domingo, 28 de agosto de 2016

The Waste Land


Konrad Bak




The Waste Land
BY T. S. ELIOT



            I. The Burial of the Dead

  April is the cruellest month, breeding
Lilacs out of the dead land, mixing
Memory and desire, stirring
Dull roots with spring rain.
Winter kept us warm, covering
Earth in forgetful snow, feeding
A little life with dried tubers.
Summer surprised us, coming over the Starnbergersee
With a shower of rain; we stopped in the colonnade,
And went on in sunlight, into the Hofgarten,
And drank coffee, and talked for an hour.
Bin gar keine Russin, stamm’ aus Litauen, echt deutsch.
And when we were children, staying at the arch-duke’s,
My cousin’s, he took me out on a sled,
And I was frightened. He said, Marie,
Marie, hold on tight. And down we went.
In the mountains, there you feel free.
I read, much of the night, and go south in the winter.

  What are the roots that clutch, what branches grow
Out of this stony rubbish? Son of man,
You cannot say, or guess, for you know only
A heap of broken images, where the sun beats,
And the dead tree gives no shelter, the cricket no relief,
And the dry stone no sound of water. Only
There is shadow under this red rock,
(Come in under the shadow of this red rock),
And I will show you something different from either
Your shadow at morning striding behind you
Or your shadow at evening rising to meet you;
I will show you fear in a handful of dust.
                      Frisch weht der Wind
                      Der Heimat zu
                      Mein Irisch Kind,
                      Wo weilest du?
“You gave me hyacinths first a year ago;
“They called me the hyacinth girl.”
—Yet when we came back, late, from the Hyacinth garden,
Your arms full, and your hair wet, I could not
Speak, and my eyes failed, I was neither
Living nor dead, and I knew nothing,
Looking into the heart of light, the silence.
Oed’ und leer das Meer.

  Madame Sosostris, famous clairvoyante,
Had a bad cold, nevertheless
Is known to be the wisest woman in Europe,
With a wicked pack of cards. Here, said she,
Is your card, the drowned Phoenician Sailor,
(Those are pearls that were his eyes. Look!)
Here is Belladonna, the Lady of the Rocks,
The lady of situations.
Here is the man with three staves, and here the Wheel,
And here is the one-eyed merchant, and this card,
Which is blank, is something he carries on his back,
Which I am forbidden to see. I do not find
The Hanged Man. Fear death by water.
I see crowds of people, walking round in a ring.
Thank you. If you see dear Mrs. Equitone,
Tell her I bring the horoscope myself:
One must be so careful these days.

  Unreal City,
Under the brown fog of a winter dawn,
A crowd flowed over London Bridge, so many,
I had not thought death had undone so many.
Sighs, short and infrequent, were exhaled,
And each man fixed his eyes before his feet.
Flowed up the hill and down King William Street,
To where Saint Mary Woolnoth kept the hours
With a dead sound on the final stroke of nine.
There I saw one I knew, and stopped him, crying: “Stetson!
“You who were with me in the ships at Mylae!
“That corpse you planted last year in your garden,
“Has it begun to sprout? Will it bloom this year?
“Or has the sudden frost disturbed its bed?
“Oh keep the Dog far hence, that’s friend to men,
“Or with his nails he’ll dig it up again!
“You! hypocrite lecteur!—mon semblable,—mon frère!”


              II. A Game of Chess

The Chair she sat in, like a burnished throne,
Glowed on the marble, where the glass
Held up by standards wrought with fruited vines
From which a golden Cupidon peeped out
(Another hid his eyes behind his wing)
Doubled the flames of sevenbranched candelabra
Reflecting light upon the table as
The glitter of her jewels rose to meet it,
From satin cases poured in rich profusion;
In vials of ivory and coloured glass
Unstoppered, lurked her strange synthetic perfumes,
Unguent, powdered, or liquid—troubled, confused
And drowned the sense in odours; stirred by the air
That freshened from the window, these ascended
In fattening the prolonged candle-flames,
Flung their smoke into the laquearia,
Stirring the pattern on the coffered ceiling.
Huge sea-wood fed with copper
Burned green and orange, framed by the coloured stone,
In which sad light a carvéd dolphin swam.
Above the antique mantel was displayed
As though a window gave upon the sylvan scene
The change of Philomel, by the barbarous king
So rudely forced; yet there the nightingale
Filled all the desert with inviolable voice
And still she cried, and still the world pursues,
“Jug Jug” to dirty ears.
And other withered stumps of time
Were told upon the walls; staring forms
Leaned out, leaning, hushing the room enclosed.
Footsteps shuffled on the stair.
Under the firelight, under the brush, her hair
Spread out in fiery points
Glowed into words, then would be savagely still.

  “My nerves are bad tonight. Yes, bad. Stay with me.
“Speak to me. Why do you never speak. Speak.
  “What are you thinking of? What thinking? What?
“I never know what you are thinking. Think.”

  I think we are in rats’ alley
Where the dead men lost their bones.

  “What is that noise?”
                          The wind under the door.
“What is that noise now? What is the wind doing?”
                           Nothing again nothing.
                                                        “Do
“You know nothing? Do you see nothing? Do you remember
“Nothing?”

       I remember
Those are pearls that were his eyes.
“Are you alive, or not? Is there nothing in your head?”
       
                                                                           But
O O O O that Shakespeherian Rag—
It’s so elegant
So intelligent
“What shall I do now? What shall I do?”
“I shall rush out as I am, and walk the street
“With my hair down, so. What shall we do tomorrow?
“What shall we ever do?”
                                               The hot water at ten.
And if it rains, a closed car at four.
And we shall play a game of chess,
Pressing lidless eyes and waiting for a knock upon the door.

