terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Torus


Há sempre uma cave dentro de nós



"Duas pessoas são duas pessoas.
Nunca nos pomos a pensar nisto assim, mas é inultrapassável.
Queremos sempre acreditar que um casal, por exemplo, são duas pessoas que se escolheram um ao outro para partilharem.
Para viverem como cúmplices.
E isso até pode acontecer muito tempo, numa data de coisas.
Mas há sempre uma cave dentro de nós.
Nunca, mas nunca mesmo, saberemos tudo acerca do outro.
Só não percebo porque me faz isso sofrer se parece que estou a concluir que é natural, que as coisas são mesmo assim."

Rodrigo Guedes de Carvalho


Há sempre uma cave dentro de nós.
E só nós sabemos onde está essa Porta do Chão!
Os segredos mais perigosos, são aqueles que temos medo de contar a nós próprios...

p.s.- lembram-se desse filme, " A Porta no Chão"?
Com Elle Fanning, Jeff Bridges, Kim Basinger e Jon Foster.

Ted Cole: And so the little boy was born, and he was happy. And his mommy was happy, too. Although she told the boy, at least once every day, "Don't ever, not ever, never, never, never, open the door in the floor." But of course, he was only a little boy. If you were that little boy, wouldn't you want to open that door in the floor?




O famoso escritor de histórias infantis Ted Coles e a sua bela mulher Marion tinham um casamento perfeito. Mas que começa a desmoronar após uma tragédia, a morte dos dois filhos num acidente.
O desânimo de Marion e as consequentes infidelidades de Ted impediram o casal de enfrentar os problemas da relação. Os estímulos vão voltar a estar presentes em Marion quando Ted contrata Eddie para seu assistente pessoal.
Eddie faz despertar os mais profundos desejos sexuais que Marion achava perdidos, refazendo a imagem que ela tem de si própria como mãe e como mulher.


 

MARVIN GAYE & TAMMI TERRELL "Ain't no Mountain High Enough"




Hoje acordei com esta música na cabeça...
E sonhei que tinha ido ao aeroporto de Lisboa buscar um sobrinh@ ainda pequen@...e cantávamos esta música...


Ain't No Mountain High Enough
Listen, baby

Ain't no mountain high
Ain't no valley low
Ain't no river wide enough, baby

If you need me, call me
No matter where you are
No matter how far (don't worry, baby)
Just call my name
I'll be there in a hurry
You don't have to worry

'Cause, baby, there
Ain't no mountain high enough
Ain't no valley low enough
Ain't no river wide enough
To keep me from getting to you, baby

Remember the day
I set you free
I told you you could always count on me, darling
From that day on
I made a vow
I'll be there when you want me
Some way, somehow

'Cause, baby, there
Ain't no mountain high enough
Ain't no valley low enough
Ain't no river wide enough
To keep me from getting to you, baby

Oh, no, darling (no wind, no rain)

All winter's cold can't stop me, baby
Now, now, baby
(If you're ever in trouble
I'll be there on the double
Just sing for me)
Oh, baby

My love is alive
Way down in my heart
Although we are miles apart

If you ever need a helping hand
I'll be there on the double
Just as fast as I can
Don't you know that

There ain't no mountain high enough
Ain't no valley low enough
Ain't no river wide enough
To keep me from getting to you, baby

Don't you know that there
Ain't no mountain high enough
Ain't no valley low enough
Ain't no river wide enough
To keep me from getting to you, baby

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

............lo que nos hace felices y lo que nos hace sufrir


...yo intento ser fiel a mi vocación y pretendo reflexionar sobre lo que nos hace felices y lo que nos hace sufrir, intentando hacer una arqueología de la mente, aunque lamentablemente sin tanto arte como lo hacen los buenos novelistas.

¿Por qué no me dedico a los mensajes positivos? 
Porque nunca me he conformado con lo que me dicen sin pensar si es aplicable siempre a lo que vivo, experimento y observo. 
Los mensajes positivos son útiles en algunos momentos y en algunos contextos, pero pueden ser muy agresivos cuando alguien está sumido en el proceso de cambio o duelo que implica la pérdida de alguien o algo querido o apreciado.
También se olvidan de que no todo cambio se produce por voluntad (obvian la realidad de los procesos inconscientes que la voluntad consciente muchas veces pretende reprimir y relegar) y son miopes a la función que tiene todo sentimiento y emoción en nuestro crecimiento personal.
Estas reflexiones las hago siempre desde la óptica del vínculo afectivo.
En definitiva, son las relaciones las que nos definen y es esa característica de fundamento del ser que tiene la relación,  la razón por la que los vínculos nos hace sentir felices y desgraciados. 
Pero no todo lo que nos han dicho sobre las relaciones es verdad.
De ahí mi espíritu crítico frente a los condicionamientos y las imágenes del amor que nos han hecho creer.

Si leéis algunas de mis entradas también veréis que no soy una fervorosa defensora de las técnicas más populares en estos días de "merchadising" psicológico y espiritual. 
Todas las técnicas pueden ser útiles, como pueden ser dañinas y re-traumatizantes en potencia.
Hacer una constelación familiar o utilizar técnicas guestálticas o espirituales no son garantía de nada.
La catarsis no es curativa per se, sino cuando se da en un contexto de relación terapéutica, en una base de seguridad que nos permite rememorar y colocarnos en un nuevo lugar con recursos que antes no teníamos. Hacer según que técnicas fuera de ese contexto,  con una persona a la que no volveremos a ver y sin los conocimientos necesarios para trabajar traumas o situaciones emocionales intensas puede provocar más daño que bien. 

¿Alguien se operaría el cerebro para solucionar cualquier problema, o por cualquier terapeuta?
Seguro que sólo nos ponemos en manos de neurocirujanos en muy determinadas condiciones.
¿Por qué dejamos que utilicen técnicas psicológicas potentes sin saber si lo necesitamos, o de qué manera lo necesitamos?

Con todo, pretendo ser una persona y profesional que potencie el crecimiento personal. 
Pero cada persona debe encontrar su modo, tener autonomía y ser crítico con lo que se le ofrece.
Nunca una técnica puede estar por encima de la persona.

Con este resumen de la filosofía de este blog me oriento hacia los nuevos tiempos que están por venir.
El fin de año es una convención de calendario, pero que guarda alguna relación con los ciclos naturales.
Es el tiempo del cambio de solsticio, cuando un nueva estación empieza...
¡Mis buenos deseos para todos mis lectores!

Ana Cortiñas Payeras
Psicóloga espanhola



Resposta de um amigo:

 Ana estoy totalmente de acuerdo contigo. A mi me pasa también lo mismo.

No creo en los cambios psicológicos rápidos, si el desarrollo emocional es lento y pausado, entonces porqué se pretende hacer creer que estructuras psicológicas que han tardado muchos años en cristalizar y solidificar ahora se pueden modificar en unos meses.
Ya me parecía que el conductismo-cognitivismo por si sólo no llevaba a ninguna parte, pero todo esto del coaching personal me produce espanto.
Creo que la psicología actual, como tantas otras relaciones entre personas, se ha tornado muy "líquida" y lo importante no es el proceso sino el final. 
Lo que sucede es que sin proceso el final es solamente momentáneo, es perecedero, de nuevo caes en los mismos problemas evidentemente no superados. 
Parece que vivimos en un tiempo en el que es imprescindible ser feliz el 100% de nuestro tiempo, y que el aburrimiento no debe existir. 
Esos falsos conceptos, que son imposibles, son de hecho los que nos conducen a la infelicidad y al tedio.

