segunda-feira, 28 de abril de 2014

Não se pode ter muitos amigos...


"Não se pode ter muitos amigos. 
Mesmo que se queira, mesmo que se conheçam pessoas de quem apetece ser amiga, não se pode ter muitos amigos. Ou melhor: nunca se pode ser bom amigo de muitas pessoas. Ou melhor: amigo.
A preocupação da alma e a ocupação do espaço, o tempo que se pode passar e a atenção que se pode dar — todas estas coisas são finitas e têm de ser partilhadas.
Não chegam para mais de um, dois, três, quatro, cinco amigos. 
É preciso saber partilhar o que temos com eles e não se pode dividir uma coisa já de si pequena (nós) por muitas pessoas.

Os amigos, como acontece com os amantes, também têm de ser escolhidos. 
Pode custar-nos não ter tempo nem vida para se ser amigo de alguém de quem se gosta, mas esse é um dos custos da amizade.
O que é bom sai caro.
A tendência automática é para ter um máximo de amigos ou mesmo ser amigo de toda a gente.
Trata-se de uma espécie de promiscuidade, para não dizer a pior.
Não se pode ser amigo de todas as pessoas de que se gosta. 
Às vezes, para se ser amigo de alguém, chega a ser preciso ser-se inimigo de quem se gosta.
Em Portugal, a amizade leva-se a sério e pratica-se bem. É uma coisa à qual se dedica tempo, nervosismo, exaltação.
A amizade é vista, e é verdade, como o único sentimento indispensável. No entanto, existe uma mentalidade Speedy González, toda «Hey gringo, my friend», que vê em cada ser humano um «amigo». Todos conhecemos o género — é o «gajo porreiro», que se «dá bem com toda a gente».
E o «amigalhaço». E tem, naturalmente, dezenas de amigos e de amigas, centenas de amiguinhos, camaradas, compinchas, cúmplices, correligionários, colegas e outras coisas começadas por c.

Os amigalhaços são mais detestáveis que os piores inimigos. 
Os nossos inimigos, ao menos, não nos traem. 
Odeiam-nos lealmente. 
Mas um amigalhaço, que é amigo de muitos pares de inimigos e passa o tempo a tentar conciliar posições e personalidades irreconciliáveis, é sempre um traidor.
Para mais, pífio e arrependido.
Para se ser um bom amigo, têm de herdar-se, de coração inteiro, os amigos e os inimigos da outra pessoa. 
E fácil estar sempre do lado de quem se julga ter razão.
O que distingue um amigo verdadeiro é ser capaz de estar ao nosso lado quando nós não temos razão.
O amigalhaço, em contrapartida, é o modelo mais mole e vira-casacas da moderação.
Diz: «Eu sou muito amigo dele, mas tenho de reconhecer que ele é um sacana.»
Como se pode ser amigo de um sacana?
Os amigos são, por definição, as melhores pessoas do mundo, as mais interessantes e as mais geniais. Os amigos não podem ser maus.
A lealdade é a qualidade mais importante de uma amizade. 
E claro que é difícil ser inteiramente leal, mas tem de se ser."

Miguel Esteves Cardoso
in, "Os Meus Problemas"

Numa vida passada...


5) O senhor poderia falar um pouco mais sobre as reencarnações de Buda?

Monge Genshô – Lembrem-se que no budismo não usamos a palavra reencarnação. Eu prefiro as “manifestações do carma” que formaram Buda.
Temos muitas histórias, muitas delas infantis, bem como alguns sutras que narram as vidas passadas de Buda.
Vidas passadas é uma explicação fácil, na verdade cada vida dessas teve um “eu” que nasceu, morreu e esqueceu, permanecendo apenas uma onda de impulsos e desejos. Uma onda cármica com uma personalidade que se manifesta em um novo corpo que ele mesmo, na sua condição histórica, no país e família diz para si mesmo: “eu sou”. É uma vida passada, mas não é o mesmo “eu”.

Numa vida passada eu era uma pessoa muito agressiva.
Me lembro bem de uma ocasião em que peguei dois homens bêbados que entraram no escritório que eu trabalhava insultaram uma funcionária e os joguei escada abaixo, nessa época eu praticava karatê.
Me lembro também de ter chutado a porta de um carro porque o motorista não parou para eu passar na faixa de pedestre.
Nessa actual vida passada, meu nome era Petrucio Chalegre.
Passados alguns anos de prática do Zen, recebi o nome de Genshô e nessa nova vida e personalidade é inimaginável que eu chute portas de carros ou jogue pessoas escada abaixo.
Agradeço essa oportunidade de, numa mesma vida, mudar de nome e personalidade.
Somos capazes de mudar nossas vidas e dessa forma mudar nosso carma.

6) Dá para dizer então que nas manifestações anteriores de Buda ele tenha sido um bodhisattva?

Monge Genshô – Em alguns sutras ele diz, “Em uma vida passada quando eu ainda era um bodhisattva...”.
A prostração que fazemos ao colocarmos as mãos com as palmas voltadas para cima ao lado do rosto é uma alusão à uma história de Buda.
Conta-se que numa vida passada havia um buda chamado “Buda Dipankara” e este vinha caminhando quando se deparou com uma poça de lama, um jovem então agachou-se e encostou a testa no chão elevando suas mãos com as palmas voltadas para cima ao lado do rosto para que o Buda pudesse apoiar-se nele e atravessar a poça.
O Buda Dipankara voltou-se para o jovem e disse:
“Daqui a quinhentas vidas você será um buda”.
Esse jovem era Sidharta Gautama.
Essa é a lenda da prostração e quando a fazemos, é para que Buda caminhe sobre nós para ajudar os outros seres, somos pontes para os passos de Buda.
É interessante a ligação entre todos os conceitos das religiões, por exemplo, o Papa Católico é chamado Pontífice, que significa construtor de pontes. No caso deles, construir pontes entre os homens e a divindade.




Finalmente entendi esta questão da não reencarnação no Budismo.
Nomes diferentes para a mesma coisa.


Armadilhas do Ego


Se você acha que é mais “espiritual” andar de bicicleta ou usar transporte público para se locomover, tudo bem, mas se você julgar qualquer outra pessoa que dirige um carro, então você está preso em uma armadilha do ego.

Se você acha que é mais “espiritual” não ver televisão porque mexe com o seu cérebro, tudo bem, mas se julgar aqueles que ainda assistem, então você está preso em uma armadilha do ego.

Se você acha que é mais “espiritual” evitar saber de fofocas ou noticias da mídia , mas se encontra julgando aqueles que leem essas coisas, então você está preso em uma armadilha do ego.

Se você acha que é mais “espiritual” fazer Yoga, se tornar vegano, comprar só comidas orgânicas, comprar cristais, praticar reiki, meditar, usar roupas “hippies”, visitar templos e ler livros sobre iluminação espiritual, mas julgar qualquer pessoa que não faça isso, então você está preso em uma armadilha do ego.

Sempre esteja consciente ao se sentir superior.
A noção de que você é superior é a maior indicação de que você está em uma armadilha egóica.

O ego adora entrar pela porta de trás. Ele vai pegar uma ideia nobre, como começar yoga e, então, distorce-la para servir ao seu objetivo ao fazer você se sentir superior aos outros; você começará a menosprezar aqueles que não estão seguindo o seu “caminho espiritual certo”.

Superioridade, julgamento e condenação.
Essas são armadilhas do ego.

Mooji


O erro está em confundir amor, desejo e necessidade....



"A dualidade sendo a causa da sexualidade - portanto a afinidade entre os complementos - é a causa do desejo que os homens chamam amor.
O erro está em confundir amor, desejo e necessidade....
Fora dessas excitações sexuais produzidas pelas estações da vida humana e da Natureza, cada indivíduo é o joguete dos seus instintos particulares, que o fazem reagir sexualmente a certos gestos ou circunstâncias que lhes correspondem.
Estas características instintivas, inscritas no fígado, encontram a sua reacção no sexo e no cérebro, e estes que estão sempre ligados, dão-se mutuamente desculpas para explicar e satisfazer o desejo que daí resulta..."

IN, A ABERTURA DO CAMINHO 
Isha Schwaller de Lubicz

sábado, 26 de abril de 2014

Crazy Mary - Pearl Jam

"Guerra Suja" na Argentina...e o Papa Francisco



QUEM É JORGE MARIO BERGOGLIO?

Em 1973 ele foi nomeado o “provincial” da Argentina para a Companhia dos Jesuitas.

Neste cargo, Bergoglio foi o mais alto dignitário da Ordem Jesuíta da Argentina durante a ditadura militar liderada pelo General Jorge Videla (1976-1983).

Mais tarde ele foi nomeado bispo e depois arcebispo de Buenos Aires.
O Papa João Paulo II consagrou-o Cardeal em 2001.

Quando a junta militar abandonou o poder em 1983, o devidamente eleito presidente Raúl Alfonsin abriu um inquérito, a Comissão da Verdade, para investigar os crimes relacionados com o que ficou conhecido como a Guerra Suja – “La Guerra Sucia”.