  When Lil’s husband got demobbed, I said—
I didn’t mince my words, I said to her myself,
HURRY UP PLEASE ITS TIME
Now Albert’s coming back, make yourself a bit smart.
He’ll want to know what you done with that money he gave you
To get yourself some teeth. He did, I was there.
You have them all out, Lil, and get a nice set,
He said, I swear, I can’t bear to look at you.
And no more can’t I, I said, and think of poor Albert,
He’s been in the army four years, he wants a good time,
And if you don’t give it him, there’s others will, I said.
Oh is there, she said. Something o’ that, I said.
Then I’ll know who to thank, she said, and give me a straight look.
HURRY UP PLEASE ITS TIME
If you don’t like it you can get on with it, I said.
Others can pick and choose if you can’t.
But if Albert makes off, it won’t be for lack of telling.
You ought to be ashamed, I said, to look so antique.
(And her only thirty-one.)
I can’t help it, she said, pulling a long face,
It’s them pills I took, to bring it off, she said.
(She’s had five already, and nearly died of young George.)
The chemist said it would be all right, but I’ve never been the same.
You are a proper fool, I said.
Well, if Albert won’t leave you alone, there it is, I said,
What you get married for if you don’t want children?
HURRY UP PLEASE ITS TIME
Well, that Sunday Albert was home, they had a hot gammon,
And they asked me in to dinner, to get the beauty of it hot—
HURRY UP PLEASE ITS TIME
HURRY UP PLEASE ITS TIME
Goonight Bill. Goonight Lou. Goonight May. Goonight.
Ta ta. Goonight. Goonight.
Good night, ladies, good night, sweet ladies, good night, good night.


              III. The Fire Sermon

  The river’s tent is broken: the last fingers of leaf
Clutch and sink into the wet bank. The wind
Crosses the brown land, unheard. The nymphs are departed.
Sweet Thames, run softly, till I end my song.
The river bears no empty bottles, sandwich papers,
Silk handkerchiefs, cardboard boxes, cigarette ends
Or other testimony of summer nights. The nymphs are departed.
And their friends, the loitering heirs of city directors;
Departed, have left no addresses.
By the waters of Leman I sat down and wept . . .
Sweet Thames, run softly till I end my song,
Sweet Thames, run softly, for I speak not loud or long.
But at my back in a cold blast I hear
The rattle of the bones, and chuckle spread from ear to ear.

A rat crept softly through the vegetation
Dragging its slimy belly on the bank
While I was fishing in the dull canal
On a winter evening round behind the gashouse
Musing upon the king my brother’s wreck
And on the king my father’s death before him.
White bodies naked on the low damp ground
And bones cast in a little low dry garret,
Rattled by the rat’s foot only, year to year.
But at my back from time to time I hear
The sound of horns and motors, which shall bring
Sweeney to Mrs. Porter in the spring.
O the moon shone bright on Mrs. Porter
And on her daughter
They wash their feet in soda water
Et O ces voix d’enfants, chantant dans la coupole!

Twit twit twit
Jug jug jug jug jug jug
So rudely forc’d.
Tereu

Unreal City
Under the brown fog of a winter noon
Mr. Eugenides, the Smyrna merchant
Unshaven, with a pocket full of currants
C.i.f. London: documents at sight,
Asked me in demotic French
To luncheon at the Cannon Street Hotel
Followed by a weekend at the Metropole.

At the violet hour, when the eyes and back
Turn upward from the desk, when the human engine waits
Like a taxi throbbing waiting,
I Tiresias, though blind, throbbing between two lives,
Old man with wrinkled female breasts, can see
At the violet hour, the evening hour that strives
Homeward, and brings the sailor home from sea,
The typist home at teatime, clears her breakfast, lights
Her stove, and lays out food in tins.
Out of the window perilously spread
Her drying combinations touched by the sun’s last rays,
On the divan are piled (at night her bed)
Stockings, slippers, camisoles, and stays.
I Tiresias, old man with wrinkled dugs
Perceived the scene, and foretold the rest—
I too awaited the expected guest.
He, the young man carbuncular, arrives,
A small house agent’s clerk, with one bold stare,
One of the low on whom assurance sits
As a silk hat on a Bradford millionaire.
The time is now propitious, as he guesses,
The meal is ended, she is bored and tired,
Endeavours to engage her in caresses
Which still are unreproved, if undesired.
Flushed and decided, he assaults at once;
Exploring hands encounter no defence;
His vanity requires no response,
And makes a welcome of indifference.
(And I Tiresias have foresuffered all
Enacted on this same divan or bed;
I who have sat by Thebes below the wall
And walked among the lowest of the dead.)
Bestows one final patronising kiss,
And gropes his way, finding the stairs unlit . . .

She turns and looks a moment in the glass,
Hardly aware of her departed lover;
Her brain allows one half-formed thought to pass:
“Well now that’s done: and I’m glad it’s over.”
When lovely woman stoops to folly and
Paces about her room again, alone,
She smoothes her hair with automatic hand,
And puts a record on the gramophone.

“This music crept by me upon the waters”
And along the Strand, up Queen Victoria Street.
O City city, I can sometimes hear
Beside a public bar in Lower Thames Street,
The pleasant whining of a mandoline
And a clatter and a chatter from within
Where fishmen lounge at noon: where the walls
Of Magnus Martyr hold
Inexplicable splendour of Ionian white and gold.

               The river sweats
               Oil and tar
               The barges drift
               With the turning tide
               Red sails
               Wide
               To leeward, swing on the heavy spar.
               The barges wash
               Drifting logs
               Down Greenwich reach
               Past the Isle of Dogs.
                                 Weialala leia
                                 Wallala leialala

               Elizabeth and Leicester
               Beating oars
               The stern was formed
               A gilded shell
               Red and gold
               The brisk swell
               Rippled both shores
               Southwest wind
               Carried down stream
               The peal of bells
               White towers
                                Weialala leia
                                Wallala leialala

“Trams and dusty trees.
Highbury bore me. Richmond and Kew
Undid me. By Richmond I raised my knees
Supine on the floor of a narrow canoe.”

“My feet are at Moorgate, and my heart
Under my feet. After the event
He wept. He promised a ‘new start.’
I made no comment. What should I resent?”

