quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Krishnamurti


All ideologies are idiotic, whether religious or political, for it is conceptual thinking, the conceptual word, which has so unfortunately divided man. 

~ Jiddu Krishnamurti

GRANDE VERDADE!
Tão Sábio, este Homem!

As ideologias, sejam elas políticas ou  religiosas, são um paradoxo!
São uma contradição, porque criam um NÓS e um ELES mentalmente.
E isto separa-nos cada vez mais do ELES, de quem tem uma ideologia diferente da nossa.
Sendo assim, em vez de UNIR, que é o objectivo principal, DIVIDE.
Quando devíamos, através da espiritualidade, tomar consciência de que não somos separados uns dos outros , muito pelo contrário.
Somos todos filhos deste Planeta Terra, sem fronteiras, sem diferenças ideológicas.
Somos todos UM.

VOCÊ É FELIZ ?


Durante um seminário para casais, perguntaram à mulher:

"Seu marido lhe faz feliz? Ele lhe faz feliz de verdade?"

Neste momento, o marido levantou seu pescoço, demonstrando segurança. Ele sabia que sua esposa diria que sim, pois ela jamais havia reclamado de algo durante o casamento. Todavia, sua esposa respondeu com um "Não", bem redondo..."Não, não me faz feliz".

Neste momento, o marido já procurava a porta de saída mais próxima, quando ouviu a esposa dizer: "Não me "faz" feliz... EU sou feliz". "O fato de eu ser feliz ou não, não depende dele e sim de mim." Continuou dizendo:

"Eu sou a única pessoa da qual depende a minha felicidade." Eu determino ser feliz em cada situação e em cada momento da minha vida; pois se a minha felicidade dependesse de alguma pessoa, coisa ou circunstância, sobre a face da Terra, eu estaria com sérios problemas.

Tudo o que existe nesta vida muda constantemente... 
O ser humano, as riquezas, meu corpo, o clima, os amigos, os prazeres, etc. 
"A felicidade está centrada em mim". 
Há pessoas que dizem: 
"Hoje não posso ser feliz porque estou doente, porque não tenho dinheiro, porque faz muito calor, porque alguém me insultou, porque alguém deixou de me amar, porque alguém não soube me dar valor..."

SEJA FELIZ , mesmo que faça calor, mesmo que esteja doente, mesmo que não tenha dinheiro, mesmo que alguém tenha lhe machucado, mesmo que alguém não lhe ame ou não lhe dê o devido valor.

Uma outra pergunta: Vocês não acham muita responsabilidade. . . deixar a nossa FELICIDADE" nas mãos de outras pessoas?

SEJA FELIZ SEMPRE!!! ....

Autor desconhecido

EL VALOR DE LO FEMENINO


La mujer debería buscar en su propia alma su propio potencial y desarrollarlo, 
y tendría así un hermoso futuro. 
El hombre y la mujer no son iguales ni desiguales, son únicos. 
Y el encuentro de dos seres únicos trae algo milagroso a la existencia.

Osho 

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Richard Bach


Los iguales se atraen. 
Limítate a ser quien eres: Sereno, Transparente y Brillante. 
Cuando irradiamos lo que somos, cuando sólo hacemos lo que deseamos hacer, esto aparta automáticamente a quienes nada tienen que aprender de nosotros, y atrae a quienes sí tienen algo que aprender y también algo que enseñarnos... 

- Richard Bach

Perfeição


Pergunta – Hoje está chovendo e muitas pessoas dizem que é um tempo feio. Isso simboliza mais ou menos o que o senhor estava dizendo, pois muitas vezes em nossas vidas as coisas não acontecem como se espera. Aceitar as coisas como realmente são é aceitar a imperfeição?

Monge Genshô – Essa noção de perfeito e imperfeito, bonito ou feio, certo ou errado, do ponto de vista do Zen não acontece. Só percebemos o bonito porque existe o feio. Eles são interdependentes e não estão separados. As coisas tais como são, são integradas. Dividir as coisas em certo e errado, bom e ruim, perfeito e imperfeito, implica em uma mente dualista.

Pergunta – Se tenho a intenção de fazer algo bem feito, mas não consigo realizar desta maneira, qual o julgamento disto?

Monge Genshô – O perfeito depende do imperfeito, não podemos pensar em perfeito, pois o perfeito tem dentro de si o imperfeito. É como o jardim bem varrido. A perfeição do jardim bem varrido está no fato de existirem algumas folhas caídas. É como alguém que não quer ter um gramado porque ele está sempre crescendo, tem que cortar a grama mensalmente, tem formigas, ervas daninhas, então para resolver esse problema ele manda cimentar o pátio, desta forma ele tem realmente um pátio perfeito. Horrível, mas perfeito.

Pergunta – Eu entendo que passa a ser totalmente mecânico, por exemplo, uma busca por marcas em nível de competições, como fica esse aspecto da imperfeição numa competição?

Monge Genshô – Esse aspecto de competição esconde algo muito ruim, que é um grande ego, um desejo de ser melhor e de destaque.
Isso como temos visto, pode levar a uma grande doença.
Vejam as olimpíadas que começando como atividade essencialmente amadora tornou-se uma competição de tal nível que os atletas desde crianças são preparados sob um treinamento rigoroso que beira uma verdadeira tortura para chegarem aos primeiros lugares.
Drogas são ilegalmente usadas para melhorar desempenho.
Então, o que começou como disputa totalmente amadora tornou-se uma disputa egóica entre países e pessoas.
Muitas pessoas perderam suas vidas,  como acontecia na Alemanha Oriental onde as atletas eram submetidas a tratamento com hormônios masculinos, transformando totalmente e de forma definitiva seus organismos.
O ganhar, o vencer os outros, tem dentro de si uma doença.
É uma manifestação doentia do egoísmo.
Esta não é uma busca de perfeição desejável, pois leva a uma loucura. Tudo tem um limite.
O que todos deveriam estar fazendo é se perguntado o que é a felicidade?
Como é ter uma vida feliz?
Mas mesmo isso tem um limite.
A busca da iluminação é algo desejável, mas sentar-se no zafu até que suas pernas percam as funções e você ficar paralítico é loucura.
Desejar tornar-se uma pessoa perfeita também é loucura.
Não estamos atrás de um jardim cimentado. Estamos atrás de algo belo, uma expressão da vida e isso inclui perfeição e imperfeição.
Para o zazen é necessário uma postura firme e ereta, mas se alguém cansa e se curva, dorme ou troca de posição, não devemos falar nada.
Somos seres humanos e desta forma devemos nos expressar, isso significa que somos imperfeitos e essa imperfeição é muito bonita.

"És a pessoa mais importante para mim".....


"Já por várias vezes me disseram que eu era a pessoa mais importante para alguém.
Na época, aquilo era essencial para mim: ser promovida pela reciprocidade.
E o tempo, imperador dos destinos todos, desgastou os mármores, mas manteve intacto aquele amor: ele sobreviveu à relação finda.
E eu, perdera o meu alto cargo de importância para aquele alguém.
E no que deu?
Uma mulher a sofrer por amor...há lá coisa pior?

Convalescente, mas em recuperação da suposta infelicidade de um ego magoado, tive que descobrir outra forma de amor: uma espécie rara, que dá perenidade ao bem-estar e põe o ego em seu lugar.

Eu tornei-me a pessoa mais importante para mim.
Quem me poderia tirar isto?
O tempo?
Hoje, as pessoas vão e vêm.
Recebo-as, rejeito-as, tolero ou amo.

Já por várias vezes me chamaram de radical.
Aceitei: só eu sei a importância que as coisas têm para mim, e o propósito de mantê-las ou não na minha vida.
Também já me chamaram de amorosa. Compreendi: pessoas amorosas extraem o que tenho de melhor.
Já me disseram que pareço um personagem. Entendi: sendo povoada por tantas, quão imprevisível posso ser na liberdade que me permito ter.

Não me importo com o que julgam, sempre serei espelho e sempre terei o Outro como meu espelho. Somos extensão.
Estejamos ou não em harmonia ou comunhão, dedico carinhosamente o meu tempo compartilhando minha nudez.
Aos que veem máscaras e vestes, sou impotente a estas leituras.
Aos que veem generosidade e amparo, sou impotente à beleza que me dão.
Sou impotente ao olhar alheio.
Não tenho o controle de absolutamente nada, somente me cabe a mim não me rejeitar.