“Operação Condor”

Um grande julgamento foi ironicamente aberto em 5 de Março 2013, uma semana antes da investidura do Cardeal Bergoglio como Pontífice. O processo sendo desenvolvido em Buenos Aires tem em vista:

“Uma avaliação da totalidade dos crimes cometidos sob a alçada da Operação Condor, uma campanha coordenada por vários ditadores da América Latina, apoiados pelos Estados Unidos nos anos de 1970 e 1980, para caçar, torturar e matar dezenas de milhares de opositores desses regimes militares”

Para mais detalhes veja «Operation Condor: Trial On Latin American Rendition and Assassination Program» de Carlos Osorio e Peter Kornbluh, 10 de Março de 2013.

A junta militar liderada pelo General Jorge Videla (na foto à esquerda), foi responsável por incontáveis assassinatos, incluindo assassinatos de sacerdotes e freiras que se opuseram ao domínio militar que acompanhou o golpe patrocinado pela CIA, golpe esse que derrubou o governo de Isabel Péron, em 24 de Março de 1976.

“Videla estava entre os generais que foram condenados por crimes contra os direitos humanos, crimes esses que incluíam “desaparecimentos”, tortura, assassinatos e sequestros. Em 1985, Videla foi sentenciado a prisão perpétua, na prisão militar de Magdalena.

Wall Street e a Hierarquia da Igreja Católica

A Wall Street esteve apoiou solidamente a junta militar que se empenhava na “Guerra Suja” em benefício da mesma, contando sempre com a participação da hierarquia da Igreja Católica que teve um papel central e importante de manter a legitimidade da junta militar.

A Ordem dos Jesuítas – que representava a mais influente facção da Igreja Católica - estava intimamente associada com a elite económica da Argentina, e isso contra os chamados “de esquerda” do movimento Peronista.

“A Guerra Suja”: Alegações dirigidas contra o Cardeal Jorge Mario Bergoglio (actual Papa Francisco)

Em 2005, a advogada de direitos humanos Myriam Bregman entrou com um processo judicial contra o Cardeal Jorge Bergoglio (actual Papa Francisco I), acusando-o de conspirar com a junta militar quando do sequestro de dois padres jesuítas em 1976.

Alguns anos mais tarde, os sobreviventes da “Guerra Suja” acusaram abertamente o Cardeal Jorge Bergoglio de cumplicidade nos sequestros dos padres Francisco Jalics e Orlando Yorio, assim como nos sequestros de seis membros das suas paróquias, (El Mundo, 8 de Novembro de 2010)

Bergoglio, que na época era o “provincial” da Companhia dos Jesuitas, tinha dado ordens para que os dois padres, jesuitas, “de esquerda”, e opositores do governo militar, “deixassem os seus trabalhos paroquiais” demitindo-os, acompanhando divisões na Companhia dos Jesuitas quanto ao papel da Igreja Católica em relação à junta militar.

Enquanto os dois padres – Francisco Jalics e Orlando Yorio – sequestrados pelos esquadrões da morte em Maio de 1976 foram soltos cinco meses mais tarde depois de terem sido torturados; outras seis pessoas relacionadas à paróquia, pessoas essas que também tinham sido sequestradas na mesma operação, foram dadas como “desaparecidas”. Esses sequestrados desaparecidos eram quatro professores e dois dos maridos de duas das professoras do grupo dos seis.

Quando da sua libertação, o padre Orlando Yorio acusou Bergoglio de efectivamente os ter entregue [incluindo as seis outras pessoas] aos esquadrões da morte… Jalics recusou-se a discutir sobre a acusação depois de ter entrado em reclusão num mosteiro alemão.” (Associated Press, 13 de Março de 2013, ênfases acrescentadas).

“Durante o primeiro julgamento da junta militar em 1985, Yorio declarou: “Eu tenho a certeza de que ele mesmo deu uma lista com os nossos nomes à Marinha.” Os dois padres tinham sido levados para o centro de tortura da Escola de Mecânica da Marinha (ESMA na sigla inglesa) e mantidos lá por cinco meses antes de serem arrastados e jogados numa cidade dos subúrbios. (Veja Bill van Auken, «The Dirty War Pope», World Socialist Website e Global Research, 14 de Março de 2013)

Entre aqueles “desaparecidos” pelos esquadrões da morte estavam Mónica Candelaria Mignone e María Marta Vásquez Ocampo. Mónica Mignone era filha do fundador do Centro de Estudos Legais e Sociais (CELS) e María Marta Ocampo era filha da presidente das Madres de Plaza de Mayo, Martha Ocampo de Vásquez (El Periodista Online, Março de 2013).

María Marta Vásquez, o seu marido César Lugones e Mónica Candelaria Mignone alegadamente “entregues aos esquadrões da morte” pelo provincial” jesuita Jorge Mario Bergoglio, estão entre os milhares de “desaparecidos da “Guerra Suja” da Argentina, a qual foi encobertamente apoiada por Washington, sob a “Operação Condor”. (Veja memorialmagro.com.ar)

No decorrer do julgamento iniciado em 2005:

“Bergoglio (Papa Francisco I) por duas vezes invocou o seu direito sob a lei argentina de poder recusar-se a se apresentar num tribunal público, e quando finalmente testemunhou em 2010, as suas respostas foram evasivas”.
“Pelo menos dois casos envolviam Bergoglio diretamente.
Um examinava a tortura de dois dos seus padres jesuitas – Orlando Yorio e Francisco Jalics – que tinham sido sequestrados em 1976 em bairros pobres onde defendiam a teologia da libertação.
Yorio acusou Bergoglio de efectivamente os ter entregue aos esquadrões da morte (…) quando se recusou a declarar ao regime que ele endossava o trabalho desses dois seus padres.
Jalics recusou-se a comentar o caso depois de se ter retirado para um mosteiro alemão.” (Los Angeles Times, 1 de Abril de 2005)

As acusações dirigidas contra Bergoglio em relação aos dois padres jesuitas e aos seis membros das mesmas paróquias, seriam somente a ponta do icebergue. Conquanto Bergoglio fosse uma pessoa importante da Igreja Católica, ele não seria o único a apoiar a junta militar.

De acordo com a advogada Myriam Bregman:
“As próprias declarações de Bergoglio provam que representantes oficiais da Igreja sabiam-no logo desde o inicio das torturas e matanças por parte da junta” e ainda assim endossaram publicamente os ditadores. “A ditadura não poderia ter agido dessa maneira sem esse apoio chave,” (Los Angeles Times, 1 de Abril de 2005)

Toda a hierarquia católica estava a apoiar a ditadura militar patrocinada pelos Estados Unidos.
Vale a pena recordar quem em 23 de Março de 1976, na véspera do golpe militar:

“Videla e outros conspiradores receberam a benção do arcebispo do Paraná, Adolfo Tortolo, que também serviu como vigário das forças armadas. No próprio dia da tomada do poder, os líderes militares tiveram um longo encontro com os líderes da conferência dos bispos. Quando saiu dessa conferência, o arcebispo Tortolo declarou que mesmo que “a Igreja tenha a sua própria missão específica (…) há circunstâncias nas quais não pode deixar de participar, mesmo quando isso se relacione a problemas da ordem específica do estado.” Ele fez mesmo pressão moral para que os argentinos “cooperassem duma maneira positiva” com o novo governo.” (The Humanist.org, Janeiro de 2011)

Numa entrevista conduzida pelo El Sur, o General Jorge Videla, que agora está a cumprir uma pena de prisão perpétua, por causa dos seus crimes contra a humanidade confirmou que:

“Ele tinha mantido a hierarquia católica do país informada quanto a “fazer desaparecer” opositores políticos, e que os líderes católicos tinham oferecido conselhos de como “conduzir” a política de desaparecimentos.”

Jorge Videla afirmou que tinha mantido “muitas conversas” com o Cardeal Raúl Francisco Primatesta, da Argentina, a respeito da guerra suja do governo contra os activistas de esquerda.
Afirmou também terem existido conversações com outros bispos líderes da conferência episcopal na Argentina, assim como com o núncio papal do país na época, Pio Laghi. “Eles aconselharam-nos a respeito da maneira de como lidar com a situação,” disse Videla”(Tom Henningan, «Former Argentinian dictator says he told Catholic Church of disappeared», Irish Times, 24 de Julho de 2012)

É de valor observar-se, que de acordo com uma declaração do arcebispo Adolfo Tortolo, os militares deveriam sempre aconselhar-se com algum membro da alta hierarquia católica no caso de “prisão” de algum membro das alas mais baixas da hierarquia do clero. Essa declaração foi feita especialmente em relação aos dois padres jesuitas sequestrados, dos quais as atividades pastorais estavam abaixo da autoridade do “provincial” da Companhia Jesuita, Jorge Mario Bergoglio [atual papa Francisco]. (El Periodista Online, Março de 2013).

Endossando a junta militar, a hierarquia católica foi cúmplice de tortura e de assassinatos em massa, num número estimado de “22.000 mortos e desaparecidos, de 1976 a 1978. (…) milhares de outras vítimas foram mortas entre 1978 e 1983, quando os militares foram forçados a deixar o poder.” (Arquivo da Segurança Nacional, 23 de Março de 2006).

O papel do Vaticano

O Vaticano abaixo da direcção do Papa Paulo VI e do Papa João Paulo II fez um papel central em apoiando a junta militar argentina.

Pio Langhi, o Núncio Apostólico do Vaticano na Argentina admitiu o conhecimento a respeito de tortura e massacres.

