terça-feira, 23 de maio de 2017

Silêncio, silêncio…






Fechem as máquinas de falar, desandem os botões da verbosidade, façam má cara aos visitantes, despeçam os oradores oficiais, cancelem o contrato dos conferencistas.
Silêncio, silêncio…

Escondam o rosto um momento, desçam as cortinas, preguem as janelas, chorem, se quiserem, mas silêncio! Dai tempo a ouvir um anjo que passa, uma cigarra que canta, uma pedra que rola, uma flor que morre.

Também isto é sério, também isto é justo, também isto é revelação, e caridade, e inteligência.
Dai tempo a vós próprios, que sois vivos e que o podeis saber.
E silêncio.


Agustina Bessa-Luis 
in, Embaixada de Calígula





E isto era chamado de amor...





Quando ele olhou seus olhos negros, ele entendeu a parte mais importante e mais sábia da linguagem de que o mundo falava, e que todas as pessoas da Terra eram capazes de entender em seus corações. E isto era chamado de amor, uma coisa mais antiga que os homens e que o próprio deserto, e que no entanto ressurgia sempre com a mesma força onde quer que dois pares de olhos se cruzassem como se cruzaram aqueles dois pares de olhos diante de um poço.
Os lábios finalmente resolveram dar um sorriso, e aquilo era um sinal, o sinal que ele esperou sem saber durante tanto tempo em sua vida, que tinha buscado nas ovelhas e nos livros, nos cristais e no silêncio do deserto (...)
E quando estas pessoas se cruzam, e seus olhos se encontram, todo o passado e todo o futuro perdem qualquer importância, e só existe aquele momento, e aquela certeza incrível de que todas as coisas debaixo do sol foram escritas pela mesma Mão. A Mão que desperta o Amor, e que fez uma alma gémea para cada pessoa que trabalha, descansa e busca tesouros debaixo do sol.
Porque sem isto não haveria qualquer sentido para os sonhos da raça humana.


Paulo Coelho
in, Alquimista



LUA ADVERSA





Tenho fases, como a lua, 
Fases de andar escondida, 
fases de vir para a rua... 
Perdição da minha vida! 
Perdição da vida minha! 
Tenho fases de ser tua, 
tenho outras de ser sozinha.
Fases que vão e que vêm, 
no secreto calendário 
que um astrólogo arbitrário 
inventou para meu uso.
E roda a melancolia 
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém 
(tenho fases, como a lua...). 
No dia de alguém ser meu 
não é dia de eu ser sua... 
E, quando chega esse dia, 
o outro desapareceu...


CECÍLIA MEIRELES
in, VAGA MÚSICA




segunda-feira, 22 de maio de 2017

........................... as nossas próprias histórias





Todos os dias juntamos fragmentos às nossas próprias histórias, todos os dias, sem dúvida, lhes retiramos fragmentos. 
É um trabalho incessante, este, o de dar sentido ao que vivemos. 
Juntamos areia húmida sobre a seca, que se esboroa por baixo. 
As nossas próprias histórias são o resto da areia que o vento do nosso esquecimento não levou. 
Um dia, a areia secará de todo, e as nossas próprias histórias serão apenas um montículo, e depois, nada. 


Xilre





AMOR





Amor, amor, amor, como não amam

os que de amor o amor de amar não sabem

como não amam se de amor não pensam

os que amar o amor de amar não gozam.

Amor, amor, nenhum amor, nenhum

em vez do sempre amar que o gesto prende

o olhar ao corpo que perpassa amante

e não será de amor se outro não for

que novamente passe como amor que é novo.

Não se ama o que se tem nem se deseja

o que não temos nesse amor que amamos

mas só amamos quando amamos ao acto

em que de amor o amor de amar se cumpre.

Amor, amor, nem antes, nem depois,

amor que não possui, amor que não se dá,

amor que dura apenas sem palavras tudo

o que no sexo é o sexo só por si amado.

Amor de amor de amar de amor tranquilamente

o oleoso repetir das carnes que se roçam

até ao instante em que paradas tremem

de ansioso terminar o amor que recomeça.

Amor, amor, amor, como não amam

os que de amar o amor de amar não amam.



JORGE DE SENA 
in, Peregrinatio ad loca infecta





...................................... a traição






A gente adquire o hábito da melancolia ao ser traído.
É a traição que provoca isso.
Pense só nas tragédias.
O que suscita a melancolia, a fúria, a carnificina?
Otelo, traído. Hamlet, traído. Lear, traído. Pode-se até alegar que Macbeth foi traído - por si mesmo - embora não seja a mesma coisa.

Profissionais que consumiram suas energias ensinando as obras-primas, os poucos de nós ainda dedicados à forma como a literatura investiga as coisas, não tem desculpa para encontrar a traição em outro lugar senão no coração da história.
A história de alto a baixo. A história do mundo, a história da família a história pessoal.

É um tema muito vasto, a traição.
Pense só na Bíblia. Sobre o que é o livro?
A narrativa básica da Bíblia é a traição. Adão, traído. Esaú, traído. Os siquemitas, traídos. Judá, traído. José, traído. Sansão, traído. Davi, traído. Moisés, traído. Jó, traído, Jó, traído por quem? Por ninguém menos que Deus. Deus traído. Traído a todo instante pelos nossos ancestrais.