Hoje, nem que seja apenas hoje, eu sou a pessoa mais importante para mim."


Marla de Queirós


.....navegar em dois planos


"Senti que vos devia devolver um centro de consciência quanto ao que está a mover dentro do nosso plano emocional...

Neste tempo de profunda interioridade emocional, estamos a navegar dentro de dois planos, um que exacerba a necessidade urgente de mudar, de largar, de libertar; e outro que quase que como uma dicotomia, nos transporta para o mundo do vazio, onde já não temos como dar suporte há ainda existência da necessidade de controlar, de perceber, para ter a zona de segurança protegida...

Este confronto de energias dentro de nós é necessário e por muito que possa ser doloroso, é pelo desgaste que muito do processo de transição é feito...
Altos e baixos... um dia segurança absoluta do que queremos, noutro já nada sabemos e queremos fugir da realidade de instabilidade emocional...

Deveremos ter muita paciência com estas marés que sobem e descem dentro de Nós... onde o ego desgastado intensifica a vontade sobrevivente de acabar com tudo isto, alguém que nos mostre a porta de saída que nem hesitamos e, onde a mente quer encontrar a solução ...
Calma nesses momentos, recolhimento, pois tudo são arremessos do ego que ainda não se convenceu que não terá soluções fast food... tudo leva o seu tempo...

Para que possamos encontrar paz e harmonia, devemos aceitar que estes momentos em que nos encontramos quase que encurralados dentro de nós, fazem parte...
Calma...
Só dentro de um corpo emocional que estabiliza esses momentos , porque já tem um alicerce de aceitação dos mesmos, a nossa intuição nos mostrará o passo seguinte...

Dane Rudhyar disse um dia "quem quiser encontrar o oásis deve primeiro atravessar o deserto"... nunca foram tão verdadeiras estas palavras...

Sintam como é desgastante gastar tanto tempo e energia a tentar encontrar soluções, quando elas vêm por si só, no tempo certo... a porta abre-se quando estamos prontos e só aí... não é por estarmos desesperados a querer encontrá-la que ela se vai abrir... perdemos, encontramos-nos e voltamos sempre ao mesmo sitio... a NÓS...
Interioridade , simplicidade dentro de uma objectiva verdade...
O que quero?... então caminha calmamente e sem hesitações para essa porta... ela se abrirá no tempo certo...
Nós temos a CHAVE que abre essa porta, mas deveremos encontrá-la dentro ..."

Ruth Fairfield 

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Orgasmo mais perto do êxtase


"Quanto mais partes do corpo participarem da descarga da excitação, mais aumentam o prazer e a satisfação do orgasmo. Havendo uma participação total do corpo, acontece o orgasmo completo, que toca inclusive o coração.
Esse orgasmo aproxima-se do êxtase.

No entanto, para a maioria dos homens, o clímax sexual continua limitado à ejaculação enquanto que para a maioria das mulheres o clímax nem ocorre. Quando ocorre também se limita ao clítoris. Os clímax variam e é razoável caracterizá-los como "de coração aberto", "frio" ou "desligado".

Essa descrição de como as pessoas reagem ao sexo também se aplica a outras actividades.

No mundo actual dos negócios, a cabeça é mais importante do que o coração.
Não nos entregamos de peito aberto ao trabalho que fazemos que, na maioria dos casos, não é uma actividade feita com amor.
O que tem o coração a ver com ganhar dinheiro? (...) Na realidade o que fizemos foi isolar os três principais segmentos dos nossos corpos e personalidades.
A cabeça e os genitais não têm nada a ver com o coração ou entre si.
A cabeça serve para ganhar dinheiro, os genitais para fazer iupi! e o coração - coitado -perdeu a sua ligação com o mundo porque ficou isolado da cabeça e dos genitais."

in, "Amor, sexo e o seu coração"
Alexander Lowen

Daí que, grande parte do trabalho da Sexualidade Sagrada, assenta em conjugar na prática verbos como: religar, curar, transformar, unir, activar, expandir, sentir...

Ser feliz


A mente vive lhe dizendo: “Faça isto, seja aquilo.
Possua isto, possua aquilo ... como poderá ser feliz se não tiver isso?
Você tem de ter isso; então você será feliz.”
Se a sua felicidade for condicionada a isso, você continuará infeliz.
Se você não conseguir ser feliz como é – ... eu sei que o trabalho pode ser árduo, o salário ruim, e a vida ser uma luta – eu sei, mas se você não conseguir ser feliz como você é, apesar de tudo; se não conseguir ser feliz assim, não será feliz nunca.
A menos que você seja feliz, simplesmente feliz sem razão alguma, a menos que seja suficientemente louco para ser feliz sem qualquer razão, não será feliz nunca.
Sempre encontrará algo destruindo a sua felicidade.
Sempre achará que há algo faltando.

- Osho -

GRANDE VERDADE!!!!!
Aos 35 anos senti-me assim...tempos difíceis, e de grandes mudanças!
Quando me divorciei aos 29, prometi a mim mesma que não ia depender de homem nenhum, nunca mais!
Até hoje cumpro essa promessa.
O meu erro, foi dedicar-me a realizar sonhos materiais, pois achei que isso me iria fazer feliz.
Pois, não foi o que aconteceu, muito pelo contrário...
Comprei um bom carro, construí a casa dos meus sonhos, e quando fui para lá viver, senti uma infelicidade atroz...sentia-me super infeliz e não sabia porquê...
Esta foi uma das grandes lições de vida...uma entre muitas...

domingo, 27 de outubro de 2013

A ANDROGINIA


“Quando as energias deixam de estar representadas, ou de serem canais ”apropriados”, o cerne andrógino que todos nós seres humanos possuímos poderá vir à tona e proporcionar-nos uma nova desenvoltura de estar no mundo e de estar connosco mesmos.
A transferência de energia entre as constelações de contrários – seja entre o racional e o mitológico, o ego e o animus-anima, o Yin e o Yang, ou qualquer que seja a designação que usarmos para as energias Feminina e Masculina - ou seja, deslocamento de energias outrora consideradas separada, irá ocorrer tão rapidamente, tão suavemente, que a oscilação será praticamente indiscernível. Teremos uma situação dinâmica no microcosmos, e as energias irão impulsionar activamente o organismo humano.
Porém, visto da perspectiva do ser humano como um macrocosmos, haverá uma aparência de equilíbrio.
Sem qualquer sentimento de disjunção, podemos ser ao mesmo tempo ternos e firmes, flexíveis e fortes, ambíguos e precisos, capazes de acalentar e de orientar, de doar e de receber. (...) 
Numa interacção andrógina, o indivíduo está ciente do funcionamento simultâneo do aspecto intuitivo (pelo qual é capaz de apreender conjuntos inteiros) e do aspecto sensível (em que cada diminuto elemento de uma situação é vista em sua relação com a totalidade)”.

in, “ Androgina: Rumo a uma Nova teoria da Sexualidade”
June Singer

sábado, 26 de outubro de 2013

chega um momento em que...


“Chega um momento na vida em que temos de mudar a nossa história.
Chega um dia em que temos de aceitar que existe quem não nos ame ainda que afirme que sim.
Chega um instante em que entendemos que mais nada nos prende ao lugar que nos viu crescer.
O coração parte ferido, mas a alma clama por novas narrativas.
A desilusão é grande, mas a vontade de partir é ainda maior.
Chega um tempo em que deslindamos todas as mentiras que nos agarraram por demasiado tempo a quase nada.
Chega enfim um momento em que a vontade de calcorrear um novo caminho ganha convicção dentro de nós.
Não sabemos para onde ele nos leva.
Só nos importa saber se nos afasta o suficiente de onde já não queremos estar.”

José Micard Teixeira 

EROTICAMENTE TUA…


Acende-se-me a volúpia
num pedaço de conversa,
fruto da mente perversa
e de muitos afectos,
quando os gostos predilectos se juntam.
Mata a vontade, da tua pele
incandescente, na minha!
Lambe-me a palma da mão, de mansinho,
com o olhar cravado no meu,
deliciosa, e provocadoramente sorrindo,
promessa, de tudo o que terei a seguir,
E… Irei contigo? Oh, sim irei, 
sem o encarar, um castigo
mas castigando-me a preceito,
já as tuas mãos o meu peito
se contentam. As nossas línguas se provam,
e as minhas defesas, capitulam
quando nas minhas pernas abertas,
inicias as descobertas, 
dum mundo, em que amiúde mergulhamos, 
quanto tão impregnados, um no outro ficamos
que a definição de amor reinventamos,
e não sei já quem és tu, ou sou eu. 