A menudo comparo la situación de esa psicología "moderna" con otro de los temas que forman parte integra de mi identidad:  la fotografía.
Hoy hacer una foto es instantáneo, aprietas el botón y zas, ahí tienes el resultado.
El proceso ni lo conoces, ni te importa, la máquina lo hace todo por ti, desde la exposición hasta el revelado, todo en décimas de segundo.
Se perdió el proceso, el aprendizaje, la mejora paulatina de la técnica, el laboratorio.
Incluso en el laboratorio digital ha desaparecido la magia de lo inesperado que solamente se te revelaba en el cuarto oscuro, esa imagen que aparecía frente a tus ojos teñidos de luz rojiza e incandescente.
Se perdió la ilusión de la fotografía como proceso con una meta diferida, se volvió instantánea, sin evolución, solamente con final.

En los tiempos que corren hasta el amor se ha convertido en eso. 
Recuerdo un chiste en el que está una pareja haciendo el amor apasionadamente en la cama.
Cuando acaban él le dice a ella: ha sido fenomenal, y ella le contesta, sí fantástico, entonces él añade, que te parece si mañana quedamos y vamos al cine, y entonces ella comenta, ¡qué dices, no voy al cine con desconocidos ¡¡¡.
Las relaciones de vínculo amoroso han olvidado el elogio de la lentitud, como diría Honoré, se están saltando las fases para llegar a un fin, el cuál es básicamente la sexualidad, perdiéndose a menudo el vínculo por el camino.

Vivimos en una sociedad dónde las emociones y las relaciones se consumen rápido, se quiere todo ya, la frustración, la espera, el desarrollo de las cosas, no importan, sobran. 
La psicología, desde mi punto de vista, ha caído de lleno en ese error.

Feliz y lenta  entrada de año.
Josep A Perez Castello

Elemento FOGO de Carneiro



... às vezes é tão surpreendentemente simples, quanto algumas das mais belas coisas na vida.

... às vezes basta contemplar o Elemento (Fogo? Terra? Ar? Água?) do teu signo Ascendente para saberes qual é a "realidade" sem a qual não consegues viver - ou melhor, em qual das dimensões da "realidade" te é mais natural, específico, e vital viver.

Às tantas, se não soubesses que cada Um vive na sua própria bolha energética específica, até podias achar que o Elemento do seu signo Ascendente é a coisa mais importante que existe.

... seja como for, para ti provavelmente é.

Se é FOGO, não podes viver sem entusiasmo, liberdade pessoal, criatividade e reconhecimento - brinca, brinca... e nunca te esqueças de que, para o Fogo - e como disse uma vez a Liz Greene - " a vida é um jogo no qual não interessa ganhar... interessa é ter estilo"

Se é Terra, não podes viver sem os pés no chão - quero dizer, sem um senso de segurança realisticamente ancorado na dimensão prática da vida - trabalha, trabalha... ocupa-te. Realiza. Sentir-te-ás muito mais "encarnado" quando a vida prática estiver a funcionar bem.

Se é Ar, não podes viver sem liberdade de movimentos para conhecer, aprender, comunicar e explorar... não podes viver sem expressar opiniões e partilhar com outros... fala prá í...afinal, o que é a vida senão a arte do Encontro?

Se é Água, bom... se é Água... ou aprendes a nadar, e te salvas, e navegas, ou te afogas.......ou t'agarras, ou afundas

donde,

diferentes dimensões e âmbitos da vida ganham importância relativamente distinta, consoante os Elementos - algo parecido com isto:

o Fogo - o senso de estar vivo
a Terra - a segurança material, o trabalho
o Ar - as relações, o conhecimento, o movimento
a Água - a segurança emocional, a vida interior

evidentemente isto é um esboço boçal.

mas talvez te dê pistas para reflectir, ou até - quem sabe - uma prioridade à qual te dedicares.

Com certeza que podes ter um ascendente em Água e estar dedicado ao trabalho, mas diz-me:
achas mesmo que é de trabalho que se trata?

por exemplo * e por aí fora

espero que simplicidade te estimule algum pensamento, qualquer "a-ha!" ou mesmo um insight dos bons.

é que a seguir a isso vais querer seguir a pista do seu regente... e aí é que a coisa começa a ficar interessante.


Nuno Michaels




Isto está cada vez mais interessante!!!!!!

O Regente de Carneiro é MARTE!!!!!!!
Marte é o Planeta Regente de 2015!!!!!!

Planeta da guerra e da virilidade.
Representa a acção, a coragem, a força e a determinação.
É pela sua influência que os nativos de Carneiro são confiantes e ousados.

Eu tenho Marte na Casa 1, a Casa do Ascendente, em Touro.
A casa em que se encontra mostra de onde ele extrai a sua força, e o signo diz-lhe como o faz.

Marte na Casa I Com Marte Natal na Casa I  provavelmente terá um bom porte físico bem como capacidades físicas superiores ao normal. Tenha em atenção que é preciso pensar antes de agir. Deve limar as pontas de agressividade.

Marte em Touro - Toda a sua energia é dirigida para coisas concretas que produzam riqueza.
Contudo, Marte em Touro está em detrimento pelo que o sucesso nessas iniciativas nem sempre é tão pronto quanto desejaria a sua impulsividade. A sua perseverança e determinação ajudá-lo-ão. 

Lua  na Casa 1 em CONJUNÇÃO a Marte  na Casa 1
Conjunção Lua = Marte - Reacções explosivas ditadas mais pelo sentimento do que pela razão e que não consegue controlar. As emoções toldam-lhe a razão despertando-lhe sentimentos negativos e criando inimizades à sua volta. Se a energia deste aspecto tão tenso for devidamente canalizada pode dar resultados frutíferos.

Marte  na Casa 1 em SEXTIL a Saturno  na Casa 3
Sextil Marte = Saturno - É a força e impulsividade de Marte devidamente contida pela disciplina, responsabilidade e bom senso de Saturno que o tornam uma figura verdadeiramente corajosa. Poderá não parecer muito simpático mas cria um ambiente excelente à sua volta e atrai as oportunidades. 
Estas suas qualidades vão melhorando com o andar dos tempos.

Marte  na Casa 1 em CONJUNÇÃO a Ascendente  na Casa 1
Conjunção Marte = Ascendente - Uma personalidade vigorosa e agressiva,  tanto física como psiquicamente. Tentará dominar e submeter os outros por esses meios. Muito competitivo.



Na minha Casa 1, a Casa do Ascendente, formam-se 9 Aspectos.
É uma das minhas Casas mais fortes...




domingo, 28 de dezembro de 2014

La Marioneta ( Johnny Welch) - LEGENDADO


Poema de Johnny Welch sobre a "oração" de uma boneca de ventríloquo que desejava viver de verdade.


La Marioneta, a falsa despedida de Gabriel García Márquez

Gabriel García Márquez faleceu no dia 17 de abril de 2014, aos 87 anos.


Desde 1999, circula pela Internet poema atribuído ao escritor colombiano Gabriel García Márquez ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 1982. O poema é intitulado La Marioneta ou "A despedida de Gabriel García Marquez" e é apócrifo.

Tudo teria começado com a notícia, divulgada pelo jornal peruano La República, que o escritor contraíra câncer linfático e estaria em estado terminal. Pouco tempo depois, o texto começou a ser divulgado. O próprio escritor desmentiu, posteriormente, as duas coisas: não se encontrava em estado terminal e não havia escrito a tal despedida. Confirmou, no entanto, que estava se submetendo a tratamento contra câncer linfático. (Em setembro de 1999, ele internou-se numa clínica de Los Angeles.)