Langhi tinha contactos pessoais com membros da direcção da junta militar incluindo o General Videla e o Almirante Emilio Eduardo Massera.

O Almirante Emilio Massera, em próximo contacto com seus dirigentes americanos, foi o mentor “da Guerra Suja”.

Abaixo dos auspícios do regime militar ele estabeleceu:

“Um centro de interrogatório e tortura na Escola Naval de Mecânica – Naval School of Mechanics, ESMA [perto de Buenos Aires], (…) era um estabelecimento sofisticado, para muitos fins, vital ao plano militar de assassinar cerca de 30.000 “inimigos do estado”. (…) Muitos milhares dos prisioneiros da ESMA, incluindo, por exemplo, duas freiras francesas, foram de maneira rotineira torturados brutalmente sem misericórdia, antes de serem assassinados ou jogados de algum avião no Rio de la Plata.

Massera, o membro mais vigoroso do triunvirato, fez o seu melhor para manter seus elos com Washington. Ele participou no desenvolvimento do Plano Condor, que era um plano de colaboração para coordenar o terrorismo sendo praticado pelos regimes militares sul-americanos. (Hugh O´ Shaughnessy, «Amiral Emilio Massera: Naval officer who took part in the 1976 coup in Argentina and was later jailed for his part in the junta’s crimes», The Independent, 10 de Novembro de 2010)

Relatórios confirmam que o representante do Vaticano Pio Laghi e Amiral Emilio Massera eram amigos.

A Igreja Católica: Chile vs Argentina

Tem valor por si mesmo o notar-se que nas águas do golpe militar no Chile, em 11 de Setembro de 1973, o Cardeal de São Tiago do Chile, Raul Silva Henriquez, tinha condenado abertamente a junta militar liderada pelo General Augusto Pinochet.
Em forte contraste com a Argentina, a posição da hierarquia católica no Chile foi eficaz em pôr freio às ondas de assassinatos políticos, assim como conter a extensão das violações dos direitos humanos cometidas contra os apoiantes de Salvador Allende e os oponentes do regime militar.

O homem atrás do ecuménico, e não-partidário, Comité Pro-Paz era o Cardeal Raúl Silva Henríquez.

Logo depois do golpe, Silva (…) tomou o papel de “actor upstander”, sendo esse um termo em inglês que a autora e activista Samantha Power criou para distinguir pessoas que se levantavam contra a injustiça – muitas vezes a custo de grandes riscos pessoais – dos que denominava então, de “espectadores”.

(…) Logo após o golpe, Silva e outros líderes da igreja do Chile publicaram uma declaração condenando as acções dos golpistas e exprimindo dor e desgosto pelo derramamento de sangue. Esse foi um ponto fundamental de reversão para muitos membros do clero chileno (…) O Cardeal Raul Silva Henriquez visitou o Estádio Nacional, e escandalizado pela escala da violência desintegradora, instruiu os seus auxiliares a começarem a documentar os acontecimentos reunindo informação das milhares de pessoas que se voltavam para as igrejas, para refúgio.

As acções do Cardeal Silva levaram-no a um conflito aberto com Pinochet, que não hesitou em ameaçar a Igreja e o Comité Pro-Paz. («Taking a Stand Against Pinochet: The Catholic Church and the Disappeared» – pdf)

Jorge Mario Bergoglio não era, nas palavras de Samantha Powers um espectador passivo. 
Foi cúmplice em crimes contra a humanidade, crimes esses que foram muito abrangentes.

O Papa Francisco I não é “um homem do povo” comprometido a “ajudar os pobres” nas pegadas de São Francisco de Assis, como retratado em coro pelo mantra da imprensa ocidental. 
Muito pelo contrário: os seus esforços durante a junta militar, atacando consistentemente membros progressivos do clero católico, assim como activistas empenhados em salvaguardar os direitos humanos, activistas esses envolvidos em implementar programas contra a grande miséria e pobreza.

Ao apoiar a “Guerra Suja” argentina, José Mario Bergoglio (papa Francisco) violou abertamente os próprios dogmas e doutrinas da moralidade cristã.

O QUE É O VATICANO

A instituição que o (José Mario Bergoglio – Papa Francisco) representa o pior e mais perigoso lugar para qualquer pai ou mãe consciente permitir a seus filhos frequentar e quem está falando aqui não é um ateu. Há mais de 2000 anos esta instituicão e seus representantes estão sequestrando, torturando, abusando sexualmente de criancas e matando. O vaticano possui a maior reserva de ouro do mundo, possuem uma quantidade de imóveis incalculável, o banco do vaticano especula nas bolsas do mundo inteiro, fazem investimentos em empresas de tabaco, bebidas e armas, são acusados de acobertar casos de pedofilia em diversos países, cúmplices do nazismo e fascismo, entre outras milhares de acusações e falcatruas ao longo da história. Na igreja católica não tem santos. Por trás de cada santo tem uma história suja e como pais amorosos, por favor, leiam mais e procurem informações.

Fonte: http://paradigmatrix.net/?p=8826

http://paradigmatrix.net/?p=8826#sthash.JhFJesKs.dpufVATICANO

Banco católico pede desculpas por investir em armas, cigarros e pílulas…

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/08/090803_banco_acoes_dg.shtml
.
ONU quer ter acesso ao que o Vaticano sabe sobre pedofilia…
http://www.publico.pt/mundo/noticia/onu-quer-ter-acesso–ao-que-o-vaticano-sabe-sobre-pedofilia-1599883
.
Igreja Católica apoiou o Nazismo e o Fascismo…
http://telacrente.org/2010/03/25/igreja-catolica-e-o-nazismo-facismo/
.
As 13 máquinas de tortura mais terríveis da História…
http://super.abril.com.br/blogs/historia-sem-fim/as-13-maquinas-de-tortura-mais-terriveis-da-historia/
.
A IGREJA CATÓLICA ROMANA TEM AS MAIORES RESERVAS DE OURO DO MUNDO…
http://pt.apocalisselaica.net/focus/la-piovra-cattolica/la-chiesa-cattolica-romana-ha-la-riserva-di-oro-piu-grande-al-mondo
.
Vaticano é dono oculto de imóveis caros em Londres…
http://www1.folha.uol.com.br/mundo/1218976-vaticano-e-dono-oculto-de-imoveis-caros-em-londres.shtml
.
Reino Unido, França e Suiça : Imóveis da Igreja Católica valem cerca de 2 bilhões de reais, diz o The Guardian…
http://betobertagna.com/2013/01/24/imoveis-da-igreja-catolica-na-europa-valem-cerca-de-2-bilhoes-de-reais-diz-o-the-guardian/

Apelo do Dr. Rath às pessoas da Alemanha, da Europa e de todo mundo, Ber...

Papa Bento XVI


Toos Nijenhuis da Holanda confirma ritual de sacrifício de crianças pelo papa Bento XVI na Assessoria da Mídia Global do Tribunal Internacional para Crimes da Igreja e do Estado (ITCCS) em sua Direcção Central, em Bruxelas.

“Eu vi Joseph Ratzinger assassinar uma menina”:  confirma testemunha de um ritual de sacrifício ocorrido em 1987,
Toos Nijenhuis da Holanda

Nova prova de culpa do Vaticano leva políticos italianos  a enfrentar o Papa Francisco no próximo processo judicial da Lei Comum anunciada – O Papado revida fazendo ataques contra o ITCCS.

A Breaking News Resume:

Segunda-feira, 28 de outubro, 2013

O processo criminal de outro Papa se aproximou da realidade este mês quando políticos italianos concordaram em trabalhar com as ITCCS numa acção judicial de direito comum contra o papado […]

O acordo veio depois que uma nova testemunha confirmou o envolvimento de Ratzinger num ritual de sacrifício de crianças na Holanda, em Agosto de 1987.

“Eu vi Joseph Ratzinger assassinar uma menina num castelo francês, no outono de 1987″, afirmou a testemunha, que foi uma participante regular na tortura e ritual de culto e assassinato de crianças.

“Era feio e horrível, e isso não aconteceu apenas uma vez. 
Ratzinger muitas vezes participou. 
Ele e o cardeal católico holandês Alfrink e o fundador Bilderberger, assim como o  Príncipe Bernhard, foram alguns dos homens mais proeminentes que participaram.”

Esta nova testemunha confirma o relato de Toos Nijenhuis, uma mulher holandesa que veio a público em 08 de maio como testemunha ocular de crimes semelhantes envolvendo Ratzinger, Alfrink e Bernhard. (Ver: http://youtu.be/-A1o1Egi20c )

Logo após a sua demissão histórica do cargo de papa em 11 de fevereiro, Joseph Ratzinger foi condenado por crimes contra a humanidade em 25 de fevereiro de 2013 pelo Tribunal de justica em Direito Comum Internacional e por cidadãos globais com sede em Bruxelas que emitiram um mandado de prisão contra ele. Desde então, ele tem fugido e evitado ser preso dentro da cidade do vaticano sob um decreto do actual Papa Francisco.

O surgimento desta nova evidência da cumplicidade do vaticano no assassinato de crianças levou um grupo de políticos italianos a concordar em trabalhar com as ITCCS para enfrentar o papado com a lei da Corte da Justica Comum contra o actual Papa Francisco, Jorge Bergoglio, por acolher e esconder Ratzinger e pela sua própria cumplicidade em crimes de guerra. Os políticos tem estado em negociações a portas fechadas com representantes ITCCS desde 22 de setembro.