Maria Fátima Soares

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

.........aprender a não fazer tantos planos


"Não planeie muito, mas esteja preparado para tudo.
Hoje, com tanta insegurança no mundo, o intelecto é chamado a planear e desenhar um futuro estável.
Entretanto a resiliência necessária para ser cheio de recursos diante de qualquer coisa não vem de um intelecto planeador.
Ela vem de estar sempre pronto, presente no momento, capaz de responder de forma rápida e intuitivamente pelo melhor.
Essa atitude surge quando eu desapego das soluções fixas pré-planeadas e vejo o que mais se ajusta à situação presente."

~ Brahma Kumaris

Grande Espírito...ahoo


Que o Grande Espírito
Esteja na tua frente 
para mostrar o caminho certo...

Esteja ao teu lado, 
para te abraçar e proteger...

Esteja atrás de ti, 
para te salvar de pessoas falsas...

Esteja debaixo de ti, 
para te amparar quando caíres 
e que te tire das armadilhas...

Esteja dentro de ti, 
para te consolar quando estiveres triste...

Esteja ao redor de ti, 
para te defender
quando outros te atacarem...

Esteja sobre ti 
abençoando-te sempre...

Amém

diferença entre amizade e romance


"A diferença entre uma amizade e um romance pode ser ilustrada com a imagem de uma rosa com um pé grande. O pé é a amizade; a flor é o romance. Como o ego é orientado pelas sensações, nós focamo-nos automaticamente na flor. Mas o alimento de que a flor precisa para poder viver chega-lhes através do pé. O pé pode parecer aborrecido e sem graça em comparação com a flor mas, se você retirar a flor do pé, ela não vai durar muito tempo.

Um romance a longo prazo é como uma roseira. Em cada estação, a flor pode cair mas, se a planta for bem alimentada, ciclicamente aparecem novas flores. O desaparecimento do fervor romântico não implica necessariamente o fim de uma óptima relação, excepto para o ego. O Espírito consegue ver as sementes do renascimento em qualquer padrão de declínio.

A nossa tarefa não é procurar o amor, mas sim procurar todas as barreiras que levantamos para impedir a sua chegada. Pensar que existe uma pessoa especial que nos vai salvar constitui uma barreira ao amor puro. Nós procuramos desesperadamente o amor, mas é esse desespero que nos leva a destruí-lo assim que ele chega. Não há nenhuma pessoa certa porque… não há nenhuma pessoa errada. O que existe é a própria pessoa e as lições perfeitas que se podem aprender com essa pessoa."

in, "O Regresso ao amor"  
Marianne Williamson

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

RELACIONAMENTOS DIVINOS


"O amor é uma emoção participativa. Numa relação divina nós desempenhamos um papel activo na criação de um contexto no qual a interacção se possa desenvolver o mais construtivamente possível. Criamos activamente as condições de interesse, em vez de esperarmos passivamente para ver se estamos ou não interessados.

Mas o amor é uma decisão. Esperar para ver se o outro é suficientemente bom é uma atitude infantil… Aqueles que têm maturidade e estão abertos ao milagre ajudam os outros a ser atraentes. A parte importante de nos trabalharmos a nós mesmos, para podermos ficar aptos a estabelecer uma relação profunda, é a de que aprendemos a ajudar a outra pessoa para que ela atinja o seu melhor nível. Os parceiros estão destinados a ter um papel de sacerdote na vida um do outro. Estão destinados a ajudarem-se um ao outro a ascender às partes mais elevadas dentro de si mesmos.

O amor está para as pessoas como a água para as plantas. Nós ajudamos a outra pessoa a aceder ao seu máximo ao acedermos ao nosso próprio máximo. Só aquilo que você não deu é que estar a faltar numa determinada situação.

A cura acontece no presente. Só podemos encontrar a salvação no presente. Nós temos constantemente uma hipótese de mudar o nosso passado e o nosso futuro ao reprogramarmos o presente.
O poder milagroso do amor permite criar um contexto no qual as pessoas naturalmente florescem para o seu potencial mais elevado. Censurar, tentar que as pessoas mudem, criticar ou remediar não permite atingir esses objectivos.

Até as amarmos nós nunca compreenderemos as pessoas. Aquilo que não é amado não é compreendido. Nós mantemo-nos separados das pessoas e esperamos que elas mereçam o nosso amor. Mas as pessoas merecem o nosso amor por aquilo que Deus determinou que elas fossem. Enquanto estivermos à espera que elas se tornem melhores pessoas, vamos sentir-nos constantemente desapontados. Quando escolhemos unir-nos a elas, através da aprovação e do amor incondicional, o milagre surge para ambas as partes. Esta é a chave primordial, o último milagre a ser realizado nas relações."

in, "O Regresso ao Amor" 
Marianne Williamson
Fotografia de Robert Doisneau

A Arte de Amar


“A concentração é bem mais difícil de praticar em nossa cultura, em que tudo parece agir contra a capacidade de concentrar-se.
O passo mais importante no aprendizado da concentração é aprender a ficar só consigo mesmo, sem ler, sem ouvir rádio, sem fumar, sem beber.
Na verdade, ser capaz de concentrar-se significa ser capaz de ficar só consigo mesmo — e esta capacidade é precisamente uma condição da capacidade de amar.
Se me ligo a outra pessoa porque não posso suster-me por meus próprios pés, ele ou ela podem ser um salva-vidas, mas a relação não é a de amor.

Paradoxalmente, a capacidade de ficar só é a condição da capacidade de amar. 

Quem quer que tente ficar só consigo mesmo descobrirá quão difícil isso é.
Começará a sentir-se inquieto, nervoso, ou mesmo a experimentar considerável ansiedade.
Estará disposto a racionalizar sua má vontade em continuar com essa prática pensando que ela não tem valor, é simplesmente tola, toma muito tempo, e assim por diante.
Observará também que lhe vêm à mente todas as espécies de pensamento, que tomam conta dele.
Ver-se-á a pensar em seus planos para o resto do dia, ou numa dificuldade no trabalho que tem a fazer, ou aonde ir à noite, ou em qualquer número de coisas que lhe encherão a mente — em lugar de permitir que ela se esvazie.
Seria útil praticar uns poucos e muito simples exercícios como, por exemplo, sentar-se em posição repousada (nem espreguiçada, nem rígida), fechar os olhos e tentar ver em frente deles uma tela branca, tentar remover todos os pensamentos e imagens que interferem, tentar acompanhar a própria respiração; não pensar a respeito dela, nem forçá-la, mas simplesmente acompanhá-la — e, ao fazê-lo, senti-la; tentar, além do mais, ter o senso do seu “Eu”; eu = mim mesmo, como o centro de minhas forças, como o criador de meu mundo.
Dever-se- ia, pelo menos, fazer esse exercício de concentração todas as manhãs durante vinte minutos (se possível, mais) e todas as noites antes de deitar-se. ”.

~ Erich Fromm 
in, “A Arte de Amar”, pg 84


“A solidão é a doença do nosso tempo“, 
disse recentemente Thich Nhat Hanh. 

Para uns, o evitar de estar sozinho pode-se manifestar ao ligar a tv para que ela "fale" sozinha e “dar a impressão de ter alguém em casa”, para outros na necessidade de programar um encontro no fim-de-semana para evitar que se fique sozinho em casa no sábado ou domingo, ou ainda qualquer evento desportivo ou cultural “porque se não ficaria em casa sem fazer nada”, para outros ainda talvez se manifeste a ir constantemente ver o telemóvel para evitar o silêncio ou o vazio (Louis C.K. fala disto), ou mesmo procurar numa relação conjugal o preenchimento do desconforto de estar sozinho.
Há várias maneiras de sentir e evitar, das menores às maiores, e talvez a mais moderna de todas seja estar ocupado.