“On Margate Sands.
I can connect
Nothing with nothing.
The broken fingernails of dirty hands.
My people humble people who expect
Nothing.”
                       la la

To Carthage then I came

Burning burning burning burning
O Lord Thou pluckest me out
O Lord Thou pluckest

burning


              IV. Death by Water

Phlebas the Phoenician, a fortnight dead,
Forgot the cry of gulls, and the deep sea swell
And the profit and loss.
                                   A current under sea
Picked his bones in whispers. As he rose and fell
He passed the stages of his age and youth
Entering the whirlpool.
                                   Gentile or Jew
O you who turn the wheel and look to windward,
Consider Phlebas, who was once handsome and tall as you.


              V. What the Thunder Said

  After the torchlight red on sweaty faces
After the frosty silence in the gardens
After the agony in stony places
The shouting and the crying
Prison and palace and reverberation
Of thunder of spring over distant mountains
He who was living is now dead
We who were living are now dying
With a little patience

Here is no water but only rock
Rock and no water and the sandy road
The road winding above among the mountains
Which are mountains of rock without water
If there were water we should stop and drink
Amongst the rock one cannot stop or think
Sweat is dry and feet are in the sand
If there were only water amongst the rock
Dead mountain mouth of carious teeth that cannot spit
Here one can neither stand nor lie nor sit
There is not even silence in the mountains
But dry sterile thunder without rain
There is not even solitude in the mountains
But red sullen faces sneer and snarl
From doors of mudcracked houses
                                      If there were water
   And no rock
   If there were rock
   And also water
   And water
   A spring
   A pool among the rock
   If there were the sound of water only
   Not the cicada
   And dry grass singing
   But sound of water over a rock
   Where the hermit-thrush sings in the pine trees
   Drip drop drip drop drop drop drop
   But there is no water

Who is the third who walks always beside you?
When I count, there are only you and I together
But when I look ahead up the white road
There is always another one walking beside you
Gliding wrapt in a brown mantle, hooded
I do not know whether a man or a woman
—But who is that on the other side of you?

What is that sound high in the air
Murmur of maternal lamentation
Who are those hooded hordes swarming
Over endless plains, stumbling in cracked earth
Ringed by the flat horizon only
What is the city over the mountains
Cracks and reforms and bursts in the violet air
Falling towers
Jerusalem Athens Alexandria
Vienna London
Unreal

A woman drew her long black hair out tight
And fiddled whisper music on those strings
And bats with baby faces in the violet light
Whistled, and beat their wings
And crawled head downward down a blackened wall
And upside down in air were towers
Tolling reminiscent bells, that kept the hours
And voices singing out of empty cisterns and exhausted wells.

In this decayed hole among the mountains
In the faint moonlight, the grass is singing
Over the tumbled graves, about the chapel
There is the empty chapel, only the wind’s home.
It has no windows, and the door swings,
Dry bones can harm no one.
Only a cock stood on the rooftree
Co co rico co co rico
In a flash of lightning. Then a damp gust
Bringing rain

Ganga was sunken, and the limp leaves
Waited for rain, while the black clouds
Gathered far distant, over Himavant.
The jungle crouched, humped in silence.
Then spoke the thunder
DA
Datta: what have we given?
My friend, blood shaking my heart
The awful daring of a moment’s surrender
Which an age of prudence can never retract
By this, and this only, we have existed
Which is not to be found in our obituaries
Or in memories draped by the beneficent spider
Or under seals broken by the lean solicitor
In our empty rooms
DA
Dayadhvam: I have heard the key
Turn in the door once and turn once only
We think of the key, each in his prison
Thinking of the key, each confirms a prison
Only at nightfall, aethereal rumours
Revive for a moment a broken Coriolanus
DA
Damyata: The boat responded
Gaily, to the hand expert with sail and oar
The sea was calm, your heart would have responded
Gaily, when invited, beating obedient
To controlling hands

                                    I sat upon the shore
Fishing, with the arid plain behind me
Shall I at least set my lands in order?
London Bridge is falling down falling down falling down
Poi s’ascose nel foco che gli affina
Quando fiam uti chelidon—O swallow swallow
Le Prince d’Aquitaine à la tour abolie
These fragments I have shored against my ruins
Why then Ile fit you. Hieronymo’s mad againe.
Datta. Dayadhvam. Damyata.
                  Shantih     shantih     shantih


Será que é apenas um hábito que pode ser rompido?




Você precisa criar um rótulo para tudo o que sente, para tudo o que percebe e para toda a experiência?
Precisa ter uma relação de gosto/ não gosto com a vida, mantendo um conflito quase ininterrupto com situações e pessoas?
Ou será que é apenas um hábito que pode ser rompido?
Não é preciso fazer nada, basta deixar que cada momento seja como é.

~ Eckhart Tolle


Nassim Haremin 31 - O Portal do Espaço-Tempo



No caso destes crânios, encontrados no México, têm mais volume cranial do que os outros o Perú.
E também são o corpo maior que foi encontrado.
O crânio é enorme, com olhos enormes!!!!
E cada hemisfério do cérebro, aparentam ter um desenvolvimento independente.
Em ambos os crânios, quer do Perú quer do México, os maxilares não são do Homo Sapiens.
Há uma mistura entre várias espécies, que se presume ser impossível de se misturarem.
Há muitos exemplos entre os Egípcios, os Incas e os Maias, de textos onde eles descrevem que os Deuses do Sol se misturaram com os Seres Humanos na Terra, e tiveram filhos da espécie humana.
E isto gerou toda uma nova espécie que era metade Deuses do Sol e metade Humana.
Então, o crânio de Tutancamone e do seu irmão,  o busto da Nefretiti, entre outros, em que os crânios são maiores do que os humanos, mas mais pequenos do que os dos Deuses do Sol, são a evidência dessa raça que foi o resultado dessa mistura entre espécies, e por isso seria de esperar que essas pessoas se tornariam os faraós. Porque eles também teriam habilidades que o homem normal não teria.
E assim, temos uma nova forma de ver a história da raça humana, e no resultado dessa mistura de espécies, está a informação de que esses Deuses do Sol tentaram dar ao Ser Humano o que estamos a redescobrir nos dias de hoje.
Para mim ficou claro que, os Deuses do Sol devem ter sido considerados como Deuses do Sol por alguma razão. Eles foram chamados Deuses do Sol em todas as civilizações antigas, sempre com o mesmo nome: Deuses do Sol!
Ora, se o Universo são diferentes escalas de buracos negros, então para os Deuses do Sol poderem viajar pelo Espaço, de um lado da galáxia para o outro, eles teriam de entrar pelo Buraco da Minhoca, passar pela Singularidade no centro daqueles buracos negros.
Então, eles usariam Estrelas como Portais!!!
Para ir de um lado da galáxia para o outro.
E então, seria de esperar que fossem mesmo chamados de Deuses do Sol.
E é por isso, por exemplo, que as tradições antigas destes países se referem ao Sol como a Porta de Entrada, para o sítio de onde os Deuses do Sol vieram.
Falaram sobre o buraco negro que existe no centro da nossa galáxia, e chamaram-lhe o Hun' Nab (para os Maias, significa "doador do movimento e da medida), que era o Sol Central através do qual se poderia aceder a todas as Estrelas na Galáxia.
Ou seja, tu entrarias no Sol, atravessarias o Centro Galáctico, e sairias num dos braços da Galáxia, fora de um dos sóis de um outro braço da galáxia.