“Nós estamos fazer uma revisão e não abolir Tratado de Latrão do nosso país com o Vaticano, cujas acções em abrigar estupradores de crianças certamente atendem à definição de uma organização criminosa transnacional no âmbito do direito internacional”, afirmou um porta-voz de um dos políticos.

Em resposta, durante a mesma semana de 7 de outubro, quando essas novas alegações vieram à tona, o Vaticano iniciou uma série de ataques contra grupos ITCCS na Europa envolvidos em documentar o envolvimento da Igreja no ritual de culto assassinato.

Agentes pagos sabotaram o trabalho do ITCCS na Holanda e na Irlanda, durante essa semana, e em 14 de outubro, o site principal ITCCS foi destruído pelos mesmos sabotadores.

Fontes políticas em Roma, revelaram que esses ataques foram pagos e coordenados pelo Escritório da agência de espionagem do Vaticano conhecida como a “Santa Aliança” ou a entidade e seus filiados, o Sodalício Pianum, fundada em Roma, em 1913. Eles também envolveram os agentes do Núncio Apostólico da Holanda, o arcebispo André Dupuy, que fez o contacto directo com dois dos sabotadores “, Mel e Richard Ve”, e com o arcebispo de Dublin, Diarmuid Martin, que também pagou suborno para atrapalhar e impedir ITCCS de trabalhar na Irlanda.

“Obviously the Vatican is panicking. This is a good sign” commented ITCCS Field Secretary Kevin Annett today from New York City.

“Obviamente, o Vaticano está em pânico. Isso é um bom sinal “, comentou o Secretário de Campo do ITCCS Kevin Annett hoje de Nova Iorque.

“A maré política mudou contra a igreja, não é mais possível se esconder dos assassinos de crianças atrás do Tratado de Latrão. E, em sua agonia, a hierarquia da Igreja está usando seus métodos usuais de mentiras e desinformação tentando mudar o foco de sua própria culpa criminal.”

Em resposta a essa descoberta e os renovados ataques a seu trabalho, a Direcção Central ITCCS em Bruxelas fez hoje o seguinte anúncio para mídia mundial e de suas afiliadas nos vinte e seis países:

1. No mês de Novembro, a nossa rede vai convocar uma conferência de imprensa mundial em Roma, com políticos italianos e anunciar uma nova fase de nossa campanha para desestabilizar o poder secular do Vaticano. Esta campanha irá incluir o lançamento de uma nova ação judicial de direito comum contra o actual Papa Francisco e seus agentes por cumplicidade em crimes contra a humanidade e participação em rituais, em cultos e assassinatos.

2. Para salvaguardar esses esforços, o nosso Web site principal em www.itccs.org foi restaurado e protegido com novos recursos de segurança. Além disso, a partir de agora, todas as secções ITCCS irão operar sob uma Carta oficial, que todos os membros devem assinar e jurar. Uma cópia desta carta será afixada no itccs.org e distribuída em todas as nossas secções.

3. A título de informação, no nosso site na televisão ex-www.itccs.tv foi comprometida e apreendidas pelos agentes pagos conhecidos pelos apelidos “Mel e Richard Ve”, que estão agindo em oposição deliberada aos ITCCS para denegrir o nosso trabalho e o bom nome de Kevin Annett, nosso Secretário. Nem “Mel e Richard Ve” e nem o site itccs.tv é parceiro ou de qualquer forma representam os ITCCS.

4. Jorge Bergoglio (aliás Papa Francisco) e outras autoridades do Vaticano estão agora sob investigação criminal por crimes hediondos que envolvem o tráfico, tortura e assassinato de crianças. Aconselhamos a todas as pessoas a abster-se de ajudar Bergoglio e seus agentes, sob pena de condenação sumária por participar de uma conspiração criminosa comprovada que emana da Curia e do Gabinete do Romano Pontífice.


Esta declaração foi emitida em 28 de outubro de 2013 pela Direcção Central do Tribunal Internacional para Crimes da Igreja e do Estado, em Bruxelas, na Bélgica.

Fonte original: http://itccs.org/2013/10/28/i-saw-joseph-ratzinger-murder-a-little-girl-eyewitness-to-a-1987-ritual-sacrifice-confirms-account-of-toos-nijenhuis-of-holland/

UNREPENTANT: Kevin Annett and Canada's Genocide

This award winning documentary reveals Canada's darkest secret - the deliberate extermination of indigenous (Native American) peoples and the theft of their land under the guise of religion.
This never before told history as seen through the eyes of this former minister (Kevin Annett) who blew the whistle on his own church, after he learned of thousands of murders in its Indian Residential.Schools.                        

Este documentário TEM DE SER VISTO!!!!!!!!!!!!
O Vaticano começa a ser desmascarado...só não vê quem não quer!

Vivemos um momento de um caos inominável, em que todos os contrários se invertem, e ninguém já sabe, ou quê ou quem é bom ou o quê ou quem é mau...
Os maus vestiram todos a pele do cordeiro a começar pelo Papa e a Igreja...e a todos os povos enganam os políticos e esta pseudo-democracia que constrói em cima das mesmas premissas de "igualdade e liberdade" o esclavagismo moderno (consumismo) a corrupção e o nazismo.
Ninguém sabe já quem é verdadeiro... nem quem fala "verdade"...nem o próprio que diz, sabe o que diz...cegos a conduzir cegos, num mundo cheio de falsos profetas...

The Canadian Holocaust


Genocide Definition
The deliberate and systematic extermination of a national, racial, political, or cultural group.
ALL components of genocide are present. Specifically here in Canada:

1. killing members of the group
- the deliberate infecting of blankets with small pox and sending them to reserves;
- the enacting of scalping laws which encouraged settlers to kill and scalp Indians for a monetary reward;
- the deliberate infecting of Indigenous children with infectious diseases in residential schools which led to their deaths;
- the deliberate abuse, torture, starvation, and denial of medical care to Indigenous children forced to live at residential schools which resulted in as many as 40% dying in those schools;
- the killing of our people by police and military through starlight tours, tazering, severe beatings, and by unjustified shootings;
- the killing of our people resulted in severely reduced populations, and some Nations completely wiped out;
- in the US, some groups were exterminated by up to 98%;

2. causing serious bodily harm or mental harm to the members of the group;
- think of the torture and abuse inflicted on Indigenous children in residential schools like sexual abuse, rape, sodomy, solitary confinement, denial of food and medical care, and severe beatings for speaking one’s language, etc;
- imagine the mental harm to Indigenous families and communities when their children were forcibly removed from them and left to die in residential schools;
- even when residential schools were starting to close, social workers in the 1960′s onward stole children and placed them out for adoption in non-Indigenous families;
- the torture and abuse of Indigenous peoples in order to force them to sign treaties and agreements;
- the loss of language, culture, traditions, practices, way of life, beliefs, world views, customs;
- the imposed divisions in families, communities and Nations through the Indian Act

3. deliberately inflicting on the group conditions of life calculated to bring about its physical destruction in whole or in part;
- think of the deliberate and chronic underfunding of essential social services on reserve like housing, water, food, sewer and other programs fundamental to the well-being of a people like education and health;
- the theft of all the lands and resources of Indigenous peoples and their subsequent confinement to small reserves where the law prevented them from leaving and providing for their families and so were left to starve on the rations provided by Canada;
- or the relocations of Indigenous communities from resource rich areas to swamp lands where they could not provide for themselves;
- Indian Affairs who divided large nations into small communities, located them physically away from one another,
- the Indian Act led to the physical separation of Indigenous women and children from their communities through the Act’s assimilatory registration provisions;

4. imposing measures intended to prevent births within the group;
- the forced sterilizations of Indigenous women and men, most notably in Alberta and British Columbia;
- the Indian Act’s discriminatory registration provisions which prevent the descendants of Indigenous women who married non-Indian men to be recognized as members of their community thus keeping their births from being recognized as part of the group;
- the discriminatory INAC policy which prevents the children of unwed mothers from registering their children as Indians and part of their communities (unstated and unknown paternity);

5. forcibly transferring children of the group to another group
- the long history of residential schools which had an express stated purpose – “to KILL the Indian in the child” and to ensure that there were no more Indians in Canada;
- the 60′s scoop which saw the mass removal of Indigenous children from their homes and adopted permanently into non-Indigenous homes;
- the prevention of children from being members in their communities due to the discriminatory Indian Act registration provisions;
- the current high rate of children removed from their families which out numbers residential schools and 60′s scoop combined.

Unfortunately, I could provide many more examples, but there is no need to do so when what is listed above more than meets the definition of genocide. So, when the Minister of Indian Affairs says that residential schools were NOT a form of cultural genocide, he is not only undoing what good the public residential schools apology did, but he is denying all of the horrors committed by Canada on our peoples – in essence, he is denying our lived realities.

Source: Dr. Pamela D. Palmater

Com PAPAS e bolos se enganam os tolos...o genocídio no Canadá!

Ando aqui escandalizada já há algum tempo com este assunto que, já confirmei por vários lados e, é mesmo VERDADE!!!!
Como é possível o povinho ainda acreditar neste Papa Francisco???
Este FDS ainda por cima, vão canonizar dois Papas...ainda vira Santo também!