O texto apócrifo tem circulado bastante na Internet e em alguns jornais. O Globo do Rio de Janeiro e o Jornal do Commercio do Recife - JC (edição de 06 de setembro de 2000) o divulgaram. Para o JC, o texto é "emocionante e inesquecível".

Segundo a Crônica do falso adeus de Orlando Maretti, "Gabriel García Márquez, ou Gabo, para os amigos, [...] não apenas negou, pela imprensa, que estivesse em estado terminal como também espinafrou a pieguice do texto e seu autor, identificando-o como um subliterato latino-americano. Em recente entrevista ao jornal espanhol El País, o escritor colombiano lamenta a repercussão do texto."




Orlando Maretti acrescenta: "...a primeira pista para duvidar da autoria é a insistência na citação vocativa de Deus. Pelo que se sabe, García Márquez é um escritor de esquerda, simpatizante do marxismo, amigo de Fidel Castro, militante de causas sociais. Enfim, um humanista engajado, mas nem de longe seu perfil lembra um religioso."

Em La Marioneta encontra-se a versão "original" do poema em espanhol com a afirmação de que o texto não foi escrito por Gabriel Garcia Márquez.

No artigo Marquez's 'latest poem' is a hoax (Calcuta on Line) o autor esclarece a origem do poema.
O poema La Marioneta foi escrito por Johnny Welch, um ventríloquo que trabalha no México, para o seu boneco de nome Mofles. "Estou muito desapontado por haver escrito alguma coisa e não receber o crédito" disse Johnny Welch, o verdadeiro autor do poema.

La Marioneta
Por Don Mofles

Si por un instante Dios se olvidara de que soy una marioneta de trapo y me regalara un trozo de vida, posiblemente no diría todo lo que pienso pero, en definitiva pensaría todo lo que digo.

Daría valor a las cosas, no por lo que valen, sino por lo que significan.

Dormiría poco y soñaría más, entiendo que por cada minuto que cerramos los ojos, perdemos sesenta segundos de luz.

Andaría cuando los demás se detienen, despertaría cuando los demás duermen, escucharía mientras los demás hablan, y cómo disfrutaría de un buen helado de chocolate...

Si Dios me obsequiara un trozo de vida, vestiría sencillo, me tiraría de bruces al sol, dejando al descubierto no solamente mi cuerpo sino mi alma.

Dios mío, si yo tuviera un corazón...

Escribiría mi odio sobre el hielo, y esperaría a que saliera el sol. Pintaría con un sueño de Van Gogh sobre las estrellas un poema de Benedetti, y una canción de Serrat sería la serenata que ofrecería a la luna.

Regaría con mis lágrimas las rosas, para sentir el dolor de sus espinas, y el encarnado beso de sus pétalos...

Dios mío, si yo tuviera un trozo de vida...

No dejaría pasar un solo día sin decirle a la gente que quiero, que la quiero. Convencería a cada mujer de que ella es mi favorita y viviría enamorado del amor.

A los hombres les probaría cuán equivocados están al pensar que dejan de enamorarse cuando envejecen, sin saber que envejecen cuando dejan de enamorarse.

A un niño le daría alas, pero dejaría que el solo aprendiese a volar. A los viejos, a mis viejos les enseñaría que la muerte no llega con la vejez sino con el olvido.

Tantas cosas les he aprendido a ustedes los hombres...

He aprendido que todo el mundo quiere vivir en la cima de la montaña sin saber que la verdadera felicidad está en la forma de subir la escarpada.

He aprendido que cuando un recién nacido aprieta con su puño por vez primera el dedo de su padre, lo tiene atrapado para siempre.

He aprendido que un hombre únicamente tiene derecho de mirar a otro hombre hacia abajo, cuando ha de ayudarlo a levantarse.

Son tantas cosas las que he podido aprender de ustedes, pero finalmente de mucho no habrán de servir porque cuando me guarden dentro de esta maleta, infelizmente me estaré muriendo...

in, "Lo Que Le He Enseñado a la Vida" por Don Mofles
Johnny Welch



Depois, alguém acrescentou o resto: 


Trata de decir siempre lo que sientes y haz siempre lo que piensas en lo más profundo de tu corazón.

Si supiera que hoy fuera la última vez que te voy a ver dormir, te abrazaría fuertemente y rezaría al Señor para poder ser el guardián de tu alma.

Si supiera que estos son los últimos minutos que te veo, te diría “Te Quiero” y no asumiría, tontamente, que ya lo sabes.

Siempre hay un mañana y la vida nos da siempre otra oportunidad para hacer las cosas bien, pero por si me equivoco y hoy es todo lo que nos queda, me gustaría decirte cuanto te quiero, que nunca te olvidaré.

El mañana no lo está asegurado a nadie, joven o viejo.
Hoy puede ser la última vez que veas a los que amas.
Por eso no esperes más, hazlo hoy, ya que si mañana nunca llega, seguramente lamentaras el día que no tomaste tiempo para una sonrisa, un abrazo un beso y que estuviste muy ocupado para concederles un último deseo.

Mantén a los que amas cerca de ti, diles al oído lo mucho que los necesitas quiérelos y trátalos bien, toma tiempo para decirles, “lo siento” “perdóname”, “por favor”, “gracias” y todas las palabras de amor que conoces.

Nadie te recordará por tus nobles pensamientos secretos.
Pide al Señor la fuerza y sabiduría para expresarlos.

Finalmente, demuestra a tus amigos y seres queridos cuanto te importan”.

Marte - Planeta Regente de 2015



A última coisa que se pode dizer da energia do Planeta Marte é que ela é suave.
Suavidade está longe da maneira como este planeta influencia o mundo e as pessoas.
A sua energia é poderosa, forte, masculina, impulsiva.

Não é à toa que o planeta vermelho é conhecido como o planeta guerreiro.
Marte era o Rei da Guerra na mitologia romana e a associação deste deus ao planeta se deve à sua cor avermelhada, que representaria o sangue derramado nas batalhas.
Marte era um deus adorado por ser destemido, forte, corajoso, viril e sensual.
Era também o deus da natureza e da agricultura, severo e exigente.
O planeta Marte, então, ficou conhecido por despertar força, coragem, combatividade, libido, energia e também cólera, conflitos e violência.

Marte também é o planeta regente de Áries e determina, por sua vez, as características marcantes deste signo, como virilidade, impulsividade, paixão e ousadia, mas também impaciência e a raiva.
Ou seja, Marte é um planeta de força e acção!

Não é à toa que se diz que as mulheres são de Vênus e os homens são de Marte.

O planeta desperta as características masculinas mais marcantes:
Evoca a força da paixão que move a luta para a realização dos desejos e desperta a capacidade do homem de agir, o impulso para enfrentar os desafios do mundo, assim como uma energia poderosa para a competição e o combate.

Em relação à sua influência no ano, a força do planeta pode manifestar-se de várias formas.
Pelo lado positivo, é um ano que favorece as acções empreendedoras e novos projectos que necessitem de ousadia e desprendimento.
Costuma também favorecer o desporto e o desempenho dos atletas, além de marcar anos de grandes acontecimentos históricos e transformações mundiais.

Pelo lado negativo, o planeta instiga à luta pela sobrevivência e pelos ideais, ou seja, o risco de conflitos é iminente e real.
É um ano dinâmico, cheio de energia volátil.

No nível pessoal será um ano intenso e de muitas transformações.
A nossa energia estará latente e caberá a nós mesmos utilizá-la de forma produtiva, para a melhoria do planeta e do bem comum.
Devemos ter muito cuidado para não cairmos na armadilha da impulsividade, das atitudes destemperadas, da agressividade e dos conflitos, que só nos levarão a desentendimentos e problemas.