No Sol aparecem manchas solares que parecem alcançar um nível extra, e por isso aparecem bastante brilhantes. Na realidade, no espectro óptico são bastante escuras, a sua luz é negra.
Quando o Sol fica mais activo, elas aparecem à latitude de 90.47 Norte e Sul.
Quando olhamos atentamente para estas manchas solares, podemos ver que a chama é sugada! 
Foi isto que me fez pensar. E com base nisto fiz os meus cálculos e a minha Teoria do Campo Unificado.
As Manchas Solares não estão a mover-se na superfície, mas sim a dirigir-se ao Centro do Sol através de enormes vórtices.
Os físicos actuais dizem que é um Evento de Superfície.
Mas se assim for, como é que as manchas solares ocorrem sempre em pólos opostos?
(Efeito Duplo Torus)
Todas as Manchas Solares ocorrem em oposição umas das outras, porque quando tu tens um Vórtice a ir numa direcção, por causa do Efeito Coriolis, haverá sempre outra a vir da direcção do outro lado, e eles geram um Elo no meio, que é a Singularidade.
As Manchas Solares são enormes Vórtices a ir na direcção da Singularidade no centro do buraco negro.
E é por isso que quando olhamos para as manchas solares se vê chamas a serem sugadas.
Ou seja, as manchas solares estão a abrir caminho através do Evento Horizonte do Buraco Negro do Sol, em que se vê o colapso no buraco negro a mover o Campo Electromagnético.









NASA Photos Reveal Possible Solar Star Gate




                                                         


You thought the sun was a giant ball of gas, right?
Estimating some 10 million degrees Fahrenheit on the surface and 25 million degrees at it’s core?
What if that wasn’t true at all?
What if the sun was something entirely different than what we previously thought it was?

In January of 2010, NASA’s SO-HO satellite recorded what looks like giant Earth-sized solar UFO’s. Is it possible NASA photos revealed our beloved sun to be a solar star gate?

Famous research physicist Nassim Haramein, Director of Research at the Hawaii Institute for Unified Physics looked at pictures and videos recorded by NASA and amazingly explains them using quantum physics and singularity theory.
His theory suggests that a black hole exists at the center of everything, including our sun. This black hole singularity is, according to Haramein, a star gate through which advanced extraterrestrial spaceships as big as the Earth may enter and exit our galaxy.

This seems like a crazy notion, doesn't it?

NASA had posted the incredible footage of massive objects approaching and leaving the sun back in January of 2010. Soon after the images were posted, they were suddenly removed and re-posted, doctored to appear as though these large moving spots were comets.
Original NASA footage, along with in-depth information regarding this theory -leading one to ponder a quite a provocative yet alluring explanation.

In 2011, when much of this information was being shared with interested parties, Nassim did a presentation with Klaus Dona where they unveiled an interesting artifact recently discovered deep inside a Mexican Mayan pyramid.
This unique artifact depicts alien spacecraft that seems to be heading into the sun carved with what looks like a giant triangle.
Was this triangle perhaps a portal of some kind?
One must wonder, as around that same time, NASA started posting images of our very own sun with giant black isosceles triangles on the surface, just like in the artifact.
Do these NASA photos reveal a possible solar star gate?

According to Nassim’s black hole singularity theory, everything contains a black hole and is therefore a potential star gate. The bigger the ship, the larger the star gate needs to be. The sun and it’s ‘sun spots’ is the chosen star gate for extremely large space craft, apparantly as big as planets – judging by the size of the dots to the sun. On our Earth there are thought to be similar portals, like the sunspots, located in areas of volcanic activity. Mexico city has a well-known UFO star gate which must be navigated around by aircraft flying through the area.

If you didn’t hear it straight from the physicist’s mouth and see the photographs it would seem like science fiction. Yet so many accounts have been recorded, videoed and told of alien life both on Earth and in the sky, it seems almost anticlimactic to have finally spotted them with NASA equipment and explained to us by science. What a relief!

Many cultures speak of ‘The Great Central Sun’, the place from which many ascended masters, advanced and inter-galactic beings live and come from (or through). In our case, this ‘central sun’ would be referring to the black hole at the center of our galaxy, according to Nassim.

Haramein’s black hole theory applies to every size object, down to the proton itself.
This points to a similar portal or ‘star gate’ existing inside of each one of us. 

David Wilcock, author of The Source Field Investigations calls that star gate our pineal gland, through which we can access multi-dimensional realities without leaving our chair. 

Could our sun be a star gate for giant solar UFO’s as indicated from Nassim Hariamein’s work and revealed by NASA’s photos?
Is this science or are the lines between what could be and what is just becoming more blurry?
Can we access other realities within as is suggested by the sun and it’s possible multi-dimensional functions?
What is science and what is fiction?


in, Sun Project

sábado, 27 de agosto de 2016

O Perigo do Dragão




Me falaram do perigo do dragão
o homem não
consegue se livrar da castidade
da religião
da lei imposta da moralidade.

