon as monogamy is the ‘rule’ there will probably be great difficulty in maintaining it without at least some internal tension – a conflict of ‘interests’.

In relation to commitment or non-commitment... 
a question that could be considered is, ‘commitment’ and ‘fidelity’ to who or what?

To me it makes sense for both (or however many there are) partners to have a total commitment to living life in a healthy, joyful, integrated way – honouring and integrating the many facets of their being, including their intuition, their physical rhythms, their desire to express and receive sexual and loving intimacy, or to be celibate, and being open and true to their greatest vision of who they are. With this self-respect and self-love and sensitivity to their ever-shifting needs as a dynamic (not dogmatic) basis, fruitful relationships full of compassion and respect for other beings will inevitably result.

However, when commitment and fidelity to the other person are given priority without this basis in wholeness and self-acceptance, then conflicts and little lies creep in – beginning with us hiding from or lying to ourselves about what we desire and why we desire it.

As soon as certain feelings and thoughts are ‘not allowed’ or are defined as ‘bad’, there is a conflict that starts to play out one way or another – sometimes only manifesting as a subtle but constant self-doubt – a conditional self-acceptance, a conditional self-love, a feeling of ‘unwholesomeness’ and disquiet.

Without trust it is very difficult for a profound relationship to develop. 
This is one of the reasons why commitment to a partner can be important. Most of us develop trust slowly – gradually loosening our emotional armoring in order to become open and able to transcend our egoic self-knots, to be able to truly relate and commune with another being and with Life Itself.

When there is only promiscuity and no commitment to a stable relationship (whether it be monogamous or polyamorous) then there will tend to be only shallow relationships which may reflect an unwillingness to acknowledge one’s dark inner life of conditioned patterns.

In a deep and fulfilling relationship (which usually also brings many challenges), circumstances frequently mirror hidden aspects of our psyche to us providing great insights into our conditioning – which is extremely useful if we wish to express liberation.

Committed relationships are therefore sometimes recommended by spiritual teachers to help to bring about self-knowledge and compassion more quickly. After all, it is rare to be able to meet people and feel immediately a deep sense of trust and to be able to commune with them profoundly... but it can happen.

Peter Littlejohn Cook