"estamos ocupados e ficamos ocupados o dia todo para nos conectarmos, mas isso não ajuda, não reduz a quantidade de solidão em nós”, 
diz Thich Nhat Hanh.

Neste texto o psicólogo, sociólogo e filósofo alemão Erich Seligmann Fromm (1900-1980) também parece estar a falar de algo parecido com a meditação.
Além de falar em “concentração“, também fala a respeito de “muito simples exercícios como, por exemplo, sentar-se em posição repousada (nem espreguiçada, nem rígida), fechar os olhos e tentar ver em frente deles uma tela branca, tentar remover todos os pensamentos e imagens que interferem, tentar acompanhar a própria respiração“.

A concentração pode ser um aliado na meditação, já que a mente do homem ocidental parece estar cada vez mais errática e dispersa, mas não há um real medicamento para este evitar da solidão, a não ser enfrentá-la, ficar a sós naturalmente.
Com tudo o que aparece.

Fromm fala em “ficar só sem ler, sem ouvir rádio, sem fumar, sem beber”, e podemos juntar “sem TV, sem Internet, sem telemóvel, sem cão, sem gato” etc...

Isso caso, quisermos ser capazes de amar.

Atritos


" (...) Quando finalmente aceitamos
que somos pequenos, ínfimos,
dada a compreensão da existência
e importância do outro,
e principalmente da grandeza de Deus,
é que finalmente nos tornamos grandes em valor.

Já viu o tamanho do diamante polido, lapidado?
Sabemos quanto se tira
de excesso para chegar ao seu âmago.

É lá que está o verdadeiro valor...
Pois, Deus fez a cada um de nós
com um âmago bem forte
e muito parecido com o diamante bruto,
constituído de muitos elementos,
mas essencialmente de amor.
Deus deu a cada um de nós essa capacidade,
a de amar...
Mas temos que aprender como.

Para chegarmos a esse âmago,
temos que nos permitir,
através dos relacionamentos,
ir desbastando todos os excessos
que nos impedem de usá-lo,
de fazê-lo brilhar

Por muito tempo em minha vida acreditei
que amar significava evitar sentimentos ruins.
Não entendia que ferir e ser ferido,
ter e provocar raiva,
ignorar e ser ignorado
faz parte da construção do aprendizado do amor.

Não compreendia que se aprende a amar
sentindo todos esses sentimentos contraditórios e...
os superando.
Ora, esses sentimentos simplesmente
não ocorrem se não houver envolvimento...

E envolvimento gera atrito.
Minha palavra final: ATRITE-SE!
Não existe outra forma de descobrir o amor.
E sem ele a vida não tem significado."


Poema "Atritos"  
Roberto Crema


Este poema é inspirador.
O Amor nos relacionamentos.
O auto-conhecimento e evolução.
E isso também é Amor.
Por nós próprios e pelo Todo.


"Paradoxalmente, a capacidade de ficar só é a condição da capacidade de amar."

~ Erich Seligmann Fromm
in, “A Arte de Amar”, pg 84

Não deixe...


"Não deixe que o dia termine sem ter crescido um pouco, sem ter sorrido muito, sem ter alimentado os seus sonhos.
Não se deixe vencer pelo desânimo.
Não deixe ninguém tirar o seu direito de se expressar; que é quase um dever.
Não desista da vontade de tornar sua vida extraordinária".

Walt Whitman

...fala-me dos teus fracassos


"Vou fazer-te um pedido: fala-me dos teus fracassos.
Fala-me dos grandes, dos que mais te doeram, dos que queres esquecer, dos que mudaram a tua vida. Eu sei que talvez não me compreendas, mas gostava de saber um pouco mais sobre esse teu lado que escondes de quase todos.
Pode soar a estranho, mas acredito que o teu verdadeiro valor não está nos sucessos, mas em todas as coisas que tentaste conseguir e não conseguiste, em tudo o que tentaste fazer e não fizeste, em quem quiseste ser e não foste.
Acredito numa coisa. Não são os sucessos que te definem, mas a maneira como reages aos fracassos."

José Micard Teixeira

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Nem Santa, nem Puta...MULHER!


"Mulheres cujos olhos brilhavam como estrelas, seduziam a noite escura para conhecerem os mistérios da floresta... Varriam a noite ao doce som de suas gargalhadas inocentes de menina. Mas no seu peito irradiavam o calor e o desejo de amor e em seu ventre eram capazes de escravizar a alma de qualquer mortal. Essas Mulheres da Floresta amavam enlouquecidas! E não se vestindo de nada, eram repletas de tudo...

E era assim que as Mulheres da Floresta escravizavam a alma de seu homem... E nesta União Sagrada ardiam em desejos, devoravam-se como animais ferozes e queimavam como um fogo que nunca se apaga...

in,"Olhos da Amazônia"  
Silvia Nobre Waiãpi 
(primeira militar indígena) 

Blasted Mechanism - panacea

.........................Agustina


“Se hoje se ouve falar duma mulher que deixa o tecto conjugal, isso não merece mais do que um encolher de ombros.
Mesmo sem abandonar a constância do matrimónio, as mulheres deixam a casa e ...vivem mais na rua e no emprego, do que entre as paredes designadas como um lar.
Mas o estado psíquico da mulher de ontem e de hoje continua a ser o mesmo: a carência afectiva é responsável pelos inúmeros transtornos sociais que não podem ser produzidos pela acumulação de um azar – um casamento malparado.
Carência afectiva é, na sua servilidade, uma catástrofe social.
O objecto do grande sonho da vida é o amor.
O amor raia o assunto do absurdo, e que não tem por fim ser explicado nem se destina a significar qualquer propriedade útil, como ter filhos ou proporcionar prazer.
Um considerável número de mulheres amorosas não merecem o nome de libidinosas.”

Agustina Bessa-Luís 
in, "O mistério da légua da póvoa"


...Um considerável número de mulheres amorosas não merecem o nome de libidinosas....genial!


.........................feminilidade radical


“O nascimento místico, parto na dor dum outro nome e sexo impreciso, e em que o sangue toma uma importância rítmica, culminando a imitação da paixão, é nada menos do que a união consumada que só a mulher conhece.
A feminilidade radical é uma ferida de amor, amor completo e permanente é atmosfera, onde o homem não se encontra à vontade.
Um pouco decepcionado pelo que há de repetitivo na adoração feminina, que é um desejo angustiado, ele trata de ignorar pela censura e pela psicanálise, o seu pequeno papel no ferimento de amor que é a mística feminina.

A feminilidade radical é uma ferida de amor, amor completo, onde o homem não se encontra à vontade"

Agustina Bessa-Luis


A VIRGEM ERA SINÓNIMO DE MULHER LIVRE...

"Ela é a virgem eterna, o que não quer dizer intocada, mas sim a que não vive sob o domínio do homem." (e muito menos dos padres...)
Agustina Bessa-Luis 

 "A MULHER NÃO PRECISA DE SE TRANSCENDER COMO O HOMEM PRECISA.
COMPLETA-SE NELA PRÓPRIA."
 Agustina Bessa-Luis


A vida é paradoxal


"A coisa mais importante para entender é que a vida é um paradoxo, a vida existe por ser paradoxal.
A vida não é lógica: é paradoxal.
Ela existe entre o nascimento e a morte, existe entre o dia e a noite, ela existe entre o ódio e o amor, existe entre o homem e a mulher.
Ela existe entre a electricidade positiva e electricidade negativa, existe entre o yin e o yang, entre Shiva e Shakti."

~Osho~

Shiva e Shakti

1.
O que é a coisa mais importante da vida?
O paradoxo - em tudo é preciso entender
Entre o nascimento e morte ela é vivida
Noite - dia, ódio - amor, homem – mulher

2.
Eletricidades positiva – negativa
Veja o paradoxo, olhe à sua volta 
Entre yin – yang, Shakti – Shiva
A lógica que queremos fica solta 

3.
Não há lógica, a vida é dialética
Pense em um mundo só de amor
É preciso ter uma visão cética
O ódio seria uma contínua dor

4.
Se só a escuridão fosse real
Ou só luz pudéssemos ter
Seria aborrecido tudo igual
É preciso contraste haver

5.
Shakti – Shiva, Krshna – Radha
A dialética dos opostos traz cor
Não há só a bruxa sem a fada
O ódio é parte integrante do amor

6.
Não se pode encontrar a alma gêmea
Mas pode-se sim criá-la na realidade
O interno Macho - a interna Fêmea 
A ciência do Tantra – a possibilidade

7.
Alma gêmea representa a união
Onde os sete centros se encontram
Belíssimo vôo dentro deste vulcão
As águas da kundalini vaporizam

Goloka Song 2013

Hindi Zahra - Stand Up

Límite


“Cada persona que encontramos en nuestro camino es una oportunidad de aprender. 
Si hay alguien en tu vida con quien te es más difícil relacionarte, 
míralo como tu maestro, 
porque es quien te muestra el límite de tu amor, 
hasta dónde eres capaz de amar a alguien.”