Dentro de mim mora o dragão
da natureza
espontâneo e suficiente
e por mais que me obriguem a Fugir
não há nada que me tente
tanto.

Tem o caráter do fogo
o nervo, o temperamento
do proibido
e rompe a linha do extremo
além do sentido.

Dança o movimerito sublime
ultrapassa o cerco
o limite, o crime, o desatino
além da nossa dualidade
na dimensão perigosa
de onde se extrai o destino.

Tudo está contido em tudo, cada coisa
se transforma em outra
contínuo o fio da ação
cada um carrega em si o seu oposto
a vida é o germe da destruição.



BRUNA LOMBARDI
in, O Perigo do Dragão


..............................doença e sofrimento por Emil Cioran




O lirismo do sofrimento é uma canção do sangue, da carne e dos nervos. O verdadeiro sofrimento brota da doença. Por isso, quase todas as doenças têm virtudes líricas. Só quem vegeta numa insensibilidade escandalosa permanece impessoal diante da doença, que sempre produz um aprofundamento pessoal.
in, Nos Cumes do Desespero

§

Não é sintomático o facto de que se insurgem contra o espírito justamente aqueles que têm espírito demais, aqueles que conhecem a gravidade da doença que, afectando a vida, resulta no nascimento do espírito?
in, Nos Cumes do Desespero

§

Se as doenças têm uma missão filosófica neste mundo, ela não pode ser outra senão demonstrar quão ilusória é a sensação da eternidade da vida e quão frágil é a ilusão de uma indefinição e de um triunfo da vida. Pois, na doença, a morte está sempre presente na vida. Os estados genuinamente doentios nos conectam a realidades metafísicas que um homem normal e saudável é incapaz de entender. É evidente que entre as doenças há uma hierarquia conforme sua capacidade de revelação. Nem todas apresentam, com a mesma duração e intensidade, a experiência da imanência da morte na vida e nem todas se manifestam em formas idênticas de agonia. […] …nos estados normais e não reveladores, a morte é considerada vinda de fora e completamente externa à vida. A mesma sensação têm os jovens ao falar da morte. Mas quando a doença os golpeia em pleno elã, todas as ilusões e seduções da juventude desaparecem. Com certeza, neste mundo, as únicas experiências verdadeiramente autênticas são as que brotam da doença. […] Só as pessoas que realmente sofrem são capazes de conteúdos autênticos e de uma seriedade infinita. […] Toda doença é heroísmo; mas um heroísmo de resistência, não de conquista. O heroísmo na doença se manifesta por resistência nos bastiões perdidos da vida.
in, Nos Cumes do Desespero

§

Deus se instala nos vazios da alma. Avança em direcção aos desertos interiores, pois, a exemplo da enfermidade, ele insinua-se nos pontos de menor resistência.
Uma criatura harmoniosa não pode crer Nele. São os doentes e os miseráveis que o “suscitam”, para o uso de atormentados e desesperados.
in, Lacrimi şi Sfinţi

§

O espírito, em seu ímpeto, procede de nossas funções comprometidas: levanta voo à medida que o vazio se dilata em nossos órgãos. Só é saudável em nós aquilo pelo que não somos especificamente nós mesmos: são nossas aversões que nos individualizam; nossas tristezas que nos concedem um nome; nossas perdas que nos fazem possuidores de nosso eu. Só somos nós mesmos pela soma de nossos fracassos.
in, Breviário de Decomposição

§

Acesso involuntário a nós mesmos, a doença nos obriga à “profundidade”, nos condena a ela.
O doente? Um metafísico involuntário.
in, Silogismos da Amargura

§

Mesmo que possa lutar contra um ataque de depressão, em nome de que vitalidade me obstinaria contra uma obsessão que me pertence, que me precede? Quando estou bem de saúde, escolho o caminho que me agrada; “doente”, já não sou eu quem decide: é meu mal. Para os obcecados não existe opção: sua obsessão já optou por eles. Uma pessoa se escolhe quando dispõe de virtualidades indiferentes; mas a nitidez de um mal é superior à diversidade dos caminhos a escolher. Perguntar-se se se é livre ou não: futilidade aos olhos de um espírito a quem arrastam as calorias de seus delírios. Para ele, exaltar a liberdade é dar provas de uma saúde indecente.
A liberdade? Sofisma dos saudáveis.
in, Silogismos da Amargura

§

Depois de haver peregrinado através das espécies, e lutado com maior ou menor êxito para nelas imprimir sua marca, a Doença, cansada de sua carreira, quis sem dúvida aspirar ao descanso, buscar alguém em quem afirmar sua supremacia em paz, alguém que não se mostrasse rebelde a seus caprichos e a seu despotismo, alguém com quem realmente pudesse contar. Hesitou, procurou à direita e à esquerda, fracassou muitas vezes. Finalmente encontrou o homem, se é que não foi ela que o criou.
in, História e Utopia

§

No catálogo de factores responsáveis pelo surgimento do homem, a enfermidade vem em primeiro lugar.
in, La Chute dans le Temps

§

Que é a injustiça comparada com a doença? É verdade que se pode achar injusto o facto de estar doente. E é justamente assim que reagimos, sem nos preocupar se estamos ou não com a razão.
A doença é: nada mais real que ela. Se a declaramos injusta, devemos ousar fazer o mesmo em relação ao ser enquanto tal, falar, inclusive, da injustiça de existir.
in, De l’inconvenient d’être Né

§

O sofrimento abre os nossos olhos, ajuda a ver o que não veríamos de outra forma. Portanto, só é útil ao conhecimento e, fora isso, não serve senão para envenenar a existência. O que, diga-se de passagem, favorece ainda mais o conhecimento. “Ele sofreu, logo, compreendeu.” É tudo o que podemos dizer de uma vítima da doença, da injustiça, ou de não importa que variedade de infortúnio. O sofrimento não melhora ninguém (salvo aqueles que já eram bons), é esquecido como são esquecidas todas as coisas, não entra no “património da humanidade”, não é conservado de maneira alguma, mas se perde como tudo se perde. Mais uma vez, não serve senão para abrir os olhos.
in, De l’inconvenient d’être Né