Várias testemunhas oculares, confirmam que o Papa Bento XVI,  violou e matou várias crianças em rituais de sacrifício.
Toos Nijenhuis da Holanda confirma ritual de sacrifício de crianças pelo papa Bento XVI na Assessoria da Mídia Global do Tribunal Internacional para Crimes da Igreja e do Estado (ITCCS) em sua Direcção Central, em Bruxelas. 
 “Eu vi Joseph Ratzinger assassinar uma menina”: confirma testemunha de um ritual de sacrifício ocorrido em 1987, Toos Nijenhuis da Holanda. 
 Nova prova de culpa do Vaticano leva políticos italianos a enfrentar o Papa Francisco no próximo processo judicial da Lei Comum anunciada – O Papado revida fazendo ataques contra o ITCCS. >A faísca que incendiou este terror todo, teve início no Canadá, com o genocídio das crianças indígenas pactuado entre o governo e as "igrejas" . 



A faísca que incendiou este terror todo, teve início no Canadá, com o genocídio das crianças indígenas pactuado entre o governo e as "igrejas" .


É mais que dramático.
O Kevin Annett tem lutado muito para trazer este escândalo todo à tona.

Este Papa nada mais é que o produto de uma campanha de marketing profissional, elaborado por uma empresa desmoralizada, a Igreja.
Eu acho ridículo estas tentativas de simpatia .... globais .... na tentativa de abafar a Pedofilia, os roubos e arrombos dos cofres vaticanescos, entre outros terrores, como o acima descritos.

The Systematic Destruction of Canada's Indigenous Children and Families
The dark secret of the Canadian government, Roman Catholic, Anglican and United Church is finally revealed.
Watch video footage with proof of child abuse, sexual and spiritual abuse, sterilization and murder suffered by the First Nations people at the hand of wicked men and women posing as Christians.
Native children, forced to play with other children who were dying of tuberculosis and small pox only to fall ill and die themselves.
50% off these children died totaling over 50,000.
The videos you will see below detail a great wickedness that was and is still present and active in the Churches named, a wickedness felt by Canada's aboriginal people and Kevin Annett who despite persecution by the church took up his cross and followed Jesus speaking the truth about Aboriginal Genocide to all who would listen.


Este assunto é mais sério do que isto ... e é mundialmente conhecido, porque actual .
Vejam o vídeo do 1º ministro do Canadá "desculpando-se" pelos internatos católicos e pelo genocídio, torturas, estupros entre outros horrores : de aproximadamente 3000 crianças:




                                                   

June 11, 2008 - Prime Minister Harper offered Canada's aboriginal peoples an official apology for the government's involvement in the Indian residential school system and its ongoing policy of forced assimilation.

Opposition leaders also offered their apologies during a special sitting of the House of Commons.

Aboriginal leaders were welcomed onto the House floor to respond to the apology.

Mass genocide of Mohawk children by, UK Queen and Vatican, uncovered in Canada.


Ainda assim não acreditam????
continuam a dizer que eu tenho a mania da conspiração????
Não admira este Papa dar uma de santinho...os podres começam a vir à tona...está difícil de controlar...a merda já está no ventilador...

sexta-feira, 25 de abril de 2014

DEPOIS DO 25 DE ABRIL....


"A repressão tem tido mais visibilidade ao longo destas quatro décadas através das autarquias. Infelizmente não houve uma educação para a cidadania e o jornalismo demitiu-se. O nosso problema é estrutural. A conjuntura apenas veio precipitar a revelação do simulacro em que toda a nossa sociedade estava alicerçada.

O fado como destino é uma forma estilística para a demissão; o futebol é uma forma identitária e anestesiada para a demissão; os milagres são a forma transcendente para a demissão. É uma nação com um povo demissionário que espera sentado o regresso de D, Sebastião..."

Antígona Becca Salles Casalinho

DEIXEM-SE DE FINGIR





Deixem-se de fingir de heróis da esquerda,
com bancos e bancas de advogados, redacções,
editoriais, automóvel, bolsas e cátedras,
quintas herdadas, páginas literárias.

Deixem-se de uivar em defesa de ismos
que nenhum vos pertence ou a que pertenceis
a não ser para dançar a dança desnalgada
dos que não têm vergonha do povo português.

O único ismos em consonância com os arrotos
de bem comidos, e rosnidos de instalados
naquilo que criticam disfarçando-se,
é o relismo - de reles. Nada mais.


Jorge de Sena




Portugal





(...) 
Torpe dejecto de romano império; 
babugem de invasões; salsugem porca 
de esgoto atlântico: irrisória face 
de lama, de cobiça, e de vileza, 
de mesquinhez, de fátua ignorância; 
terra de escravos, cu pro ar ouvindo 
ranger no nevoeiro a nau do Encoberto; 
terra de funcionários e de prostitutas, 
devotos do milagre, castos 
na hora vaga da doença oculta: 
terra de heróis a peso de ouro e sangue, 
e santos com balcão de secos e molhados 
no fundo da virtude; terra triste, 
à luz do sol caiada, arrebicada, pulha, 
cheia de afáveis para os estrangeiros 
que deixam moedas e transportam pulgas... 
(...) 


Jorge de Sena 
in, QUARENTA ANOS DE SERVIDÃO



“Cada vez mais penso que Portugal não precisa ser salvo, porque estará sempre perdido como merece. Nós todos é que precisamos que nos salvem dele.
Mas sabe que não há maneira fácil?”
Carta de Jorge de Sena a Sofia de Mello Bryener



Li no Jornal de Letras há uns anos que,  quando chegou a Portugal do exílio, depressa constatou que andavam todos a correr atrás do poder.
Foi o que disse a Mécia, justificando a sua vontade de regressar ao exílio após o 25 de Abril.
Depois da sua morte, Mécia de Sena ainda se viu grega para que acolhessem o património do escritor poeta.
A uma dada altura Mécia conta, em entrevista ao JL, que a família Soares não lhes ligou nenhuma.
Ao contrário da família Eanes.
Temos uma história recente de gente muito reles...muito reles...

Mas o povinho quer é Fado, Futebol e a Nossa Senhora de Fátima...






Chega-se a um momento na vida


Chega-se a um momento na vida (e por coincidência a um momento do mundo que seja por linguagem o nosso) em que o poeta se interroga antes de escrever: porquê, e para quê, e para quem?
De nós mesmos falar não é possível: seria necessário que houvesse humano respeito, delicadeza humana, e não este descaso de assassinos que se pisam sem desculpas.
Falar do que vai por este beco do universo onde as comadres se acotovelam para levantar a saia no escuro dos portais?
Seria preciso que a tristeza e a amargura e a visão do abismo fossem partilhadas mais a fundo que a retórica de serem tão infelizes no conforto do piolhoso que vê mais dois piolhos na cabeça do outro.
Pensar em melhores mundos?
Haverá, mas não aqui.
Aqui é o fim da festa, o fechar das luzes do último dia da Exposição dos Centenários, o arriar das bandeiras, o apodrecer dos barcos pela praia.
Aqui só há lugar para metáforas, óbvios símbolos, jogos de prendas poéticas, para a droga de um sexo reduzido a palavras.
Cantem a beleza que se esvai, da juventude que se perde, dos prados e das árvores, com doce melancolia.
O leitor tremula, sente-se irmão, enfia sorrateiramente a mão no bolso das calças, apalpa-se e fecha os olhos, que está salva a pátria.



Jorge de Sena





Não posso desesperar da humanidade






Não posso desesperar da humanidade. E como
Eu gostaria de! Mas como não posso
Pensar que há povos maus, há maus costumes?
A América é detestável. Mas deu - americanos - 
Walt Whitman e Emily Dickson. Posso
não confiar neles? A Rússia é
detestável. Mas Tolstoi é tão russo!
São máus os japoneses? Como podem
sê-lo, se têm Kurosowa e o sr. Roberto
que me vendia hortaliças lá no Brasil?
E o meu Brasil tão infeliz amor, e tão
ridículo? Mas não são brasileiros Euclides 
e o coração dos meus amigos? E
Portugal, como pode ser mau e detestável,
se mesmo eu que amo sobretudo o vário mundo,
o amo - ao mundo - como português?
A humanidade e as patrias são uma chatice, eu sei.
Mas como desesperar delas, desde que
não sejam para mim o gesto ou as sardinhas,
o feijão ou o sirloin, ou a terrível capa
dos usos e dos costumes, da vaidade,
mas uma forma de ser-se humano e solitário
Acompanhadamente?


In, 40 ANOS DE SERVIDÃO 
- JORGE DE SENA
1965





Nasci português e morrerei português
ainda que mude de nacionalidade vinte vezes
A literocambada lusitana nasceu portuguêsmente pulha
e portuguêsmente pulha há-de morrer
seja qual fôr o ismo a que pertença.

in, "40 anos de servidão" 
JORGE DE SENA





Pátria assim!





Para se amar uma pátria assim, com tal pompa e tal doçura, com tamanha e tão delicada memoria de ternura, será preciso que ela seja escrava, ao mesmo tempo, de um passado glorioso, e de um presente cujo escândalo seja em vileza diária a demissão de um povo, à culpa do estrangeiro que reinará nos palácios e nas praças, usurpando o verdadeiro senso de que só escravo se torna quem o era já....
Mas nós não temos de estrangeiros outros mais que nós.
Não dá portanto o que pensamos para tais doçuras.
Pois de nós mesmos - porcos - não brotam pátrias puras.