Lágrimas


"Há lágrimas que nascem no encontro de almas e há nelas algo de sagrado. 
As lágrimas não são sinal de fraqueza, mas sim de poder. 
A vulnerabilidade é bela e poderosa.
As lágrimas falam mais eloquentemente do que as palavras. 
São mensageiras de dores avassaladoras, de profundo pesar e de amor indizível."

Washington Irving

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

RAIVA


Quando era criança, por causa do meu carácter impulsivo, tinha raiva à menor provocação. Depois desses incidentes sentia-me envergonhado e esforçava-me por consolar quem tinha magoado. Um dia, depois de uma explosão de raiva, o meu professor viu-me a pedir desculpas. Entregou-me uma folha de papel lisa e disse:

- Amassa-a!

Com medo, obedeci e fiz com ela uma bolinha.

- Agora deixa-a como estava antes.

É óbvio que não pude deixá-la como antes. Por mais que tentasse, o papel ficou cheio de vincos.
Então o professor disse-me:
- O coração das pessoas é como esse papel. 
A marca que neles deixamos é tão difícil de apagar como esses vincos.

Religiões


Todas as religiões são igualmente falsas e igualmente verdadeiras, dependendo do modo como são utilizadas. 
Podemos utilizá-las ao serviço do ego ou ao serviço da verdade. 
Se acreditarmos que apenas a nossa religião é a detentora da Verdade, estamos a usá-la em prol do ego.

Eckhart Tolle

Depressão




“Um dos momentos mais dolorosos da minha vida foi quando caí numa grande depressão.
De repente, tudo pareceu perdido.
Faltaram-me as forças e a motivação.
Passei dias e dias sem conseguir sair da cama e sem saber o que me iria acontecer de seguida. Estava com medo do medo que sentia.
Os antidepressivos deixavam-me estranho e os calmantes, prostrado e sem reacção.
O medo tornou-se a minha grande companhia.
O presente assustava-me e o futuro aterrorizava-me.
Mais tarde, percebi a importância desse momento.
A vida parou-me para que eu fizesse escolhas diferentes.
Até ali, estava num caminho permanente de busca de aprovação, comparação e autocomiseração. O cansaço e o esforço tinham-se tornado parte integrante de mim. Sofria sem perceber ou mesmo sem o saber.
Naquele instante, a depressão teve o condão de me fazer chegar a um ponto em que entendi que tudo tinha de ser diferente.
Com muito custo, comecei a fazer escolhas contrárias ao medo e a vencer a resistência natural da doença.
Pouco a pouco, comecei a sair de casa, a sorrir, a regressar à vida. Nada mais foi igual. Tudo mudou.
Naquela altura compreendi de uma vez por todas que, mesmo que não o entendamos, tudo aquilo que nos acontece na vida é sempre o melhor para nós, e não existe nada, mesmo nada que aconteça fora do seu próprio tempo.

José Micard Teixeira

Amma


A real Master teaches you to accept everything that happens in life.
He helps you to be thankful for both good and bad, right and wrong, enemy and friend, those who harm you and those who help you, those who cage you and those who release you from the cage.
The Master helps you forget about the dark past and the bright future full of a thousand promises.
He helps you live life in the present moment with all its fullness.
He lets you know that the whole of nature - everything, everybody, even your enemy is helping you evolve and attain perfection.

~ Amma

Viragem de ciclo


Pois o que realmente está a acontecer, em termos energéticos, é a viragem de ciclo da relação feminino/masculino, mas desta forma , num movimento mais subtil, mais interiorizado, homens e mulheres irão reeducar as duas energias dentro de si...

As mulheres, o seu yang interno, os homens o seu yin interno...

Poderemos fazê-lo em recolhimento com o polo oposto complementar...
Mas só será criativo e complementar, se estivermos a fazer o nosso percurso interno de resgate pessoal , de harmonização com a nossa polaridade interna.
A feminina , a sensibilidade de captar energia do exterior e recolher dentro.
E a masculina, a capacidade de reagir perante o que sente...
Se nos dividimos do mundo exterior, dos outros, responsabilizando-os , não assumindo o nosso crescimento, a harmonização interna, autonomia sem ego a querer reconhecimento do outro, então criamos uma onda de equilibrio a fluir a cada momento...

E este é apenas um momento... nada mais representa...

Darmos-nos inteiros a cada instante e harmonizarmos, pela consciência do que representou para nós... só para nós...
Se estivermos a viver criativamente com outros lá fora esta experiência, então será a fusão fisica, materializada do trabalho interior...
Não é a nuvem cor de rosa que projecta e depende da pacificação do exterior, mas sim a responsabilidade de criar o seu próprio reconhecimento pessoal e pacificar-se por si e em si...

Ruth Fairfield 

beegie adair - blues in the night HQ

Fecha de nacimiento


Existe una tribu en África, donde la fecha de nacimiento de un niño no se toma como el día en que nació, ni como el momento en que fue concebido, sino como el día en que ese niño fue "pensado" por su madre.

Cuando una mujer decide tener un hijo, se sienta sola bajo un árbol y se concentra hasta escuchar la canción del niño que quiere nacer.
Luego de escucharla, regresa con el hombre que será el padre de su hijo y se la enseña. Entonces, cuando hacen el amor con la intención de concebirlo, en algún momento cantan su canción, como una forma de invitarlo a venir.

Cuando la madre está embarazada, enseña la canción del niño a la gente del lugar, para que cuando nazca, las ancianas y quienes estén a su lado, le canten para darle la bienvenida.

A medida que el niño va creciendo; cuando el niño se lastima o cae o cuando hace algo bueno, como forma de honrarlo, la gente de la tribu canta su canción.

Hay otra ocasión en la que la gente de la tribu le canta al niño.
Si en algún momento de su vida, esa persona comete un crimen o un acto socialmente aberrante, se lo llama al centro de la villa y la gente de la comunidad lo rodea.
Entonces le cantan su canción.
La tribu reconoce que la forma de corregir un comportamiento antisocial no es el castigo, sino el amor y la recuperación de la identidad.
Cuando uno reconoce su propia canción, no desea ni necesita hacer nada que dañe a otros.
Y así continua durante toda su vida.

Cuando contraen matrimonio, se cantan las canciones juntas.
Y finalmente, cuando esta persona va a morir, todos en la villa cantan su canción, por última vez, para él.


Puedes no haber nacido en una tribu africana que te cante tu canción en cada una de las transiciones de tu vida, pero la vida siempre te recuerda cuando estás vibrando a tu propia frecuencia, y cuando no lo estás. 
Sólo sigue cantando y encontrarás tu camino a casa.

Amy Winehouse - Stronger Than Me

O perigo de legalizar a prostituição

AQUI ESTÁ O PERIGO DA LEGALIZAÇÃO DA PROSTITUIÇÃO, QUANDO OS ESTADOS SÃO OS BORDÉIS DA PIOR ESPÉCIE...
Aliás, foram sempre os estados de todos os regimes, que exploraram e traficaram as mulheres desde o início do patriarcado, desde, mais precisamente, que inventaram o casamento...

domingo, 20 de outubro de 2013

A Nova essência feminina


A Nova essência feminina que as mulheres estão a integrar trás reminiscências de um passado sim, de tempos onde a Mulher era glorificada por a real essência, a delicada nudez da pureza e receptividade amorosa...
Glorificada por a essência MÃE DEUSA...

Na minha sensível perspectiva, sinto que toda essa energia está sim de facto a relembrar o feminino da sua peculiar essência, mas que não devemos nos confundir com tempos , a essência deverá ser reintegrada no novo tempo humano...
Como?...
As mulheres estão a despertar esta energia , mas não a conseguem descodificar na sua vivência actual...