§

A saúde é certamente um bem; mas àqueles que a possuem foi recusada a hipótese de se darem conta disso, pois uma saúde autoconsciente, se já não estiver comprometida, está prestes a tal. Como ninguém goza de sua ausência de enfermidades, pode-se falar sem exagero numa justa punição dos saudáveis.
in, De L’inconvenient d’être Né

§

“As doenças, umas de dia, outras à noite, à sua própria maneira, visitam os homens, impondo sofrimento aos mortais – em silêncio, pois o sábio Zeus lhes recusou a palavra.” (Hesíodo)
Felizmente, pois, mesmo mudas, elas já são atrozes. Tagarelas, que seriam? Pode-se sequer imaginar uma doença se anunciando? No lugar de sintomas, proclamações! Zeus, pelo menos uma vez, deu prova de delicadeza.
in, De l’inconvenient d’être Né

§

Se conseguimos perseverar apesar de tudo, é porque nossas enfermidades são tão múltiplas e tão contraditórias que se anulam umas as outras.
in, De l’inconvenient d’être Né

§

Sendo o homem um animal enfermo, qualquer de suas palavras ou gestos equivale a um sintoma.
in, Aveux et Anathèmes

§

Ceder, no meio de nossos males, à tentação de acreditar que não nos servem para nada e que, sem eles, estaríamos infinitamente mais avançados, é esquecer o duplo aspecto da enfermidade: aniquilação (anéantissement) e revelação; ela nos arranca de nossas aparências e só as destrói para melhor abrir-nos à nossa realidade última, e, às vezes, ao invisível. Por outro lado, não se pode negar que todo o enfermo é um trapaceiro à sua maneira. Se ele se ocupa tão minuciosamente com suas enfermidades, é para não pensar na morte; escamoteia-a curando-se. Só a encaram de frente aqueles que, verdadeiramente raros, compreenderam os “inconvenientes da saúde” e se recusam a adoptar qualquer medida para conservá-la ou conquistá-la. Deixam-se morrer docemente, ao contrário dos outros, que se agitam e se apressam, e crêem escapar à morte por não terem tempo de sucumbir a ela.
          in, Cahiers 


§

Enfermidade real ou imaginária, para mim dá na mesma. Quero dizer que sempre sofro em alguma parte, que tenho uma consciência exasperada de minha incapacidade para sentir-me bem. Mais que meu corpo, é o meu ser que dói.
in, Cahiers

§

A doença é uma realidade imensa, a propriedade essencial da vida; não apenas tudo o que vive, como também tudo o que é, está exposto a ela: a própria pedra está sujeita a ela. Apenas o vazio não está enfermo, mas, para ter acesso a ele, é preciso está-lo. Pois nenhuma pessoa sã poderia alcançá-lo. A saúde espera a enfermidade; apenas a enfermidade pode propiciar a negação saudável de si mesma.
in, Cahiers

§

A urina de vaca era o único remédio que os monges estavam autorizados a utilizar nas primeiras comunidades budistas. Se reflectirmos a respeito, isso se mostra justo e normal. Se buscamos a paz, só podemos alcançá-la rejeitando tudo o que seja factor de confusão, isto é, tudo o que o homem acrescentou à simplicidade original. Multiplicar os remédios é tornar-se escravo deles. Não é esse o caminho da cura nem da salvação. Nada revela melhor a nossa decadência que o espectáculo de uma farmácia: todos os remédios que se quiser para cada um de nossos males, mas nenhum para o nosso mal essencial, para aquele do qual nenhuma invenção humana pode nos curar.
in, Cahiers

§

Aquele que obteve sucesso em tudo é necessariamente superficial. O fracasso é a versão moderna do nada. Toda minha vida eu estive fascinado pelo fracasso. Um mínimo de desequilíbrio se impõe. O ser perfeitamente são, física e psiquicamente, carece de um saber essencial. Uma saúde perfeita é a-espiritual.
in, Entretien avec Sylvie Jaudeau

Nassim Haramein 30 - Evidência física e o I Ching



O Conhecimento dos Deuses do Sol, foi sempre muito confuso ao longo dos tempos.
Quando avançamos mais na tradição chinesa, o que encontramos?
O I Ching.
O I Ching ou Livro das Mutações, é um texto clássico chinês composto de várias camadas sobrepostas ao longo do tempo. É um dos mais antigos textos chineses que chegaram até aos nossos dias. Ching, significando "clássico", foi o nome dado por Confúcio à sua edição dos antigos livros.
Quantos símbolos do I Ching existem lá?
64!!!!!!
Os 64 hexagramas do I Ching geralmente dispostos ao redor do símbolo do yin-yang, são uma outra maneira de representar a flor da vida.
E o Yin e Yang??
Vimos que é um Duplo Torus!!
Estaria a faltar a geometria do vácuo no meio da singularidade.
Mas, os 64 símbolos do I Ching dão-te isso.
Como?????
Demorei meses a entender isto: eu sabia que existiam 64 símbolos, mas o que queriam dizer???
Os símbolos estão dispostos em círculos, e cada um deles são na realidade compostos por traços inteiros e traços partidos. E cada um dos símbolos estão em oposição, ou seja: 1 com 64, 2 com 63...estão todos em oposição.
Se pegarmos em 6 traços, e os pusermos num espaço 3D, qual seria a geometria?
Um Tetraedro!!
É a única geometria que conseguiríamos gerar com 6 traços.
Mas então, porque existem os traços partidos?
Se seguirem o Código do  I Ching, diz que os traços estão em oposição, então vais precisar de traços partidos para gerar o pólo oposto do tetraedro.
Eles têm de estar partidos para se interceptarem, para encaixarem dos traços inteiros ao formar o tetraedro, para formar a estrutura do pólo oposto, que é dado pelo próprio Código.
Se seguirem o Código, vão conseguir gerar a grade completa dos 64 tetraedros.
Depois de terminar o Código dos 64 traços, do Código de 64 símbolos cada um a formar um tetraedro, vais ter no final 512 tetraedros.
Que é o próximo nível fractal depois do 64.
Então, se seguirmos o Código do I Ching, que é um Trigonograma inicial de 8 hexagramas, depois 64, e finalmente gera o de 512. Encontrarás a mesma progressão.