Podemos dizer que, no ano de 2015, o desejo estará em oposição à razão, então, esteja atento às suas atitudes, use a sua força positivamente e evite ao máximo deixar-se levar pelos impulsos do ego…

Zastros



OGUM
CAVALEIRO NOBRE
Em Ioruba significa luta , guerra, grande força, é o Senhor dos Caminhos, pois ele desbrava novos rumos quando necessário.
A ele também compete a luta contra o mal, desfazer trabalhos malignos, por esta razão a alegoria de Matar o Dragão.
Sua energia traz o movimento, a acção , a inovação, a protecção, ele é o pacificador que batalha contra o mal.
Sua energia cósmica emana a força, a confiança para vencer .
Marte é o Planeta de OGUM
Salve, meu Pai Ogum!
É Marte, o guerreiro, vencedor de demandas.

sábado, 27 de dezembro de 2014

SATURNO EM SAGITÁRIO



SATURNO EM SAGITÁRIO

NO DIA DE NATAL , 24 de Dezembro Saturno sai de Escorpião e entra em Sagitário, a Vibração VAI Mudar !!!

Sair da água e entramos numa energia de Fogo, o terceiro fogo, o mais requintado, está nos a ser dada a oportunidade de dar um grande salto na nossa evolução, " Nothing but the truth" Sagitários quer a Verdade, quer dar Sentido a Tudo ,ele tem a missão de nos lembrar que somos como células dentro de um corpo, todas necessárias e interligadas para que o corpo funcione saudavelmente, as células são os humanos o corpo é o planeta terra.

Saturno em Sagitário, traz cada vez mais consciência de que estamos todos conectados, e que toda a negatividade que temos, fomos nós que a criamos, hoje estamos capazes de escolher nos libertar, sair do nosso umbigo e ver o plano maior.

Este trânsito traz necessidade de dar sentido a vida, ir ao passado e entender a história, aprender com a experiência da vida, procurar por em prática o que for melhor para o ser humano, a natureza, os animais , o espírito,e voltar a fazê-lo.

Vamos ver Mudanças na Educação, o que é que é realmente importante aprender?
Fazer por amor e deixar de fazer por dinheiro...medo...aparecerão novos cursos, vai-se resgatar a informação dos antepassados, novas descobertas Científicas , Júpiter ao entrar em virgem (início de 2015) despertará para a descoberta de curas naturais, através de plantas, florais, pensamentos, cada vez mais contacto com a terra, simplificar e naturalizar.

Saturno senhor da responsabilidade, da persistência, maturidade, em Sagitário, leva a uma seria procura da explicação do sentido da vida, este encontro dos dois vai trazer provas que existe consciência, existe vidas passadas, existe vida para além da morte, existe vida em outros planetas , que tudo o que estamos a viver faz parte do que cada um precisa para a limpeza de seus karmas e poder amar-se como todas as suas condições.

Saturno em Sagitário relembra-nos dos seres Luminosos que somos e sempre fomos, que tudo o que ainda estamos a viver de doloroso faz parte da memória de acharmos que sabemos melhor do que deus o que é melhor para nós.
Vai Aumentar o contacto com o estrangeiro, outros povos, outras culturas, mais viagens, intercâmbios, contactos inter fronteiras.
As religiões como têm sido, serão postas em causa, religião = re li gar , cada vez mais consciência do Deus dentro! Deixar de colocar o poder nas mãos dos outros.
Grandes descobertas científicas que trazem uma melhor qualidade de vida, bom para negócios próprios pequenos, estes terão fortes possibilidades de sucesso.
Chegou o momento de termos a permissão de lembrar e viver cada vez mais a luz, o amor e a alegria que somos.
Que assim seja, Om, Amen !


Michelle Daya


Durante 3 anos Saturno vai estar em Sagitário.
Eu tenho Sagitário na Casa 8
Casa 8- Signo de Escorpião e Planeta Regente Plutão
MORTE, REGENERAÇÃO, TRIBUTOS
Experiências de morte e renascimento,  acontecimentos que exigem profunda transformação interior, mudança, ponto de viragem, ultrapassar os limites.

Tenho também Neptuno na casa 8 
O que quer dizer que tenho uma grande tendência para as actividades paranormais e um forte desejo de comunicar com os mortos...o que se tem acentuado agora em Dezembro de 2014.

Tenho também Sextil Neptuno = Plutão  
Consciencializo uma geração para a necessidade da sua evolução espiritual.


É AGORA!!!!


Mudança, ponto de viragem, ultrapassar os limites.
BORA LÁ!!!!!
Setembro de 2015 a coisa dá-se!
Até lá, vai doer...aguenta coração!
Mais um Salto de Pantera se avizinha! 

Enquanto o ano está a caminho do fim ...



"Para alguma coisa serve o cansaço abissal de ter estado vivos em 2014 nestes tristes trópicos onde definham heróis e heroínas, engolidos pelas instituições.
Serve para que tenhamos todos um encontro marcado com o silêncio ensurdecedor de reconhecer nossos venenos e também nossas elevações e, no íntimo do coração, optar pela estrela que nos orientará daqui em diante.
As respostas do coração são mais rápidas e claras do que as do cérebro, mais demoradas e intrincadas.
Aquilo que espontaneamente surgir no primeiro microssegundo diante de uma experiência, essa será a mensagem ensurdecedoramente silenciosa do coração para, logo em seguida, entrarmos no labirinto intrincado do intelecto, que faz e desfaz o acontecimento para convertê-lo em, talvez, algo inexistente."

~ Oscar Quiroga

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Interstellar



No filme Interstellar surge um buraco de minhoca, que cria um atalho no espaço-tempo, e que do outro lado tem planetas estranhos. Mas este não é um filme sobre o espaço interestelar, é sobre o homem. É um hino à vida ao enfatizar a luta com a morte que a ciência permite.

O verso “Odeia, odeia a luz que começa a morrer” é de Dylan Thomas, o escritor galês cujo centenário se está a comemorar. A respectiva estrofe é repetida por um dos personagens do filme “Interstellar”, do realizador norte-americano Christopher Nolan, que acaba de se estrear em todo o mundo.
Quem a repete é o professor John Brand (Michael Caine), um físico da NASA que procura o mistério último da gravidade e, com ele, a esperança de salvação para uma humanidade ameaçada. O verso de Thomas, que inspirou o título de um romance de António Lobo Antunes, abre um poema belíssimo: “Não entres docilmente nessa noite serena,/ porque a velhice deveria arder e delirar no termo do dia,/ odeia, odeia a luz que começa a morrer.”

Interstellar é uma glosa cinematográfica do tema da morte, neste caso o apocalipse do nosso planeta devastado por tempestades e pragas. Como ocorre em geral nos seus tratamentos artísticos, também aqui a morte é recusada.
Escreveu um outro poeta, o alemão Friedrich Hoelderlin: 
“Onde cresce o perigo, surge também a salvação.” 
A redenção é, no filme, proporcionada pela ciência e pela sua filha dilecta, a tecnologia.

Desvendemos um pouco do enredo, tentando não desmanchar o prazer dos leitores que ainda não viram. Num futuro indeterminado, vastos campos de milho surgem cobertos por nuvens de poeira e são pasto de doenças. Nesse mundo distópico, com o ar a ficar irrespirável, a ciência e a tecnologia quase desapareceram. Na escola ensina-se que a ida à Lua não passou de um embuste. E os estudos superiores são um capricho face a necessidades básicas de sobrevivência.