Philip Roth 
in, "Casei com um Comunista”




domingo, 21 de maio de 2017

As Mulheres No Que Me Diz Respeito





Os sentimentos que não tenho não tenho.
Os sentimentos que não tenho, não vou dizer que tenho.
Os sentimentos que vocês dizem que têm, não têm.
Os sentimentos que vocês quereriam que nós e vocês tivéssemos, 
nenhum de nós tem.
Os sentimentos que as pessoas deveriam ter, nunca têm.
Se as pessoas dizem que têm sentimentos, 
pode-se estar certo que não têm nenhuns.
Por isso, se vocês querem que nós ou vós sintamos alguma coisa,
é melhor abandonar por uma vez a ideia de sentir.


D. H. LAWRENCE






NÓS SOMOS O YIN * YANG





A desconexão com a Fonte e a extrema identificação com os aspectos práticos terrenos fez-nos adoptar e preferir umas ferramentas em detrimento de outras nas nossas rotinas do dia a dia.

Por exemplo, os conceitos de luta, esforço, resistência, defesa e sobrevivência são vistos sempre como positivos e até como nobres, praticados por seres humanos honrados, corajosos e determinados, concordas?

Ou seja, o uso e abuso exclusivo da energia Yang, masculina e guerreira que dominou a Terra nos últimos 2000 anos. Podemos inclusive responsabilizar o abuso da mesma pelo estado de violência e guerra em que o mundo se encontra.


Mas vivemos numa realidade dual. 
Somos compostos de energia feminina e masculina. 
A viagem do Espírito é precisamente o equilíbrio dos pólos dentro de nós.


A partir desta visão, fica no ar a seguinte questão:

Onde ficam então os conceitos de rendição, sensibilidade, desistência, entrega e morte??

Seremos tão ignorantes e cegos ao ponto de termos chegado ao ponto de rejeitar a tão essencial e complementar energia Yin??

Não temos todos nós, cada um de maneira diferente na nossa história, a experiência de que a energia Yin é em tantos casos, a única via de solução e superação dos mais variados desafios??

A dor profunda da morte de uma pessoa querida por exemplo é superada através da rendição e sensibilidade da energia Yin ou pela força e resistência da energia Yang?

Quando somos confrontados com o estado de violência do mundo, com a agressividade que existe entre pessoas, casais, famílias, países, raças, sexos, religiões o que é que de facto nos choca?

É a falta de poder, força e luta? ou é a falta de sensibilidade, tolerância e amor??

Infelizmente a inconsciência e o desequilíbrio são tais no que toca à existência destas duas tão essenciais forças que chegámos ao ponto de rotular de doentes, fracas e emocionalmente desequilibradas as pessoas que se atrevem a vir mostrar ao mundo a falta que a energia Yin faz.

Se lembrarmos que o mundo é apenas uma materialização física da nossa energia colectiva percebemos que cada um de nós está a viver esta inconsciência e desequilíbrio interior e como tal está na nossa mão fazer as respectivas mudanças interiores.

Ambas as energias serão sempre complementares e essenciais à superação das provas terrenas.

Os filhos são muitas vezes quem nos mostra que, há momentos para a força e luta e há momentos para a sensibilidade e rendição.

Quem atraímos também nos vem mostrar o que temos em excesso e de que maneiras poderemos praticar a que nos falta.

Pior do que tudo é mesmo a ignorância desta mecânica pois inconscientes destas energias em nós, a mais forte irá dominar e arrastar-nos para os seus padrões negativos.


Seja a energia Yang 
em toda a sua força e extrema agressividade, 
Seja a energia Yin 
em toda a sua passividade e extrema sensibilidade.


Mais cedo ou mais tarde, pela nossa mão ou pela mão da máquina cósmica essas energias serão reajustadas e reequilibradas.

Tudo o que nos acontece tem apenas esse propósito...

Como anda a tua balança Yin * Yang ?




Vera Luz​





Conto até cem e,






Conto até cem e, se não chegares antes dos cem, vou-me embora.
Não chegaste antes dos cem.
Conto de cem a um e, se não chegares antes do um, vou-me embora.
Não chegaste antes do um.
Conto dez automóveis pretos e, se não chegares antes dos dez automóveis pretos, vou-me embora.
Não chegaste antes dos dez automóveis pretos.
Nem antes dos quinze táxis vazios.
Nem antes dos sete homens carecas.
Nem antes das nove mulheres loiras.
Nem antes das quatro ambulâncias.
Nem sequer antes dos três corcundas e,
entretanto, começou a chover.


António Lobo Antunes





sábado, 20 de maio de 2017

Eis-me acordado




Eis-me acordado
Com o pouco que me sobejou da juventude nas mãos
Estas fotografias onde cruzei os dias sem me deter
E por detrás de cada máscara desperta
A morte de quem partiu e se mantém vivo...

A luz secou na orla desértica da cidade
Escrevo para sobreviver
Como quem necessita de partilhar um segredo...

Este corpo em que me escondi... gastou-se...

Quantas noites permanecerão intactas no fundo do mar?
O rosto ainda jovem
Foi o tesouro de seivas que me entonteceu
Pelo corpo condeno-me à vida
De susto em susto à inutilidade da escrita...

Mas eis-me acordado
Muito tempo depois de mim
Esperando por alguma fulguração do corpo esquecido
À porta do meu próprio inferno...


Al Berto