Temos evidências dos Deuses do Sol??
Temos!!!!
Imaginem, que tinham de descobrir um planeta pequeno num canto de uma galáxia.
E esse mini planeta não é muito evoluído.
Imaginem que chegam lá e, eles ainda vivem nas cavernas e não são nada evoluídos.
Provavelmente, tentariam ajudá-los, certo?
Então, o que fariam?
Não podem simplesmente aparecer lá, e começar a falar de física com um homem das cavernas.
Não iria resultar...o homem das cavernas ia-vos dar com a moca na cabeça.
Então o que fariam?
Provavelmente, dariam-lhe símbolos com informação muito importante sobre a Estrutura do Universo.
E esperariam que, quando essa civilização evoluísse e atingisse níveis de conhecimento mais altos, que eles fossem capazes de decifrar esses símbolos que foram deixados para esses povos antigos.
Principalmente, se o código estiver envolvido num contexto religioso para que pudesse perdurar através das Eras. Para que entendessem que era um Código Sagrado, e assim transmitiriam o a informação através dos tempos.
Temos evidências desses Deuses do Sol: estes crânios foram encontrados em templos da América do Sul, e estão actualmente num museu peruano. Cerca de 300 crânios encontrados na região de Paracas no Perú são extremamente alongados. Eu chamo-lhes cabeça de cone.



Quando os arqueólogos encontraram estes crânios, disseram que isto era resultado de uma deformação do crânio, porque os povos antigos tinham a tradição de amarrar a cabeça para deformá-la.
Eles realmente faziam isso.
Este é o busto da Nefertiti. Tutancamon também tinha o crânio deformado. Entre outros.
Mas, quando lemos os textos antigos, em que está descrito que faziam isto e como o faziam, está também escrito que eles faziam isso para imitarem os Deuses do Sol, e assim se tornarem também Deuses do Sol.
Agora, se deformarem a vossa cabeça nos dias de hoje, não importa o quanto a deformes que nunca poderás exceder o volume total do teu crânio. Pode parecer estranho por fora, mas o volume por dentro seria exactamente o mesmo.
Nestes crânios do Perú, o volume dos crânios tem o dobro do tamanho do volume de uma crânio humano.
ISTO NÃO É O RESULTADO DE UMA DEFORMAÇÃO CRANIANA!!!
Não é possível deformar até este volume um crânio humano.
Outra coisa interessante, é o buraco na base do crânio(foramen magno)onde se encaixa a espinha, a coluna vertebral, que nos diz a altura da pessoa.
Pelo tamanho da Espinha Dorsal.
Estes seres, pelo tamanho do buraco na base do crânio, tinham de ter entre 3,60 e 4,50 metros de altura.
Haviam gigantes na Terra!!!
Muitos textos antigos, retratam os Deuses do Sol como gigantes.
Eram seres muito, muito grandes, e o facto de existirem muitos crânios destes em templos da América do Sul, demonstra que isto não é resultado de nenhuma deformação craniana.
Foi retirado material dos crânios, analisaram o DNA, mas nunca revelaram os resultados dessas análises.





                                                             

"The text of the I Ching is a set of oracular statements represented by 64 sets of six lines each called hexagrams (卦 guà). Each hexagram is a figure composed of six stacked horizontal lines (爻 yáo), each line is either Yang (an unbroken, or solid line), or Yin (broken, an open line with a gap in the center). With six such lines stacked from bottom to top there are 26 or 64 possible combinations, and thus 64 hexagrams represented. The solid line represents yang, the creative principle. The open line represents yin, the receptive principle."

Nassim Haramein looked at the hexigrams of the I Ching and analyzed the simple geometry represented by the lines, taking their meaning more as literal geometric information and less as symbolic.

If you want to build the geometry of the structure of the space that is everywhere in the universe, which is an infinite tetrahedral array, you begin with the first octave of what becomes an infinite fractal division of the space in a perfectly balance state: a set of 64 tetrahedrons. At 64 tetrahedrons you have what Buckminster Fuller called the "vector equilibrium" also called the cube octahedron (8 tetrahedrons pointing inward) inside a second cube octahedron that is twice as large made of a total of 64 tetrahedrons: an octave.

To get to 64 tetrahedrons you bring together 8 star tetrahedrons. Each star tetrahedron is made from a tetrahedron pointing up and another polarized pointing downward creating what is also commonly known as a mercaba.

Nassim Haramein noticed the only "3D" geometry you can make with 6 solid lines is a tetrahedron and in order to make the second tetrahedron of a star tetrahedron you would need 6 broken lines to pass through the lines of the first tetrahedron. Nassim decoded the I Ching by showing how 6 solid lines and 6 broken lines are both the building blocks of the I Ching and that of a star tetrahedron.

Thus, the I Ching encodes the most fundamental geometric information you need to build the geometry of the universe!


The Resonance Project




sexta-feira, 26 de agosto de 2016

.....................................long before




My soul made love
to your soul
long before
our bodies met.

When I first
laid my eyes
on you
I recognized you.

You held my future
in your hands.

| Anita Krizzan |



Todo o Presente Espera pelo Passado para nos Comover




Há vária gente que não gosta de evocar o passado.
Uns por energia, disciplina prática e arremesso.
Outros por ideologia progressista, visto que todo o passado é reaccionário.
Outros por superficialidade ou secura de pau.
Outros por falta de tempo, que todo ele é preciso para acudir ao presente e o que sobra, ao futuro.

Como eu tenho pena deles todos.
Porque o passado é a ternura e a legenda, o absoluto e a música, a irrealidade sem nada a acotovelar-nos. E um aceno doce de melancolia a fazer-nos sinais por sobre tudo.
Tanta hora tenho gasto na simples evocação.
Todo o presente espera pelo passado para nos comover.
Há a filtragem do tempo para purificar esse presente até à fluidez impossível, à sublimação do encantamento, à incorruptível verdade que nele se oculta e é a sua única razão de ser.
O presente é cheio de urgências mas ele que espere.
Há tanto que ser feliz na impossibilidade de ser feliz.
Sobretudo quando ao futuro já se lhe toca com a mão.
Há tanto que ter vida ainda, quando já se a não tem...