É nesse cenário que um agricultor, ex-piloto de testes da NASA, Joe Cooper (Matthew McConaughey), tenta manter a sua família: a espertíssima filha adolescente Murph (em jovem Mackenzie Foy e, mais tarde, Jessica Chastain), o filho e o seu sogro, já que a mulher tinha morrido de um tumor na falta de uma ressonância magnética. Tal cenário dantesco está longe de ser novo na ficção científica: lembrei-me de Um Cântico a Leibowitz, de Walter Miller, onde a humanidade regressa à Idade Média após um desastre nuclear e só um conhecimento muito escasso sobrevive. O filme não é claro sobre a origem do “fim do mundo”. Há uma referência ao Dust Bowl, uma série de tempestades de pó que ocorreram, por incúria humana, durante a Grande Depressão, originando fome e miséria: surgem depoimentos autênticos em vídeo de sobreviventes desses anos.
O fim no filme não é, portanto, uma explosão nuclear, mas sim o silêncio imposto pela falta de ar.
Como escreveu ainda outro poeta, T. S. Eliot: 
“É assim que acaba o mundo./ Não com um estrondo,/ mas com um suspiro.”

O que é um buraco de minhoca?
Enquanto há vida há esperança. E a esperança irrompe aqui, de um modo estranho, a meio de uma estante. No quarto de Murph surgem sinais, que enviam Cooper para uma secretíssima base da NASA, às ordens do professor Brand. Ao despedir-se comoventemente da filha, o pai não sabe que lhe está destinado o papel de salvador da humanidade. É enviado para Saturno a bordo de uma estação espacial, pois é lá que se encontra a entrada de um buraco de minhoca, isto é, um atalho ou túnel no espaço-tempo para um longínquo domínio interestelar.

E é do outro lado do buraco que vai partir à aventura para planetas para os quais tinham sido enviados pioneiros com o intuito de encontrar refúgio para a humanidade. O plano principal do professor consistia em domar a gravidade para enviar o que restasse da espécie humana a povoar as novas terras encontradas.

O que são buracos de minhoca?
Uma ideia dos físicos teóricos que exige uma prodigiosa distorção do espaço-tempo.
Segundo a teoria da relatividade geral de Albert Einstein, invocada repetidamente ao longo do filme, o espaço está ligado ao tempo (o espaço-tempo), a matéria à energia (a matéria-energia) e a matéria-energia comanda o espaço-tempo.

Matéria-energia muito densa pode contorcer o espaço-tempo para formar um tubo. O aproveitamento cinematográfico do conceito não é novo.
Já o astrofísico Carl Sagan o tinha feito em Contacto, livro que serviu de guião a um filme onde McConaughey entrou, tendo recorrido aos préstimos do seu colega Kip Thorne.
Thorne foi agora o consultor científico de Nolan. O aproveitamento das suas especulações era uma ideia que estava na carteira de Steven Spielberg, o realizador de Encontros Imediatos de Terceiro Grau e de AI, mas este cedeu-a a Nolan, o autor de Memento e de O Cavaleiro das Trevas.

O que há de real nos buracos de minhoca?
De facto, não se conhece nenhum.
Discute-se, porém, em artigos de física, a possibilidade de os construir, que exigiria não só matéria exótica que dobrasse o nosso espaço-tempo a quatro dimensões mas também possivelmente dimensões adicionais. Um físico companheiro de Cooper explica-lhe no filme com a ajuda de uma folha de papel: marca dois sítios, a entrada e a saída do buraco, e diz que eles ficam ligados se se dobrar a folha, isto é, permitindo outra dimensão. O tema das dimensões adicionais é corrente hoje na cosmologia e na física quântica, apesar de não haver provas da sua existência. A ideia agradou a Einstein por proporcionar a unificação das várias forças da natureza, o seu grande sonho que ainda não se materializou.
É nesse assunto que o professor Brand trabalha, no futuro onde o filme nos mergulha.


Para Carlos Fiolhais, professor de Física da Universidade de Coimbra, a base científica de Interstellar Movie "é em geral impecável".




Thanks to the recent blockbuster film, ‘Interstellar', one of the most accurate simulations ever of what a black hole looks like has been created.
This image combines over 800 terabytes of information collected by theoretical physicist Kip Thorne, renowned for his work in astrophysics and gravitational physics and incorporates his theories on how light may actually bend once it has crossed the event horizon of a black hole (now known as Kip Thorne Distortion).

The film's special effects team included Paul Franklin who worked with Thorne to incorporate his models of how black holes warp surrounding time and matter, using the processing power of their massive graphics renderers to put the data into visual perspective:

“We found that warping space around the black hole 
also warps the accretion disk… 
So rather than looking like Saturn’s rings around a black sphere, 
the light creates this extraordinary halo.” 

Paul Franklin

As you can see, this new black hole simulation strongly resembles and supports the model that Nassim Haramein developed starting well over a decade ago, a toroidal structure where information is passing BOTH WAYS across the event horizon in the only 2 directions that exist in the universe: in and out. Equal and opposite, as above, so below...

Nassim Haramein


quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Eu sou mais do que digo que sou



"Sempre a ver as coisas divididas entre o bem e o mal
Sem perceber que no equilíbrio está uma regra universal
Eu vou à bruxa para tentar descodificar
Aquilo que o destino a mim afinal me vai reservar

Mas há uma coisa no meio disto tudo que eu me estou a esquecer
Onde é que fica aquela parte em que vou reclamar o poder
Para mudar aquilo que está ao meu alcance fazer (mudar)
Mas se eu disser isto à bruxa ela não vai perceber

Porque eu...

Eu sou mais do que digo que sou
Eu continuo quando tudo acabou
Eu vou dizer para todo o mundo entender
Que o nosso destino é viver
Independentemente da forma que acontecer

E anda todo o mundo no modo de sobreviver
Só pensando em satisfazer o seu próprio prazer
E sempre à espera de atrair milhões sem dar um centavo
Mas onde o medo em ser livre provoca orgulho em ser escravo

E eu sempre a por as culpas todas para fora de mim
Não assumindo as responsabilidades até ao fim
Pelo menos aquelas que a mim me compete pagar
É que são precisos sempre dois para o tango dançar

Mas eu sou...

Eu sou mais do que digo que sou
Eu continuo quando tudo acabou
Eu vou dizer para todo o mundo entender
Que o nosso destino é viver
Independentemente da forma que acontecer

E o problema é a pessoa não escutar antes de falar
Antes ou depois é igual, o importante é olhar
para ti, pois veres-te reflectido
É um problema fodido
É que a certeza de encontrares um estranho do lado de lá
Faz com que o medo que tu sentes todo do lado de cá
Te paralise
E naquilo a que eu chamo um deslize
Mandas para o ar
A dizer que eu não posso, não devo e que não é bom passar!

E como podes tu dizer que eu não posso, não passo
Se eu digo posso se quiser e se quiser é o que eu faço
Pois ser genuíno para mim é negócio prefeito
Eu amo e vivo e tu a mim só me exiges respeito
Como se honrasses algo vivo que trouxesses no peito
Por isso eu corto a direito
Torno-me exímio no auto-respeito
E se o teu julgamento for o preço da verdade
Eu compro a liberdade
E tu, julga à vontade!"