Jorge de Sena
in, 'Má Vlast', de Smetana, 
in Poesia II, Moraes, 
1978





Em Busca do Outro


"Não é à toa que entendo os que buscam caminho.
Como busquei arduamente o meu!
E como hoje busco com sofreguidão e aspereza o meu melhor modo de ser, o meu atalho, já que não ouso mais falar em caminho.
Eu que tinha querido.
O Caminho, com letra maiúscula, hoje me agarro ferozmente à procura de um modo de andar, de um passo certo. Mas o atalho com sombras refrescantes e reflexo de luz entre as árvores, o atalho onde eu seja finalmente eu, isso não encontrei.
Mas sei de uma coisa: meu caminho não sou eu, é outro, é os outros.
Quando eu puder sentir plenamente o outro estarei salva e pensarei: eis o meu porto de chegada."

Clarice Lispector

Matrismo



"Acho que não vale a pena a mulher libertar-se para imitar os padrões patristas que nos têm regido até hoje.
Ou valerá a pena, no aspecto da realização pessoal, mas não é isso que vem modificar o mundo, que vem dar um novo rumo às sociedades, que vem revitalizar a vida.
A mulher deve seguir as suas próprias tendências culturais, que estão intimamente ligadas ao paradigma da Grande Mãe, que é a grande reserva, a eterna reserva da Natureza, precisamente para os impôr ao mundo ou pelo menos para os introduzir no ritmo das sociedades como uma saída indispensável para os graves problemas que temos e que foram criados pelas racionalidades masculinas.
É no paradigma da Grande Mãe que vejo a fonte cultural da mulher; por isso lhe chamo matrismo e não feminismo.
É aquilo a que eu chamo o cansaço do poder masculino que desemboca no impasse temível do tal equilíbrio nuclear que criou uma situação propícia a que os valores femininos possam emergir, transportando a sua mensagem. "

NATÁLIA CORREIA, in Diário de Notícias, 11-09-1983
(entrevista concedida a Antónia de Sousa)
Entrevistas a Natália Correia,
Parceria A.M.Pereira,
2004

Eva



"Lilith foi recalcada para dar lugar a Eva.
Eva representa portanto a mulher vista, educada, modelada pelo homem.
Eva está incompleta, falta-lhe alguma coisa: trata-se do aspecto Lilith que ela por vezes toma quando se revolta; o aspecto que Eva tomou, quando comeu a maçã; o aspecto que tomará a Virgem Maria ao dar à luz um filho que se revoltará contra o pai e imporá uma nova lei, o Evangelho (a boa nova) do Filho (e da Mãe).
Assim se processa a passagem do Judaísmo (Paternalismo) ao Cristianismo primitivo (Maternalista), que será imediatamente recuperado pelas autoridades Patriarcais e desviado dos seus verdadeiros objectivos.
 Com efeito, Eva, a mulher, encontra-se alienada.
Ela não possui por inteiro a sua personalidade.
Ela não será mais que a forma castrada (de Jeová e de Adão) e não a imagem da parte feminina de Deus.
Deste modo, a representação duma forma do desejo, duma metade da ex-potência divina absoluta é afastada, e torna-se tão silenciosa como a vagina duma rapariguinha.
Eva é a mulher muda, a sombra da mulher, quase um fantasma.

A mulher real é Lilith.
E no mito celta, Blodeuwedd, nascida das flores – é este o sentido do seu nome –, não é senão uma sombra de mulher: é uma criação artificial do espírito macho de Gwyddyon, não passa dum reflexo castrado do homem.
Mas quando se revolta, ela abandona o seu aspecto Eva para assumir o de Lilith e deixa de estar alienada.
Nascida das flores e ligada à terra no passado, torna-se agora ave nocturna, podendo assim aparecer a qualquer homem durante a noite, ou seja, enquanto o sono permite ao inconsciente que ela surja nos seus sonhos.
 Na verdade, qualquer homem, insatisfeito no fundo de si próprio, e sem ousar admiti-lo, sonha com Lilith-Blodeuwedd, a única que poderia satisfazer o seu desejo de infinito, uma vez que a Eva que ele tem ao seu lado não é mais do que uma caricatura da feminilidade, embora tenha sido ele quem assim a quis."

in, La Femme Celte
 Jean Markale

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Há dias assim...


Estou bem.
Quase todos os dias.

"Tens esse ar frágil, mas és dura na queda" – já me disseram.
Mas também já disseram tantas vezes o contrário:
"Tens esse ar de durona, que nada te afecta, mas por dentro estás a sangrar"

É a minha alma que não consegue agarrar-se a sentimentos negativos.
Mas às vezes, quebra.

Alguns momentos maus atingem-me como um comboio desgovernado vindo não sei de onde.
Como hoje!
Atinge-me.
Deixa-me tonta, nauseada e dorida.
A raiva e a tristeza entram-me na corrente sanguínea.
Mas chega e logo vai.
Levanto-me.
Volto a andar.
Estou (quase) em paz comigo.
E contigo.

Hoje é um desses dias...

Fizeram-nos acreditar...


"Fizeram-nos acreditar que amor mesmo, amor a sério, só acontece uma vez, geralmente antes dos trinta anos.
Não nos contaram que o amor não é accionado, nem chega com hora marcada.

Fizeram-nos acreditar que cada um de nós é metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade.
Não nos contaram que já nascemos inteiros e que ninguém na nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta: cada um cresce através de si mesmo. Se estivermos em boa companhia é só mais agradável.

Fizeram-nos acreditar numa fórmula chamada "dois em um", duas pessoas pensando igual, agindo de modo igual, que era isso que funcionava.
Não nos contaram que isso tem um nome: anulação.
Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável.

Fizeram-nos acreditar que casamento é obrigatório e que desejos de impulso devem ser reprimidos.

Fizeram-nos acreditar que os bonitos e os magros são mais amados, que os que namoram pouco são mais confiáveis e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto.
Só não nos disseram que existe muito mais cabeças tortas que pés tortos.

Fizeram-nos acreditar que só há uma fórmula para ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade.
Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas.

Ah, também não nos contaram que ninguém nos vai contar isso a cada um de nós.
Cada um vai ter que descobrir sozinho.

E aí, quando estiveres muito apaixonado por ti mesmo, vais poder ser muito feliz e apaixonar-te por alguém."

Martha Medeiros

Otis Redding-Sitting on the dock of the bay

Separação


“Hoje, separamo-nos todos com muita facilidade.
A paciência deixou de ser uma das nossas virtudes e a ansiedade tomou conta de nós com a força de uma febre.
Tudo tem de ser perfeito.
Tudo deve ser como nós imaginámos.
Já não se pensa na hipótese de vencer em conjunto dificuldades porque a sua existência é sinónimo de uma relação condenada ao fracasso.
Na vida, nada se cria sem entrega, nada se constrói sem vontade.
Uma relação é um trabalho cada vez mais difícil de se concretizar.
Já não chega apenas o amor.
É também necessário edificar a honestidade e a lealdade entre um homem e uma mulher.
Sem tais valores, a casa rui, mesmo antes de ser casa, mesmo antes de parecer um lar.”

José Micard Teixeira

Como dizia a minha avó, um barco para ir para a frente, tem de ser as 2 pessoas a remar juntas para o mesmo lado, ao mesmo tempo...
Hoje as pessoas tornam as Relações que podiam ser Lindíssimas, em Ralações, e depois tornam-se Azedas Crónicas.
E eu não sou exemplo para ninguém...
Mas, quando um deixa de remar, o barco passa a andar à volta de si mesmo e não sai do mesmo lugar. Mais um paradoxo da vida...

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Eckhart Tolle- "Por que não consigo despertar?" (Legendas em Português)

Grande Cruz Cardinal De MARTE, JÚPITER, URANO E PLUTÃO


Em Abril teremos acontecimentos astrológicos que indicam a necessidade de sairmos da zona de conforto para buscar limpezas, mudanças e libertações.
Já venho falando da grande cruz cardinal que se fechará na última semana do mês, entre Marte (retrógrado em Libra), Júpiter (exaltado em Câncer), Urano em Áries e Plutão em Capricórnio.

Marte retrógrado em Libra se sente frustrado, pois quer acção, movimento, impulso e caminhos livres para conquistar. Mas em Libra enfrenta resistências, deve promover revisões, deve aprender a agir em conjunto, deve harmonizar polaridades. Ser guerreiro pressupõe capacidade de enfrentar e confrontar. Atitudes diplomáticas, controle dos impulsos agressivos e resistência pacífica são lições por demais elevadas para qualquer ser humano. Por isso Marte em Libra é considerada uma posição frágil e difícil.

O senso comum nos diz que para ser forte é preciso ser impositivo, mas aqui a lição é outra.
O aprendizado é: afirmar nossa individualidade através da capacidade de nos relacionarmos em harmonia e de compreendermos, antes de tudo, o ponto de vista do outro. Podemos inclusive aproveitar para afinar isso durante essa semana, quando Vênus e Marte seguem em harmonia. Temos um bom momento para encontros, reuniões de pauta, alinhamento de estratégias. Usar nosso arsenal de qualidades diplomáticas e argumentos para convencer as pessoas.