Vergílio Ferreira
in, Conta-Corrente 5


Nassim Haramein 29 - O dilúvio e as Pirâmides no Japão e China



Observem esta estátua:
Ramsés II
Quando eles encontraram esta estátua, ela estava deitada, como se estivesse caída no deserto.
Como não a conseguiram mover, fizeram o Museu de Ramsés II à volta da estátua.
É feita de granito rosa, perfeitamente polida (com ferramentas de cobre...)
É um bloco sólido de granito de 1000 toneladas!!!!!
É 5 vezes mais, o que conseguimos levantar hoje com um guindaste.
Este não é o único bloco de 1000 toneladas que foi encontrado.
Os pilares de cada lado da entrada dos templos egípcios, os chamados obeliscos, muitos deles excedem as 1000 toneladas.
E todos estes enormes blocos vêm de uma pedreira, a centenas de kms acima do Nilo, do lado de lá do rio, para lá de um conjunto de montanhas.
Quando perguntamos aos arqueólogos, como foi possível estes monstros de pedra terem ido ali parar no meio do deserto, eles dizem: "eles abriram uma trincheira pelo meio das montanhas até ao rio Nilo, deixaram a água entrar e colocaram as pedras numa barcaça e navegaram Nilo abaixo"
Não existem evidências dessa trincheira ter sido aberta...
Como é que levantaram blocos de 1000 toneladas, e puseram-nos numa barcaça?
Sem se afundar?
Isto simplesmente não é possível de acontecer!!!!

Quem seriam os Deuses do Sol????
E viajavam por todo o planeta???





Este complexo foi encontrado no Japão, submerso na água em Yonaguni. 
E recentemente, foram encontradas pirâmides que estão a 19,47 graus de latitude.
São pirâmides enormes, todos os pescadores sabiam que estavam lá, mas pensavam que não tinha importância e por isso nunca contaram a ninguém.
O que tem de interessante, é que não se pode datar uma pirâmide, um monumento, porque a datação por carbono precisa de carbono. As pedras não têm muito carbono, para conseguirem datar.
Elas têm sílica, e tem uma certa taxa de deterioração, entre outras coisas que permitem datar as rochas, mas elas não te dizem quando foram cortadas e empilhadas nas pirâmides.
Por isso, os arqueólogos não datam monumentos.
O que eles fazem, é recolher ossos que encontrem à volta, fogueiras, objectos...datam tudo isso, e presumem que as pirâmides são da mesma altura de tudo o que encontram ao seu redor.
MAS, quando as pirâmides estão debaixo de água,
Os corais crescem rapidamente à volta, e eles são datáveis por carbono!!!!
Assim é possível saber quando as pirâmides foram parar debaixo de água.
Quando eles dataram estas pirâmides, concluíram que estão debaixo de água há pelo menos 10 mil anos!!!!!
No derretimentos da última era glaciar!!
Quando as águas subiram, e cobriram a Terra!
Existem mais de 500 histórias de dilúvios nas civilizações antigas do mundo inteiro.
Falamos de uma civilização antiga, que existia antes da chegada dos Deuses do Sol, e os dilúvios destruíram essa civilização.

Em 1973, mergulhadores encontraram na costa da Birmânia rochas enormes debaixo de água, que formavam uma entrada, e Edgar Cacey disse que encontraríamos uma câmara debaixo da pata da Esfinge. Recentemente, usaram ondas de reverberação sísmica, e foram capazes de encontrar uma câmara debaixo da pata da Esfinge, e disseram que ainda não entraram lá...mas essa é uma outra história...

As Pirâmides do Egipto foram datadas como sendo de há 10 mil anos.

Durante a 2ª Guerra Mundial, um piloto americano perdeu-se no espaço aéreo da china, e tirou esta fotografia desta pirâmide. Conseguiu sobreviver àquilo tudo, e no fim mostrou a fotografia mas ninguém acreditou nele. No entanto, o Governo Chinês, há poucos anos atrás mostrou estas fotografias em que se vê que existem centenas de pirâmides na China.
O Governo da China mandou os agricultores fazerem plantações por cima das pirâmides, para não serem detectadas pelos satélites.
A razão pela qual fizeram isto, foi porque não queriam que o mundo ocidental soubesse da existência destas pirâmides. Porquê???
Porque, as lendas que vêm com estas pirâmides, dizem que os Deuses do Sol as construíram.
E que os Deuses do Sol tinham olhos azuis e cabelos loiros.
Os chineses pensaram que tinham sido os europeus.
E a última coisa que os chineses queriam era ter europeus responsáveis por alguns dos conhecimentos mais antigos da tradição chinesa.
Por isso, eles esconderam as pirâmides.
Os chineses encontraram as múmias dessas pessoas loiras de olhos azuis no alto deserto da China.
Mais de 500 múmias foram encontradas, todas muito altas, sem traços asiáticos.
Então, eles foram à Cidade Proibída da China, a cidade que guarda todo o conhecimento do Universo, todo o conhecimento dos Deuses do Sol, e na entrada desta cidade, está a Esfinge do Leão, que em ambas as tradições egípcia e chinesa, é o Guardião do Conhecimento.
Os Leões guardam o Conhecimento debaixo das suas patas!!!
E quando olhamos de perto, o que encontramos debaixo da pata??????
Um padrão esférico, de círculos interceptados da Flor da Vida, que gera a grade de 64 tetrahedros!!!!
GUARDIÕES DO CONHECIMENTO!!!!
  








quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Marcas...




Se soubesses...
Se soubesses a diferença que fazes
do vazio que provocas com o teu silêncio...

Se soubesses...
Se soubesses o que o teu toque me provoca
do quanto o teu calor seca a minha boca...

Se soubesses...
Se soubesses o quanto o teu olhar me entranha
do quanto remexe as entranhas...

... que deixam apenas ansiedade...


Quest