O que sinto é que a Mulher está a despertar para o equilíbrio entre o novo feminino e o masculino activo que esteve a conhecer e integrar...
As mulheres estiveram a dar o grito de força masculino, tornando-se autónomas, independentes, activas em todas as áreas de vida...
Chegou uma nova etapa...
Agora Mulheres integrem essa nova energia masculina /acção numa nova interacção com o vosso feminino...

Acordar a intima beleza que só a delicada energia feminina sente ao ser cortejada..
A DANÇA da feminina essência de sedução...
Saberem ser receptivas , sem pudor, mas sim receptoras uterinas da energia masculina...
Abraçarem em cada olhar, em cada toque , a energia do homem...
e sim nessa dança irem se deixando encantar, fundindo a energia docemente... sem ritmos loucos... mas sim suaves e que activam a terra e o Céu em Si...
Coração e carne vão fundindo a energia...
Calmamente...

Esta é a nova essência doce do feminino...
Dancem em pureza, sem pudor, mas delicada receptividade...
Deixem-se encantar num olhar...
Fundirem-se num breve instante onde a Alma se sentiu ... apenas...
Permaneçam e entreguem-se num simples toque...

Sejamos as novas mulheres Modernas, empreendedoras ... mas, doces na intima dança com o masculino...

Ruth Fairfield

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

A human being is like a television


Recently, one friend asked me:
"How can I force myself to smile when I am filled with sorrow? It isn't natural."
I told her she must be able to smile to her sorrow, because we are more than our sorrow.
A human being is like a television set with millions of channels.
If we turn the Buddha on, we are the Buddha.
If we turn sorrow on then we are sorrow.
If we turn a smile on, we really are the smile.
We can not let just one channel dominate us.
We have the seed of everything in us, and we have to seize the situation in our hand, to recover our own sovereignty.

~ Thich Nhat Hanh

...........carinho


“ Sabe o que é o carinho? ... 
É tocar com respeito o mundo do outro". 

Gi Stadnicki

Mujer Celta


Las mujeres de origen Celta eran criadas tan libremente como los hombres. 
A ellas les era dado el derecho de elegir sus compañeros y nunca podrían ser forzadas a una relación que no querían. 
Eran enseñadas a trabajar para que pudieran garantizar su sustento, eran excelentes amantes, amas de casa y madres. 

La primera lección era:
"Ama a tu hombre y siguelo, pero solamente si ambos representan uno para el otro, lo que la Diosa Madre enseño: Amor, compañerismo y amistad"

Jamás permitas que ningún hombre te esclavice: naciste libre para amar, y no para ser esclava.

Jamás permitas que tu corazón sufra en nombre del amor. Amar es un acto de felicidad, por que sufrir?

Jamás permitas que tus ojos derramen lágrimas por alguien que nunca te hará sonreír!

Jamás permitas que el uso de tu cuerpo sea cercenado.
Tu cuerpo es la morada del espíritu.
Por que mantenerlo aprisionado?

Jamás te permitas estar horas esperando a alguien que nunca vendrá, aunque te lo haya prometido!

Jamás permitas que tu nombre sea pronunciado en vano por un hombre cuyo nombre ni siquiera sabes!

Jamás permitas que tu tiempo sea desperdiciado con alguien que nunca tendrá tiempo para ti!

Jamás permitas oír gritos en tus oídos.
El amor es lo único que puede hablar mas alto!

Jamás permitas que pasiones desenfrenadas te lleven de un mundo real para otro que nunca existió!

Jamás permitas que otros sueños se mezclen a los tuyos, volviéndolo una gran pesadilla!

Jamás creas que alguien pueda volver cuando nunca estuvo presente!

Jamás permitas vivir en la dependencia de un hombre como si hubieras nacido inválida!

Jamás te pongas linda y maravillosa a fin de esperar un hombre que no tendrá ojos para admirarte!

Jamás permitas que tus pies caminen en dirección de un hombre que solo vive huyendo de ti!

Jamás permitas que el dolor, la tristeza, la soledad, el odio, el resentimiento, los celos, el remordimiento y todo aquello que pueda sacar el brillo de tus ojos, la dominen, haciendo enfriar la fuerza que existe dentro de ti!

Y, sobre todo, jamás permitas perder la dignidad de ser... MUJER.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Independência


"Independência nada mais é do que ter poder de escolha. 
Conceder-se a liberdade de ir e vir, atendendo suas necessidades e vontades próprias, mas sem dispensar a magia de se viver. 
Independência não é sinónimo de solidão. 
É sinónimo de honestidade: estou onde quero, com quem quero e porque quero."

Martha Medeiros

Como se perdoa?


O 1º passo para poder perdoar talvez seja admitirmos que existe a hipótese de haver algo ou alguém para perdoar.

2º - Querer perdoar, ter vontade de perdoar e avançar para a Vida.

3º - Saber e ter consciência do ponto no tempo e no espaço que essa "SEPARAÇÃO" aconteceu, digo separação porque só existe CULPA porque houve algo que nos separou do fluir da vida, da alegria de viver, do Amor, enfim... algo que nos separou da nossa essência e por isso, como nos achamos separados de algo, tem de haver um culpado e por isso a necessidade de Perdão.

4º - Ter consciência que toda a situação começou porque houve um JULGADOR e quem JULGOU a situação FOMOS NÓS próprios e por isso mais uma vez somos nós que precisamos de emendar essa situação perdoando o que foi julgado e o julgador.

5º - Ter consciência e conhecimento do modo como funciona a personalidade humana e as suas partes cristalizadas ou sub-personalidades para saber qual é a intenção base dessas mesmas partes e isso funciona igual para todos os seres humanos, visto que temos Todos a mesma Essência de Amor e o nosso sistema de criação da personalidade é igual.

6º - Ver, através da compreensão do ego/personalidade humana, que afinal não há nada para perdoar porque não há CULPA, há apenas FALTA de AMOR dessa parte que a certa altura das nossas vidas acreditou e sentiu que estava separada de nós próprios, da Fonte da Amor que Somos nós próprios.

E por isto é tão importante o Desenvolvimento Pessoal psicológico e Espiritual porque nos ajuda a perceber, ter consciência e desbloquear o que ainda pode estar a bloquear o Fluir fácil e livre que a nossa Vida pode ser.

Concluindo e resumindo:

1- O Amor próprio é a solução para que a nossa Vida possa Fluir cada vez mais.

2- Não existe culpa mas sim Responsabilidade pelo facto de termos acreditado que podíamos de alguma forma viver separados da Fonte da Amor.

3- Parar o auto-julgamento e o julgamento das outras pessoas.

fácil não é? hehehehh! tou a brincar... pode ser muito fácil mas também pode ser muito dificil, é o que acreditarmos que é possivel.
É o que tu acreditares que É.
E estás sempre certa, o que acreditas torna-se a Tua realidade, que pode ser e É diferente da realidade dos outros.
Não há verdades Absolutas.

Duarte Indra Coelho


Nunca fui uma pessoa rancorosa, nem nunca tive dificuldades em por para trás das costas e voltar a dar novamente a mão.
Dá-me e passa-me...mas, à terceira é de vez!
É mais forte do que eu...apenas fecho a porta de vez, e sigo o meu caminho!
Contudo, temos sempre de lidar com as atitudes das pessoas que nos magoam, quando não sabemos iluminar a nossa escuridão interior.
Considero que, para perdoar é preciso ACEITAR, aceitar que a vida está sempre certa, do jeito que é, que tudo acontece no momento certo, na hora certa e que tudo o que acontece, quando percebido mais tarde, faz sentido. 
Assim sendo, deixa de haver um motivo para perdoar, mas sim uma lição para aprender.

Há uns anos, fiz uma Constelação Familiar, e esta questão do Perdão surgiu na minha constelação.
E o terapeuta, disse-me que nunca podemos perdoar ou desculpar alguém, porque não temos poder para isso, e poderemos interromper a lei Karmica de Causa-Efeito.
Tudo o que é negativo que nos fazem a nós, volta para quem nos fez, e se nós perdoarmos, toda essa energia negativa, deixa de ir para quem nos fez mal e volta para nós, de novo.
Segundo ele, devemos interiorizar:
"aquilo que me fizeste de mal, é da tua responsabilidade, é teu e fica contigo.
Não me pertence.
A forma como reajo ao que de mal me fizeste, é de minha responsabilidade, é meu e pertence-me". Segundo ele, só as Almas Grandes têm a capacidade de perdoar, de neutralizar toda a energia negativa do processo kármico.