Pedro Jeremias


https://www.facebook.com/video.php?v=883411831680147&set=vb.100000340145241&type=2&theater

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Não desejo um Bom Natal



"Não me venham com palavras de cristal, polidas, brilhantes, hipócritas...
Em salão de baile dançando valsas.
As palavras tem que ser como as balas, cortantes, certeiras, verdadeiras em campo de batalha.
Num mundo sujo, imundo, sem justiça, palavras de cristal são cintilantes copos de veneno.
Antes as balas que não mentem quando matam.
Por tudo isso,
Não desejo um Bom Natal A TODOS,
Não desejo um Bom Natal aos falsos e hipócritas.
Não desejo um Bom Natal aos canalhas.
Não desejo um Bom Natal aos traidores.
Não desejo um Bom Natal aos imbecis.
Não desejo um Bom Natal aos filhos da puta que amputam sonhos.
Não desejo um Bom Natal a essa gentinha que tudo destrói na vã tentativa de se erguer acima da merda em que chafurda.
Aos outros, DESEJO UM FELIZ NATAL TODOS OS DIAS."

Kim Tutatux

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

a Jigsaw - Have Yourself a Merry Little Christmas [Official Video]

...............relacionamentos conflituosos



"Ama sempre, mas não te permitas relacionamentos conflituosos,
sob a justificativa de que tens a missão de salvar o outro,
porque ninguém é capaz de tornar feliz
aquele que a si mesmo se recusa a alegria de ser pleno."

Joanna de Ângelis

O Bom do Abraço



Mas o melhor do abraço não é a ideia dos braços facilitarem o encontro dos corpos.
O melhor do abraço é a subtileza dele.
A mística dele.
A poesia.
O segredo de literalmente aproximar um coração do outro para conversarem no silêncio que dá descanso à palavra.
O silêncio onde tudo é dito sem que nenhuma letra precise se juntar a outra.
O melhor do abraço é o charme de fazer com que a eternidade caiba em segundos.
A mágica de possibilitar que duas pessoas visitem o céu no mesmo instante.

 | Ana Jácomo |

Fatos Rápidos #01: Gatos

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Bob Esponja




Bob Esponja (The SpongeBob Squarepants Movie)
2009

Direcção: Stephen Hillenburg


Após a coroa do Rei Neptuno ser roubada, Bob Esponja e seu melhor amigo Patrick partem numa viagem pela Fenda do Bikini para reencontrá-la.
No caminho eles precisam enfrentar monstros marinhos, vilões perigosos e vários bandidos.

Solstício de Inverno




Hoje é o dia mais longo do ano e a noite mais curta.

Astrologicamente temos vários planetas em Capricórnio:
Sol, Lua, Mercúrio, Vênus e Plutão,
sinalizando para a responsabilidade na forma de nos comunicarmos, de nos relacionarmos e de sairmos de relações que já não atendem a nossa essência.
Hora de dizer bye bye a pessoas, padrões e atitudes nocivas, sem medo, culpa ou ressentimentos.

Hora de assumirmos a responsabilidade por tudo que fazemos, dizemos e praticamos.
E já que o dia é maior que a noite, o universo nos presenteia com a possibilidade de vibrarmos mais na luz que na sombra, de nos conectarmos com a luz.
A chama não está presente na sombra, mas sua luminosidade mostra a sombra.
Somos, portanto, sombra e luz, mas podemos escolher qual caminho seguir.

Significativamente, em Astrologia Cabalística, temos a Lua Nova de Capricórnio acontecendo no primeiro momento de Chochmáh, exactamente quando a inspiração se torna consciente, naquele momento *eureka* quando temos o pensamento que inicia algo novo, que quebra paradigmas e que se faz claro acerca da urgência em ser concretizado.

Qual é seu *eureka* de hoje?
Qual sombra pretende iluminar?

Olhando sob o prisma das Constelações Sistêmicas, é o momento certo para reverenciarmos os antepassados, colocando todos dentro de nossos corações, sem julgamentos.
Se não fosse por eles não estaríamos aqui, não seríamos quem somos.
Agradeçamos a eles a vida que recebemos.
Sigamos nossos caminhos a partir do que recebemos de construtivo deles.

Como canta bem o Lulu Santos, "não haveria luz se não fosse a escuridão....não existiria som se não houvesse o silêncio....a vida é mesmo assim, dia e noite, não e sim"

Elizabeth Nakata




                                                 


Não existiria som
Se não houvesse o silêncio
Não haveria luz
Se não fosse a escuridão
A vida é mesmo assim,
Dia e noite, não e sim...
Cada voz que canta o amor não diz
Tudo o que quer dizer,
Tudo o que cala fala
Mais alto ao coração.
Silenciosamente eu te falo com paixão...
Eu te amo calado,
Como quem ouve uma sinfonia
De silêncios e de luz.
Nós somos medo e desejo,
Somos feitos de silêncio e som,
Tem certas coisas que eu não sei dizer...
A vida é mesmo assim,
Dia e noite, não e sim...
Cada voz que canta o amor não diz
Tudo o que quer dizer,
Tudo o que cala fala
Mais alto ao coração.
Silenciosamente eu te falo com paixão...
Eu te amo calado,
Como quem ouve uma sinfonia
De silêncios e de luz,
Nós somos medo e desejo,
Somos feitos de silêncio e som,
Tem certas coisas que eu não sei dizer...


Hoje foi mesmo assim!
Acordei com a certeza absoluta de que teria de sair de uma "amizade" que já não traz nada de bom à minha essência. Muito pelo contrário.
Chegou a hora de dizer adeus a pessoas, padrões e atitudes nocivas, sem medo, culpa ou ressentimentos.
Essa foi a parte mais difícil...


"Um Solstício é sempre um momento importante, um momento de transformação. Neste, o de Inverno, a noite mais longa acontece para que o Sol possa voltar a crescer e a trazer mais força e vida a cada um de nós. A partir deste momento, os dias começam a crescer, até ao Solstício de Verão, libertando-nos da noite e trazendo mais Luz. É preciso compreender que nos tempos mais duros, durante o Inverno, é quando a Luz mais cresce, quando os dias aumentam. É o mesmo que dizer que é na provação e na dificuldade que, aqui na Terra, encontramos os maiores progressos e subimos os maiores lances de degraus de evolução. É aceitando o desafio, a dor do crescimento, que podemos vivenciar a experiência da verdadeira entrega ao Divino.

Esta Lua Nova de Capricórnio, vem trazer a simbólica abertura da sementeira de um novo ciclo, reforçando ainda mais a necessidade de uma individualidade com propósito, pois sem ele é apenas vivido o ego e a soberba, aquilo que nos permite reconhecer a nossa centelha divina e a vivência de um propósito de alma único e especial.
Este processo tem de ser vivido interiormente, ou não estivessem a ocorrer em horários nocturnos e, portanto, trazendo-nos temas do nosso Eu, para que quando Saturno entrar em Sagitário possamos ser capaz de elevar a nossa Fé e sairmos definitivamente da sobrevivência.

O propósito de tudo isto é precisamente libertarmo-nos destes processos de sobrevivência, de estarmos basicamente ligados às máquinas do apego, do dinheiro, do vício, do medo, do ego, da falta de amor, da falta de amor-próprio, das dependências emocionais e tantas outras que tão bem conhecemos e vivemos no nosso dia-a-dia. Basta também olhar o mundo à nossa volta e iremos encontrar isso em muitos dos que nos rodeiam. Só dessa forma poderemos acreditar que dentro de cada um de nós está Deus, na verdadeira dimensão daquilo que é a Fonte, o Universo, o Todo. Só dessa forma poderemos deixar de sobreviver e passar a viver, plenos de quem somos, plenos da nossa individualidade e do propósito de sermos unos e únicos, com um propósito individual, mas também com um propósito colectivo.

Se soubermos fazer este processo, que basicamente passa por nos amarmos tão fortemente que arrancaremos com a maior das naturalidades todas as amarras que tentam não nos permitir avançar, então iremos abrir um novo ciclo em Amor, em Fé, em Entrega e em Esperança. Não há mais tempo para dúvidas, medos ou indecisões, agora é o tempo de avançar e criar, realmente, uma nova realidade."