Marte em Libra também representa um paradoxo. Pode acontecer o contrário: a pessoa pode pode buscar conflito para testar a capacidade de resistência durante uma contenda, brigas e desavenças. Ao lutar por justiça e harmonia, provocar a ira do outro pra buscar o caminho da pacificação.

A força deve ser dosada para que se obtenha um resultado bom para ambas as partes. Mas é possível também um recuo: a dificuldade de agir sem a aprovação dos outros, a desistência de levar adiante um objetivo íntimo, a queda de resistência física, o desgaste e estresse emocional quando a estabilidade nas relações é quebrada, o compometimento do bem-estar corporal. Ou a falsidade, aquele que age pelas costas.

Por tudo isso, agora é preciso agir com cautela e prudência. Tomar iniciativas com plena consciência dos projetos, empreendimentos, causas e motivos. Novas soluções, acontecimentos e ideias supreendentes podem acontecer para quem estiver alinhado com seus propósitos. Para quem age às escuras, para quem há tempos alimenta um desequilíbrio, uma reviravolta pode acontecer também. No fim das contas, tudo acontece para o nosso bem, só que muitas vezes não conseguimos enxergar como positiva uma coisa que o nosso ego limitado não quer. Tem gente que prefere viver na ilusão e na ignorância até que algo as surpreenda...

Marte enfrentará Urano, que está em Carneiro e pede justamente reinvenções. O impulso do novo é algo impossível de conter. Ou a gente muda com a vida, ou a vida muda para a gente. Urano em Áries quer mais independência e automonia para poder olhar para a frente, para o futuro, para viver novas experiências, ousar, experimentar.

Júpiter está exaltado e poderoso em Caranguejo: quer mais segurança, quer lutar por seus ideais, quer fortalecer suas bases emocionais, defender sua pátria, suas leis, seu território. Quer mais direitos para si e toda a sua família. Quer possibilidades de garantir e expandir seus territórios. Mas existem aqueles que lutam por causas equivocadas, que agem movidos por emoções exaltadas, que creem que devem lutar até à morte por sua pátria, seus valores. Aqueles que alimentam posturas dogmáticas e se acham os donos da verdade.

Plutão está no conservador Capricórnio, em recepção mútua com Saturno em Escorpião. Plutão pede transformações profundas nas instituições, na forma como manifestamos e lidamos com o poder, nas nossas sombras, nos nossos instintos inconscientes e animais. Tudo o que está rígido e não serve mais tem suas bases estremecidas, porque deve dar lugar para novas possibilidades, para cura, para a morte e o renascimento. O poder institucionalizado, com suas bases estremecidas, pode recrudecer ainda mais. Vemos também manifestações com pensamentos reacionários, retrógrados, que não condizem com a nova consciência.

Urano representa a mente superior, a consciência cristica.
Plutão está relacionado ao chacra básico. 
Para que a energia Kundaline de toda a humanidade circule, os instintos básicos devem ser iluminados e transformados pela mente superior.
Marte em Libra e Júpiter em Caranguejo representam as polaridades masculina (lógica, razão, assertividade, acão) e feminina (emoção, sensibilidade, intuição, critatividade) que devem ser harmonizadas e integradas. Tanto planetariamente, quanto individualmente.

Questões ligadas aos relacionamentos (eixo Áries/Libra) e ao trabalho, carreira, profissão, família e mundo emocional (eixo Caranguejo/Capricórnio) estão activadas.
Aquela velha consciência de que sucesso é se matar no trabalho, é viver na competitividade, é puxar o tepete dos outros... Ou o contrário: o medo do mundo, aquele que vive fechado em sua concha, não cultiva seu lado empreendedor.
Quem é consdecendente demais, não sabe dizer não... ou quem é egoísta e passa por cima de todos. (As variáveis são muitas. Pra um estudo minucioso vale consultar um astrológo de confiança, ver em que casas do mapa a cruz acontece e se ele pega algum planeta aos 13 gruas de um desses signos.)

Percebem como vivemos um momento importante?
Podemos esperar muitos acontecimentos, manifestações, surpresas e imprevistos pra toda a humanidade em abril. Muitos astrólogos falam em guerras, confrontos, revoltas, disputas de poderosos... mas e individualmente?
Qual a guerra interna que cada um de nós está travando?
O que deve ser pacificado, curado e transformado em nós mesmos, pra que haja mais liberdade, estabilidade, entusiasmo e equilíbrio emocional?

Aprendo cada vez mais que acusar, criticar, ficar indignado e revoltado com o problema é reforçar o problema, é fortalecer a sombra. Focar no bom, no belo, na cura, identificar-se com as soluções, divulgar e veicular os antídotos e trabalhar pela expansão da consciência é fortalecer a LUZ. 
Ao invés de perder tempo olhando pros outros, dando poder aos outros e criticando o mundo, seria mais lógico e inteligente fazer o caminho interno, olhar pra nós mesmos. 
Respeito as escolhas de cada um... mas a verdadeira mudança deve começar em nós. 
Vale sempre lembrar!

Muitos podem dizer: mas uma boa briga é válida também pra entornar o caldo logo de vez.
Sim, tudo tem o lado bom... no fim tudo é válido como experiência.
Mas... vejamos o exemplo de Gandhi, que conseguiu importantes mudanças pregando a resistência pacífica, por exemplo.
Se cada um se propusesse, ao invés de projetar sua raiva e sua frustração fora, olhar pra dentro, buscar crescer, se lapidar...

O que desejo: que as fichas caiam em cada um de nós.
Vamos vigiar, ficar atentos ao que nos acontece, são oportunidades de transformação.
Raras, pois essa cruz astrológica é um evento raro.
Podemos encontrar energia para promover realmente verdadeiras limpezas e curas em nossas vidas.
O que se espera é que tudo não seja fogo de palha...

Marcelo Dalla

Grande Cruz Cardinal 23 Abril 2014



Meu mapa natal:

Tenho PLUTÃO na Casa 6, em Balança.
Casa do Trabalho e da Saúde
Representa o ambiente geral do trabalho; o tipo de roupa que costumamos usar; a maneira de vestir; a nutrição geral do organismo, a dieta; a higiene e os cuidados conferidos ao corpo físico. Está ligada aos animais domésticos. Representa os trabalhos dependentes.
Tem como valores: o Dever

Por isso é que quando Saturno entrou na Casa 6, em 2009, rebentou tudo...Saturno com Plutão, pior não poderia ter sido...

Tenho URANO na Casa 6,em Balança em oposição ao Ascendente.
O meu Ascendente é Carneiro
E Urano hoje está em Carneiro, na grande Cruz cardinal.


Tenho MARTE na Casa 1, em Touro.
Casa do Eu, do Corpo
Tem como valores a Identidade.
É a Casa do Ascendente, que no meu caso, vejam só, tenho a casa 1 em Carneiro, precisamente onde está Marte hoje na Grande Cruz Cardinal.
Aguenta coração!
O ascendente, cúspide da Casa 1, é essencial quando se interpreta uma Carta Natal. O temperamento de uma pessoa não só está em harmonia com o seu próprio ascendente, como também, através da sua vida, tenderá a relacionar-se afectivamente com outros que também o tenham; e até a profissão que eleger estará relacionada com o mesmo signo.

Representa o corpo físico e a vida da pessoa; a sua constituição, a sua personalidade, a sua aparência. Mostra de que maneira é vista pelos outros, ou como pretende ser vista pelos outros.

Tudo aquilo que corresponde à personalidade e ao carácter. O corpo do nativo, a sua vitalidade, o seu comportamento, a sua aparência. O nativo face a si próprio, a sua maneira de se afirmar e de se projectar na vida, os seus meios de o fazer e aquilo que os astros lhe concedem de bom ou mau no nascimento.

Aquilo que vai permitir ao nativo orientar o seu destino e fazer funcionar o seu livre arbítrio quando tiver possibilidade disso. É a mais importante, dado que representa a auto-consciência e a reacção a estímulos externos. Tudo aquilo que corresponde à personalidade e ao carácter.


Tenho JÚPITER na Casa 11 em Aquário.
Casa do social, dos Grupos.
Tem como valores a consciência social.
Representa as amizades (sem necessidade de um vínculo íntimo ou pessoal).

Também o hábito de frequentar clubes, instituições ou locais de reunião. Os interesses humanitários.

Simboliza os desejos e as esperanças; os filhos adoptivos, enteados (ou de qualquer outro tipo que não sejam próprios). A capacidade da pessoa fazer amigos e conhecidos em geral.

Representa o amor que se recebe dos outros.

A sociabilidade, as amizades, as esperanças, a clientela, os protectores, as simpatias espontâneas, os apoios imprevistos, os desejos, os sentimentos ponderados.

O nativo que tiver esta Casa com uma influência muito forte dos planetas, deverá prestar uma atenção especial ao sentido das significações do ou dos signos que estes astros transitam nesta Casa.

Isto a fim de saber qual o caminho a seguir para poder actualizar os efeitos benéficos ou maléficos que o destino irá dar-lhe se ele não tiver a possibilidade de fazer uso do seu livre arbítrio. Esta Casa pode dispor o nativo à filantropia ou à misantropia, consoante as influências do destino.