Tocou-me especialmente esta postura, já que sou pagã...espero que sirva a mais alguém.

Onde anda a minha Alma-gémea?


No que toca ao tema do Amor e dos relacionamentos, todos escondemos aquele desejo secreto de encontrar alguém que nos venha preencher o nosso eterno vazio. Alguém com quem nos vamos identificar a todos os níveis e viver uma vida “feliz para sempre”. Por mais que a vida nos prove e mostre, tanto pela nossa experiência como pela dos que nos rodeiam que esse ideal é uma fantasia, algo em nós agarra-se teimosamente a ela.

Idealizámos exageradamente o conceito de alma-gémea, fizemos filmes românticos com happy-endings, criámos desenhos animados com histórias de amor para sempre, e continuamos a alimentar o conceitos através de músicas, livros, novelas, etc que continuam a fazer-nos acreditar que existe alguém que irá trazer o que nos falta ou ser a nossa cara-metade.

Por serem uma fonte infinita de emoções maravilhosas, por aparentemente parecerem preencher o nosso vazio e esconder as dores da nossa solidão, acabamos todos apegados à ideia de encontrar essa dita pessoa ou esse relacionamento que, se realmente existisse, resolveria quase todas as dores do ser humano.

Mas contra factos não há argumentos. Basta olharmos à nossa volta e analisar a nossa história pessoal e observamos que não há provas da existência de tal relacionamento perfeito e equilibrado e muito menos para sempre.

Mais do que lhes chamarmos alma-gémea e continuarmos a alimentar esse fenómeno distorcido da existência de uma alma que vem completar o que nos falta, chamemos-lhes sim “relacionamentos Kármicos”.
Ou seja, existe na mesma uma enorme atracção, um sentimento de que já nos termos conhecido antes, de conforto ou familiaridade junto dessas pessoas,  excesso de foco ou mesmo obsessão por essa pessoa.
Apenas precisamos de retirar o “juntos para sempre”, o excesso de fantasia, expectativa e idealização.

Diz a Lei do Karma que tudo o que sai de nós, a nós irá voltar com a mesma intensidade e qualidade. Quando encarnamos trazemos já o propósito de evolução, os encontros e desafios que precisamos para equilibrar esses mesmos Karmas passados.
Enquanto houver dinâmicas Kármicas por saldar, encarnamos para conseguir esse equilíbrio.
Sendo assim, por trás da mais bela história de amor, está a acontecer a um nível atómico uma troca energética.

Numas situações vamos perceber e sentir que precisamos perder força, noutras precisamos ganhar autoridade e só nós, com a devida percepção saberemos a diferença. Caso nos mantenhamos fechados, ignorantes deste processo invisível mas  mágico e alquímico, ficaremos a repetir o que nos trouxe cá até que gastemos essa energia e tomemos consciência de como nos libertarmos dela.

TODOS os relacionamentos são Kármicos.
Todos nos estão a trazer a oportunidade de continuar uma história começada já no passado e levá-la mais à frente. A relação entre pais e filhos ou mesmos dos outros membros da família. Os locais onde trabalhamos, os vizinhos que atraímos. Aqueles por quem nos apaixonamos.  Os nossos melhores amigos.
TODOS trazem uma vertente Kármica.
Mas por um excesso de romancismo, passamos a acreditar que apenas as relações românticas carregam esse “charme” de virem de outra vida.

Após aquele momento “cor-de-rosa” da atracção mútua essencial para que o acordo previamente decidido se cumpra, virão ao de cima essas mesmas energias reprimidas do passado em busca de evolução e Luz.

Deste ponto de vista, cada relacionamento é então uma maravilhosa oportunidade de nos libertarmos de energias negativas, de medos enraizados, da elevar a nossa eterna desvalorização, de conquistar a nossa autoridade ou de pelo contrario revelarmos alguma humildade ou simplesmente aprendermos sobre o Amor incondicional. Sabendo que atraímos o que carregamos, esteja ele consciente ou inconsciente, os relacionamentos são também uma oportunidade maravilhosa de humildemente reconhecermos em que estado energético realmente nos encontramos e a partir daí vermos o que ainda temos a trabalhar.

Um relacionamento Kármico tem um tempo de duração previsto para que as lições aconteçam. A um nível muito superior e a partir de uma consciência de Amor, os dois têm um acordo sagrado de ajuda mútua de crescimento e talvez por isso a questão do “para sempre” seja tão forte em nós.

A questão é que somos seres individuais responsáveis pelo nosso percurso e evolução pessoal. Caso o nosso “parceiro” Kármico escolha não evoluir ou esteja a vivenciar experiencias diferentes ou opostas à nossa não deverá ser impedimento para que não continuemos a nossa caminhada e adiemos esse apoio. Afinal vivemos no 3D extremamente condicionados pelo Espaço e Tempo.  Nesses casos, as separações são inevitáveis embora muitos, por apego, escolham suspender a sua evolução para manter esses mesmos relacionamentos.  Uns por medo da solidão, outros por insegurança de viver uma vida sem as velhas bengalas, a maior parte por simples ignorância deste processo.

Infelizmente são escolhas feitas sem a consciência de que ao suspendermos a nossa evolução estamos a assinar uma vida de frustração, vazio e solidão para não dizer pior.

Precisamos tirar os óculos cor-de-rosa. Precisamos de reaprender a olhar para os relacionamentos com mais realidade, como fontes crescimento pessoal assim como, claro, de prazeres momentâneos. Seria maravilhoso passamos a usar mais a palavra companheiro/a do que namorado/a ou marido/mulher ou mesmo o “meu amor”. Companheiro no sentido de alguém que nos “acompanha” na nossa viagem e nós na dele/a.  Alguém que aprecia a nossa companhia e que respeita o nosso espaço e liberdade de maneira de ser. Alguém que gostamos de ter por perto sem carência e sem “precisarmos” dela.

Tudo o que vá para além disto torna-se apego, negócio e irá, mais cedo ou mais tarde ser uma fonte de dor.

No campo da fantasia não cresci diferente da maioria e gosta ainda de acreditar que é possível viver relações mais saudáveis do que as que vimos nos nossos pais e nos nossos avós e em tantas ainda nos dias que correm. Mas terão que ser relações baseadas em escolhas conscientes e não mais em carências escondidas e disfarçadas. Serão relações entre dois elementos acordados para o crescimento pessoal, respeito e entreajuda mútua. Serão relacionamentos isentos de cobrança, culpa e julgamento. As conversas serão partilhas sobre as descobertas que cada uma vai fazendo sobre a sua caminhada pessoal.

Enquanto ainda houver carência, projecção, expectativa, cobrança, enquanto não fecharmos essas energias em nós e assumirmos a responsabilidade sobre o estado da nossa pessoa, lamento ser a portadora da noticia que não haverá relacionamento equilibrado ou saudável. Haverá relacionamentos sim mas apenas para gastar essas velhas energias, levar cada um ao limite das mesmas e assim, tal como nos ensinam os antigos, poder virar no contrário.


Vera Luz

....que eu renasça!


Que doa.
Que rasgue cada véu de ilusão que foi criada.
Que as lágrimas escorram gordas pela face impassível, que se derramem as retinas se o pranto de água e sal não for suficiente.
Que entorpeça, que me leve à beira da loucura essa sutura mal feita.
Ferida que não cicatrizou, eu estava certa.
Havia uma infecção emocional que apenas um bisturi poderia extirpar.
Que seja.
Não faço mais curativos e nem lanço mão de placebos.
Que seja insónia, agonia, desespero se for este o caso.
Não conheço vida sem quaisquer umas destas emoções.
Mas que venha tudo: o cru, o imundo, o insuportável.
Que eu possa sentir até o fundo dos poros, que todo o veneno amoleça minhas veias, que a dor, antes obsoleta, pois a vida exigia uma sucessão de alegrias, me corroa com inteireza.
Mas que eu renasça... E cresça.
E que possa receber, após esta limpeza, a paz.
Desejo coragem para quem nasceu pra sentir demais.