Leonardo Mansinhos

Stonehenge e o Solstício de Inverno



O solstício de inverno é uma das mais antigas celebrações do mundo e atrai visitantes para a famosa Stonehenge há séculos.

O monumento histórico Stonehenge do Patrimônio Inglês todos os anos é aberto no dia do solstício, antes do nascer do sol, para a celebração do dia mais curto do ano.

A Stonehenge constituí-se no mais visitado e bem conhecido dos círculo de pedras britânico, e acredita-se que foi projetado para permitir a observação de fenómenos astronómicos, nomeadamente os solstícios do Verão e do Inverno, eclipses, e outros.

A comemoração pagã do solstício consiste em celebrar um “novo sol” e pode ser complementada por casamentos entre os pagãos e orações pela paz no mundo.

Em várias culturas ancestrais (há alguns milhares de anos atrás) à volta do globo terrestre, o solstício de inverno era festejado com comemorações que deram origem a vários costumes hoje relacionados com o Natal da religião cristã.

O solstício de inverno, o menor dia do ano, a partir de quando a duração do dia começa a crescer, simbolizava o início da vitória da luz sobre a escuridão. 
Festas pagãs das mitologias persa e hindu referenciavam as divindades de Mitra como um símbolo do “Sol Vencedor”, marcada pelo solstício de inverno.

A cultura do império romano incorporou a comemoração dessa divindade através do Sol Invictus.
Com o fortalecimento da religião cristã, a data em que se comemorava as festas pagãs do “Sol Vencedor” passaram referenciar o Natal através da comemoração do nascimento de Jesus Cristo, sem vínculos directos com as antigas festas pagãs.



Apesar de milhares de anos passados, muita gente ainda celebra os mesmos (ou similares) rituais pagãos com o intuito de manter vivas suas crenças e a história da humanidade.

A multidão se reune no local místico em Wiltshire para marcar o dia mais curto do ano, normalmente 21 de dezembro.
O solstício pode não cair sempre no dia 21 de dezembro porque o moderno calendário de 365 dias por ano não corresponde exactamente ao ano solar de 365,2422 dias.



Aproximadamente 1000 pessoas assistem ao solstício de inverno e celebram a vitória do sol sobre a escuridão.

Quem já viveu por alguns dias na Europa durante o inverno, compreende bem o desejo que fica nas pessoas para os dias serem mais longos. Chega a ser deprimente a falta de raios solares que domina o continente europeu na época mais fria do ano.

No Reino Unido, muitos dias no inverno apenas algumas horas do dia são iluminadas pelo sol. Sendo que o sol nasce completamente após as 10:00 am e o por do sol inicia-se por volta das 16:00 pm!
Ou seja, se o indivíduo sai para trabalhar num escritório as 8:00 e volta para casa as 18:00, corre o sério risco de passar algumas semanas sem ver a luz do sol…

Cave-digging artist finds inspiration underground




Um artista americano, cansado da rotina diária, resolveu fazer um retiro espiritual e morar numa caverna de arenito que descobriu no deserto no Novo México.
Os anos foram passando, 25 anos, e Ra Paulette , o artista, acabou por construir vários comodos e ambientes diferentes, sem ajuda nenhuma, apenas com a companhia do seu cachorro.

Depois de tantos anos o artista voltou a viver em sociedade, a sua caverna servirá como local de exposição e eventos artísticos.


                 

Beautifully crafted cave in New Mexico. The cave itself was created by Ra Paulette using nothing but a pickaxe, shovel, and wheelbarrow.
The ceramic tiles and glass were done by Shel Neymark.

Find out more about Shel Neymark at his site:
http://www.shelneymark.com/

Find out more about Ra Paulette, the Cavedigger, at his site:
http://www.racavedigger.com/racavedig...

Find out more about the Academy Award nominated documentary "Cavedigger" at:
http://cavediggerdocumentary.com/

A "Não-Ação" do Terapeuta



Um critério importante para o respeito é não querer curar nem salvar, atitude na qual encontramos grandes modelos. Mas é um bem comum da humanidade o compreender que a pessoa pode actuar através de sua mera presença, uma presença activa, sem intervir.
Trata-se de uma força concentrada que actua através da não acção, uma atitude que não tem nada a ver com o retirar-se.
A abstenção não aporta nada.
No “Tao Te King”, de Lao Tse, essa atitude está muito bem descrita.

Há uma observação curiosa nas terapias: se ao terapeuta ocorre o que poderia ajudar e ele se abstém de dizer, a idéia ocorrerá ao paciente. Às vezes é mais fácil encontrar uma solução se o terapeuta renuncia a ela. Tampouco está em suas mãos influir no que os pacientes fazem com o que ele diz. A qualidade que distingue uma boa terapia é a ausência de intenções e de fins por parte do terapeuta, isto significa que eu, até certo grau, renuncio a exercer uma influencia.

INTUIÇÃO, AMOR E RESPEITO

Distingo, rigorosamente, a percepção da observação.
A observação conduz a conhecimentos parciais unidos a uma perda da visão global. Se observo o comportamento de uma pessoa, vejo tão só detalhes e a pessoa me escapa. Se, ao contrario, me exponho à percepção, se me escapam os detalhes, imediatamente capto o essencial, o núcleo; tudo a serviço do outro.

A percepção de outra pessoa unicamente é possível se me abro a ela desinteressadamente e disponho a relacionar-me. Desta maneira se desenvolve um laço muito íntimo, acompanhado, apesar de tudo, do mais alto respeito e de uma certa distância. A condição prévia é que a pessoa seja apreciada como especial e que não se estabeleça nenhuma norma a que tenha que subordinar-se. Aqui não se trata de correto ou falso, mas sim de encontrar ajuda e soluções. Em minha imaginação tenho a liberdade de julgar, mas enquanto percebo o outro levando em conta seus interesses, esta liberdade deixa de existir.
A percepção, portanto, unicamente pode ser afetiva se se refere à soluções.
No que concerne aos diagnósticos, fracassa imediatamente, a não ser que os diagnósticos estejam inteiramente a serviço da solução. Toda intervenção que não se una às forças de desenvolvimento, por exemplo, fazendo suposições ou menosprezando a outros, tem um efeito contraproducente.

O curioso é que uma pessoa a quem comunico o percebido se transforma ante meus olhos. A percepção, portanto, é um processo criativo com um certo efeito. Tudo isso abriga mistérios que não compreendo, mas que podem ver e serem aproveitados.
Para a percepção o essencial é a realização de um acto e não a verdade.
Sempre se trata de saber “o que faço agora?” “o que é possível?”.
Isto é o que como terapeuta faço para o outro, ou seja, enquanto ele me relata algo, eu me pergunto “O que é adequado agora?”.
Dessa maneira estou em contacto com algo maior: não pretendo ajudar, senão que vejo todo o contexto de uma ordem.

Assim, é a intuição que actua, cheia de amor e respeito.


Bert Hellinger

Picasso



Once, Picasso was asked what his paintings meant. 
He said, “Do you ever know what the birds are singing? 
You don’t. 
But you listen to them anyway.” 
So, sometimes with art, it is important just to look.

...............a feiura da beleza


"Uma árvore em flor fica despida no Outono. 
A beleza transforma-se em feiura, 
a juventude em velhice 
e o erro em virtude. 
Nada fica sempre igual e nada existe realmente. 
Portanto, as aparências e o vazio existem simultaneamente"

Dalai Lama

domingo, 21 de dezembro de 2014

Lua Nova em Capricórnio...Solstício de Inverno



Lua Nova Minha Gente,
Em Pleno Solstício de Inverno
No grau 0 de capricórnio
FELIZ YULE!!!!!!