Os efeitos desta Grande Cruz não começam a desaparecer amanhã.
Nem pensar nisso, pois é criar uma ilusão.
A Grande Cruz começou a formar-se com a quadratura de Úrano e Plutão no céu, em 2011/12, isso quer dizer que a Grande Cruz (em si) irá desfazer-se, mas os seus efeitos irão manter-se, no mínimo até 2017, data em que terminará a quadratura Urano e Plutão.
Um evento astrológico de imensa magnitude como é esta GRANDE CRUZ CARDINAL, é em si, uma fonte de energia codificada, que nos afecta a todos de forma dinâmica.
Esta Grande Cruz vai para além da compreensão humana.

"Tudo começou de 2010 para 2011 com uma quadratura no céu, entre Plutão e Úrano, que muitas alterações tem causado no mundo e em nós, também.
Esta quadratura permanecerá até 2017, havendo ao longo desses anos 7 aplicações nos graus exactos.
As datas exactas em que se darão as 7 quadraturas entre Úrano e Plutão:
- 2012, Junho 24
- 2012, Setembro 19
- 2013, Maio 21
- 2013, Novembro 1
- 2014, Abril 21
- 2015, Março 17’
[Para que muitos percebam: QUADRATURA: a palavra-chave é desafio. Este aspecto desafiador denota tensão entre as energias em presença, não só pela essência do ângulo em si, mas também porque, normalmente, os planetas estão colocados em Elementos desarmónicos: o Fogo desafiando a Terra ou a Água; a Terra desafiando o Fogo ou o Ar; o Ar desafiando a Terra ou a Água; a Água desafiando o Fogo ou o Ar. Esta tensão força a integração das divergências representadas pelos planetas.]

Apetece-me definir com simplicidade esta Grande Cruz, tal como eu a vejo: 
Em termos mundiais é um autêntico fogo de artifício. 
Em termos pessoais e internos, será um ‘terramoto’ que poderá elevar ainda mais as consciências, para quem o quiser sentir.
E repito, para quem o quiser sentir, sintonizando-se consigo mesmo.

É para os astrólogos um dos eventos mais importantes dos anos recentes e dos vindouros.

Olhando-se para os mapas percebe-se que tudo está em perfeito equilíbrio.
E tanto equilíbrio em signos cardinais quer dizer apenas isto:
É necessário tomarmos as iniciativas que nos competem, de forma harmoniosa, mas decidida, com beleza, mas sem falhas, sem perfeição, claro, mas com elevação.
Isto é o que os signos cardinais devem corresponder.

No entanto, dentro desta estabilidade e harmonia que é esta Grande Cruz Cardinal, convém não esquecermos que estão presentes 3 planetas que adoram o que é radical: Marte, o Deus da Guerra, mesmo retrógrado, e talvez por isso, a impor registos pouco habituais no panorama mundial; Úrano a representar o que é novo e, não esqueçamos, representa também a ‘Voz de Deus’, portanto estamos a falar de novidades [a Europa tem sido pródiga em casos estranhos, mas não nos esqueçamos do avião da Malásia que subitamente desapareceu]; Plutão, o Senhor do Submundo, é o protótipo do revolucionário que à força tudo domina e finalmente, em jeito de quem não quer a coisa, encontramos Júpiter, o expansivo do zodíaco, portanto, com uma dupla função: primeiro, aumentar e reforçar o que os outros 3 planetas significam e, segundo, por ele próprio ser o Senhor das Leis Superiores, temos forçosamente que ver nesta Grande Cruz, um propósito que nos ultrapassa nos nossos quotidianos sem graça e, para muitos, sem esperança.

Esta formação astrológica manter-se-á activa até à 1ª semana de Maio.
Portanto, o tal equilíbrio que falei mais acima existirá mas só depois de terminado o ‘fogo de artifício’ que já estamos a viver e que viveremos com maior intensidade."

António Rosa

Bill Withers - Just the two of us

COMO É QUE UMA MULHER SE DEVE PREPARAR SEXUALMENTE


"Antes de mais, tem de começar a considerar o próprio corpo como uma realidade sagrada.
A parte íntima é a mais sagrada, porque é precisamente ali que têm lugar a reprodução, a criação, a regeneração e a alquimia espiritual.
É daí que partem todas as energias que movem o ser vivo.
Os nossos antepassados chamavam-nos chaka, ponto de encontro do mundo visível com o mundo invisível.
É necessário praticar um tipo de sexualidade unitária, também apelidada de sexualidade sagrada.
O objectivo desta prática é aprender a deslocar a energia localizada na parte mais baixa do ser para a parte mais alta, de maneira a penetrar no infinito, no domínio do espaço e do tempo: no reino do amor.
A mulher, devido á sua natureza peculiar, consegue aceder a esse recinto e é por isso que sabe o que é o amor.
O homem tem dificuldade em aceder a essa dimensão; ele sabe que o amor existe, mas não o conhece. E esta é a nossa missão: fazer com que o homem conheça o amor.
Porém, para o conseguir, uma mulher tem de se preparar, aperfeiçoando, em primeiro lugar, o sentido do tacto.
O acto sexual é uma sensação táctil e o erotismo é o jogo que permite aperfeiçoá-la.
Mas só com intuição, doçura e ternura é que uma mulher pode conduzir o homem através da dimensão do amor.
Mas o caminho que leva a este conhecimento é longo e difícil, é necessário libertar-se de todos os tabus impostos pela sociedade e estar disposto a arriscar."

in, "A profecia da curandeira" 
Hernán Huarache Mamani

O que acho sobre a homosexualidade? Nada...

Agora há pouco, tive uma conversa de surdos, com uma pessoa que me disse não entender como é possível eu não me chocar com a homosexualidade...
A conversa no fim deixou-me uma sensação tão má...uma energia péssima...é o que dá falar para quem não quer ouvir...que desgaste e perda de energia.

Eu não acho nada sobre a homo-sexualidade como também não acho nada em relação a hetero-sexualidade ou a bi-sexualidade.
Ambas são condições da alma e da sua aprendizagem aqui.
A minha visão não é moral, apenas faz parte de mim.

Hora de abrir horizontes.
Hora de não julgar.
Hora de evoluir.
Hora que já tarda.

Agora que estou aqui a reflectir sobre o que aconteceu, lembrei-me de um vídeo que vi do Krish sobre o assunto...vou procurar.

Aqui está:

terça-feira, 22 de abril de 2014

SOLIDÃO / VIAGEM


Quando estou só reconheço
Se por momentos me esqueço
Que existo entre outros que são
Como eu sós, salvo que estão
Alheados desde o começo.
E se sinto quanto estou
Verdadeiramente só,
Sinto-me livre mas triste.
Vou livre para onde vou,
Mas onde vou nada existe.
Creio contudo que a vida
Devidamente entendida
É toda assim, toda assim.
Por isso passo por mim
Como por coisa esquecida.

9-8-1931 
Novas Poesias Inéditas. 
Fernando Pessoa



Agora fiquei aqui a pensar...
Com o passar dos anos, cada vez estou mais viciada na minha solidão...
Cada vez sou mais feliz na minha solitude, melhor dizendo.

O Osho é que me ensinou a diferença entre solidão e solitude...
Vou procurar o texto...
Encontrei:

"Quando está sozinho, não está realmente só, está simplesmente solitário, e há uma grande diferença entre a solidão e a solitude. 
Quando sente a solidão, fica a pensar no outro, sente a falta dele. 
A solidão é um estado de espírito negativo. 
Sente que seria melhor se o outro estivesse ali (o seu amigo, a sua esposa, a sua mãe, a pessoa amada...)  
A solitude é a presença de si mesmo. 
A solitude é muito positiva, é uma presença, transbordante. 
Sente-se tão pleno de vida que pode preencher o universo inteiro com a sua presença, e não há nenhuma necessidade de ninguém."

Osho 
in, The Discipline of Transcendence, V. 1 capitulo 2


Quando não existe "alguém significativo" na nossa vida, podemos sentirmo-nos solitários, como podemos desfrutar da liberdade que a solidão nos traz. 
Quando não encontramos apoio nos outros para as nossas verdades sentidas profundamente, podemos sentirmo-nos isolados e amargurados, ou então celebrar o facto de que o nosso modo de ver as coisas é seguro bastante, até para sobreviver à poderosa necessidade humana de aprovação da família, dos amigos... 
Se te encontras numa situação destas, neste momento, como eu, toma consciência de encarar o teu "estar só", e assume a responsabilidade pela escolha que fizeste. 
Brilha com uma luz que emana do teu interior. 
Uma das contribuições mais significativas de Buda para a vida espiritual da humanidade foi insistir junto a seus discípulos: 
"Seja uma luz de você mesmo". 
Afinal de contas, cada um de nós deve desenvolver em si a capacidade de abrir o seu próprio caminho através da escuridão, sem quaisquer companheiros, mapas ou guia.
Verdade?

Está tudo na nossa mente!
"My Mind is not the master of my soul"
Uma frase que me acompanha há muitos anos...já não me lembro quem a disse...
A minha Mente é como um jardim:
Cultivo-o com todo o carinho e atenção mas, mantenho sempre algumas áreas selvagens, por cultivar, cheio de frutos, flores e passagens secretas escondidas...