Marla de Queiroz

.....dedo na ferida!



“Tudo aquilo que sempre quiseste, hoje deixou de fazer qualquer sentido.
Tudo aquilo que sempre negaste, hoje tornou-se impossível de ser desdito.
Tudo aquilo que sempre evitaste, hoje tornou-se uma realidade.
Nada é mais o que antes acreditavas ser.
Mesmo tu, já deixaste de saber bem quem és.
A verdade é que tudo à tua volta parece ter ganho uma nova ordem e uma nova perspectiva.
O mundo está a mudar depressa demais para conseguires entendê-lo, e isso assusta-te.
Tens medo do que possa suceder, mas também não sabes aquilo que podes fazer.
Pensas demasiado sobre tudo, mas quase sempre decides sobre muito pouco.
A continuar assim, quando perceberes onde foste parar, já nada mais poderás fazer senão orar a um deus em quem já deixaste há muito de acreditar.”

José Micard Teixeira

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Osho


O modo como lidamos com as outras pessoas, diz-nos como lidamos com o nosso próprio ser.
O nosso ser central é ilimitado e desconhecido - é Divino, o espírito ilimitado.
Assim, a parte mais íntima do nosso ser é sempre um "outro", ao qual nos conectamos através da consciência e do amor.


"Eu não estou aqui para preencher as tuas expectativas. 
Se eu preencher as tuas expectativas nunca serei capaz de te transformar. 
Eu estou aqui para te confrontar. 
E nessas experiências chocantes a tua mente irá parar.
Tu não serás capaz de saber o que aconteceu, e esse é o ponto onde algo novo entra em ti". 

OSHO

INTENSIDADE




A estrada da Vida admite interrupções tortuosas. 
Por ocasiões temos que ser estimulados, acicatados para o Despertar. 
Ninguém sonha sozinho. 
Ninguém morre acompanhado. 
O pulsar do coração da vida é único,
independentemente daqueles que nos rodeiam. 
Não somos mecanismos, mas paramos para pôr combustível.

Nada é perpétuo, o presentâneo compulsa nas veias 
em permanente inquietação. 
Sê feliz, a pedra que suportas não é tão colossal. 
As arbitrariedades têm uma duração,
a condolência finda, o verdadeiro de tanta verdade persiste, 
a audácia eleva-te, o medo fortifica, não enfraquece, 
os enganos treinam-te que nada é perfeito.

Às vezes estamos mortos e não sabemos. 
Outras vivos, mas latentes. 
Não construam da Vida um intervalo duradouro. 
Mesmo na solidão (é amiúde imperativamente necessária), 
sempre um acesso e não um STOP. 
Despertem, ponham o carro a trabalhar...

O louva-deus macho não pode acasalar 
enquanto a cachimónia estiver conectada ao corpo. 
A fêmea inaugura e finaliza o acto sexual arrancando-lhe a cabeça. 
Daí a nascedouro ditado: perde-se a cabeça por uma boa fondamentação.

Sérgio Ramires

Vulnerabilidade

                       
Brene Brown estuda as relações humanas - a nossa capacidade de criar empatia, de pertencer, de amar.
Numa comovente e divertida palestra no TEDxHouston, Brene Brown partilha uma visão profunda da sua investigação, que a fez mergulhar numa busca interior para se conhecer totalmente e também para compreender a Humanidade.

She has spent the past ten years studying vulnerability, courage, authenticity, and shame.
She spent the first five years of her decade-long study focusing on shame and empathy, and is now using that work to explore a concept that she calls Wholeheartedness.

She poses the questions:
How do we learn to embrace our vulnerabilities and imperfections so that we can engage in our lives from a place of authenticity and worthiness?
How do we cultivate the courage, compassion, and connection that we need to recognize that we are enough – that we are worthy of love, belonging, and joy?

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Carência


“Tu nunca recebes amor se emanas carência.
Na verdade, aquilo que recebes é ainda mais carência.
Tu sabes que em carência tudo acaba rápido.
E mesmo que dure um pouco mais, vai doer-te durante todo o tempo.
Por isso, pára de querer que os outros gostem de ti.
Pára de querer que os outros te elogiem.
Pára de querer que os outros te aceitem.
Pára de procurar nos outros aquilo que está unicamente em ti.
Começa finalmente a olhar-te como se realmente te visses.
Começa finalmente a olhar-te e, descobre quem tu representas, para poderes depois escolher quem tu és.
Não procures a aceitação dos outros, porque isso é o mesmo que dizer que não te aceitas.
E se não te aceitas, não te amas.
E se não te amas, não andas por aqui a fazer grande coisa por ti.”

José Micard Teixeira

Dharma


The Dharma is not a lecture.
The Dharma, in the Buddhist tradition, is a kind of rain.
Our consciousness should behave like the soil, the earth.
We have to allow the Dharma talk to penetrate.
According to the Buddha, we have seeds of understanding, of awakening, of compassion, within ourselves.
We don't need these seeds to be transmitted from the teacher.
We already have all of them, in the depth of our consciousness.
We call it store consciousness, sometimes earth consciousness.
Because these seeds are buried deep in the mind, in the soil of our consciousness, it is very hard for them to grow and manifest.
Above, there are many layers of suffering, confusion, prejudices and so on, and our intellect can never go deep enough.
Our intellect, very often contradicts our deepest nature and therefore, to allow the intellect to rest, and to open our earth store, in order for the rain of the Dharma to penetrate is very important.

~ Thich Nhat Hanh

domingo, 13 de outubro de 2013

Mudar os nossos valores


"Nossa civilização, baseada nos falsos valores do patriarcado, 
está em plena ruína, até no plano material. 
Para evitar a autodestruição, é preciso despertar o culto da feminilidade, 
que é o único a permitir o pleno desenvolvimento tanto do homem como da mulher."

ESSES VALORES FEMININOS SÃO: O AMOR, O AFECTO, AS RELAÇÕES HUMANAS o contacto com a natureza e a vida. E as crianças, visto que a mulher também é mãe. Esses aspectos fundamentais do seu ser não os citei logo para evitar que a mulher que ler este texto suspeite da intenção camuflada de voltar a encerrá-la nos três famosos "K" Kinder, KUche, Kirche - crianças, cozinha e igreja.

São também femininas a musica, a dança, a poesia, a literatura. Feminina é também a doçura do lar, embelezado pela arte, vivificado pelas flores, pelos animais e pelas crianças, porque não? Entretanto, os valores femininos mais verdadeiros, mais profundos, transcendem a lógica, mergulham no irracional, palavra que inquieta o cerebral, o cientista e o sistema patriarcal em geral.

O irracional são as camadas profundas do psiquismo, aquelas que habitualmente chamamos de inconsciente, mundo dos instintos e das pulsões.
A mulher é intuitiva, e endosso as palavras de J. Guendher, em yuganaddha, The Tantric View of live:


"A consciência da mulher é diferente; ela já percebeu as coisas quando o homem ainda tateia na escuridão. A mulher percebe as circunstâncias que a cercam e as possibilidades a elas ligadas, algo que um homem costuma ser incapaz. Por isso, o mundo da mulher parece-lhe pertencer ao infinito, para fora do tempo e para o transcendente, pode fornecer as indicações e os impulsos mais válidos. Essa transcendência é a sabedoria, e esta supera o saber intelectual...A mulher e tudo a ela associado parecem bem estranhos ao macho e,, no entanto, isso faaz parte de seu universo mais íntimo, à espera de se realizar por ele" (p.172)


Ora esses valores também estão no homem, mas, com a educação patriarcal os reprimiu, descobri-los é uma tarefa dura. O procedimento inicial, aliás, é compreender que nada há...a compreender, mas a perceber e a sentir. Por isso, no caminho da Esquerda, que passa pela mulher, é ela a iniciadora. Ela abre para o homem as portas secretas para a profundidade do ser, para o derradeiro, o cósmico. Se o Tantra fosse uma religião, as mulheres seriam suas sacerdotisas, e os sacerdotes seriam os homens que tivessem desenvolvido, graças à mulher, suas qualidades femininas de intuição e transcendência.


André Van Lysebeth
Tantra, o Culto da Feminilidade