Partilho aqui o texto da Ruth Fairfield sobre o dia de hoje:

Ao mergulhar neste ciclo lunar nasceu em mim um profundo sentimento de compaixão por nós todos... HUMANIDADE...
O que andamos a fazer a nós?...
o que andamos a exigir e obrigar a SER?...
o que queremos provar que somos? ...
o que necessitamos de provar que somos?...
Que peso de obrigatoriedade carregamos?...

As nossas crianças interiores estão cansadas, fragilizadas, prisioneiras, de tantas obrigações, de tantos trabalhos esforçados de obrigação...
Os egos inflamados de pesos e pesos de corresponder ao que os adultos em nós querem que elas sejam...
As feridas que infligimos constantemente com a necessidade de manter uma farsa...
aquilo que temos que ser, que temos que manter como imagem que acreditamos que provar que somos...
A revolta que resulta de o mundo exterior não nos devolver a aprovação, a validação...
É uma farsa que tem um preço muito alto e as nossas crianças estão melindradas, essa máscara tem um preço muito alto...

Não nos permitimos ser quem somos, existe uma máscara , uma pele que esconde a nossa verdadeira essência, pois tem que ser mantida para alimentar as necessidades de corresponder à necessidade de sentirmos de nos sentirmos puros, imaculados, isentos de falhas de erros...
É duro este fardo e as nossas crianças estão muito debilitadas...
Isto é muito pesado e duro...

Este ciclo devolve-nos a grande oportunidade de sentirmos esta farsa, pois quem tem um peso tão alto de exigência de corresponder tem um preço muito alto a pagar...
É isso que queremos dar a Nós?...

Deveremos começar por reconhecer essa atitude interna, o que estamos a sentir, os condicionamentos mentais que depois vamos de uma forma irresponsável devolver a culpa ao exterior... só iniciando este despir interno consciente poderemos ter uma estrutura objectiva daquilo que é de nossa responsabilidade mudar, na nossa atitude com o exterior, com o mundo, com os que se relacionam connosco...

Ao longo de toda a vida, temos a oportunidade de denunciar os nossos medos, os nossos condicionamentos, as nossas limitações, as nossas inseguranças e dessa forma reestruturarmos a nossa identidade...
Só pela consciência de que afinal nos move internamente é que podemos denunciar o que temos cristalizado nos nossos sentidos de obrigação de ser e que cria os bloqueios emocionais que nos paralisam.

Este ciclo lunar devolve-nos o resgate da responsabilidade da consciência que temos de nós...
A necessidade de preservarmos uma imagem que acreditamos que os outros esperam de nós, que nada mais é do que o alimento inconsciente da necessidade de ser aceite, para estar seguro.

Desta forma deveremos enfrentar os nossos bloqueios emocionais, onde a mente cria as estruturas mentais que convencem o próprio a justificar a necessidade dura de SER algo que imaginamos que temos que SER...
Cuidemos de Nós com compaixão neste mergulho que estamos a ter oportunidade de fazer...

Ao sermos confrontados com a incapacidade de fugirmos à fragilização, poderemos usar a mente de duas formas: ou compreendermos de uma forma objectiva os nossos medos e inseguranças e a forma como nos dominam e condicionam, ou podemos compreender a oportunidade que estamos a ter de criarmos uma nova estrutura interna mais sólida, mais forte e não tão condicionada pelo exterior...

Não nos é possível fugir da experiência, poderemos dissecar mentalmente num processo de auto-exigência, onde é que está a falha, que falhou, quem é o culpado e desta forma não aproveitamos a oportunidade de crescer em consciência emocional e assumirmos a responsabilidade daquilo que só a nós compete, permitir sentir, responsabilizar, mudar a atitude emocional para connosco próprios e por fim mudar a acção...

Compaixão por Nós e dizer CHEGA...
Eu não quero viver neste colete de forças de obrigação de SER...
Só assim um dia seremos LIVRES...

Um profundo abraço em AMOR por mim, por Nós, por a Humanidade...

O pouco não me serve...



"O pouco não me serve;
o médio não me satisfaz;
metades nunca foram meu forte;
palavras até me conquistam temporariamente;
mas atitudes ou me prendem, ou me perdem para sempre."

Clarice Lispector

Achas que é difícil realizares todos os teus sonhos?



"O que tu pensas ninguém sabe, o que tu sentes ninguém descobre.
Os teus planos e pensamentos para o futuro são os mais diferentes possíveis e imaginários.
Não sonhas com luxúria e avareza.
Tu sonhas muito além disso, sonhas com a tua liberdade, a tua felicidade, sonhas com um mundo melhor para ti e para os que te rodeiam.
Queres viver à tua maneira, como ninguém vive.
Não queres viver sempre na mesma casa, nos mesmos vícios, na mesma vida rotineira, não queres ter um trabalho em que a máquina faz tudo por ti, e não queres crescer para viver a reclamar da vida, eu sei!
Reclamamos da vida porque não temos coragem para mudá-la, se tivéssemos..
Não reclamaríamos assim.
Mas, falar é fácil, difícil é fazer!
Mas tem calma.

Achas que é difícil realizares todos os teus sonhos?
Talvez, não vou negar. E então?
Vais deixar-te abater logo à primeira?
Acredita que aqueles que julgamos felizes, enfrentaram pessoas, medos e obstáculos para conquistar a felicidade.

Eu...
Eu não vou desistir de nada, de ninguém, dos meus sonhos, dos meus planos, mas.. principalmente, da minha felicidade!
E tu, vai desistir de tudo logo ao primeiro obstáculo que te apareça, ou vais ganhar coragem para seguir em frente?
Como alguém um dia disse:
" As horas que precedem a vitória são com frequência as mais difíceis "
Ela pode tardar, mas chega, acredita sempre!

Eu bem a vejo.. está lá.. ao fundo do túnel."

A força dos meus sonhos



A força dos meus sonhos é tão forte, 
que de tudo renasce a exaltação. 
E nunca as minhas mãos ficam vazias. 

Sophia de Mello Breyner Andresen

sábado, 20 de dezembro de 2014

Onde está Deus, mesmo que não exista?



"ONDE ESTÁ DEUS, MESMO QUE NÃO EXISTA?

Quero rezar e chorar, arrepender-me de crimes que não cometi, gozar se perdoado como uma carícia não propriamente materna.
Um regaço para chorar, mas um regaço enorme, sem forma, espaçoso como uma noite de verão, e contudo próximo, quente, feminino, ao pé de uma lareira qualquer...Poder ali chorar cousas impensáveis, falências que nem sei quais são, ternuras de coisas inexistentes, e grandes dúvidas arrepiadas de não sei que futuro.
(...)
Um colo ou um berço ou um braço quente em torno ao meu pescoço...Uma voz que canta baixo e parece querer fazer-me chorar....Um ruído de lume na lareira...Um calor de inverno...Um extravio morno da minha consciência...E depois sem som, um sonho calmo num espaço enorme, como lua rodando entre estrelas.
(...)
Ergo os olhos e vejo as estrelas que não têm sentido nenhum...E de tudo isto fico apenas eu, uma pobre criança abandonada, que nenhum Amor quis para seu filho adoptivo, nem nenhuma amizade para seu companheiro de brinquedos.
Tenho frio de mais. Estou tão cansado no meu abandono. Vai buscar ó Vento, a minha Mãe. Leva-me na noite para a casa que não conheci...torna a dar-me ó Silêncio, a minha ama e o meu berço e a minha canção com que eu dormi."

FERNANDO PESSOA